Espaço do Diário do Minho

Missiva a Salvini… pseudocristão
8 Jul 2019
António Sílvio Couto

Um tal senhor Matteo Salvini – vice-primeiro ministro e ministro do interior italiano – surgiu, mais uma vez com esse ar de caudilho fascista, a contestar a receção de emigrantes/refugiados àquele país.

Embora desta vez não tenha surgido de terço em punho – qual amuleto escusado – logo anatematizou quem quis ajudar pessoas indefesas em busca de um presente menos duro e de um futuro que possa ser não tanto sofrido e perigoso

Ora, diante das imagens e das declarações de outros apaniguados de Salvini fica-me uma preocupação: para quando a expulsão do Papa Bergoglio também ele filho de emigrantes italianos, que retornou a Itália para governar a Igreja Católica a partir do Vaticano… enclave no território da capital italiana?

De facto, este senhor Salvini tem memória muito curta, pois milhões de italianos – dizem que mais de setenta, entre 1880 e 1960 – se espargiram pela Europa (Alemanha, França e Suíça), a América do Sul (Brasil, Argentina e Uruguai), a América do Norte (Estados Unidos e Canadá) e mesmo a Austrália… Claro que todos estes italianos foram difundindo a sua cultura, a típica maneira de ser, a inconfundível gastronomia e tudo o resto que está contido na mentalidade transalpina.

Se fizermos comparação com a população de quase 60 milhões daqueles que vivem no espaço territorial de Itália como que se torna ridículo que temam que lhes afetem o palácio dourado, que já foi, mas que está, nitidamente, em ruína como qualquer outra civilização que se fecha e que rejeita comparações ou mesmo intromissões no seu egoísmo social e económico…

De referir que desde 2007 a população italiana está na barreira dos quase-sessenta milhões sem nunca a atingir… e que vai, segundo as projeções, decrescer de forma progressiva nas próximas duas décadas… até 56 milhões.

Que fará, então, estrebuchar, Salvini e os seus lacaios… dentro e fora de Itália? Que valores estarão em causa para que um povo que é feito de emigração e não se deixa renovar pelos migrados? Onde se situam os critérios dos cinquenta milhões de cristãos registados? Será a ínfima parte de islâmicos (quase 4%) que cria tais obstáculos à receção de quem chega? Ou serão os quase 13% que se declaram ‘sem religião’ que engendram tais fenómenos xenófobos, ridículos e desumanos?

= É preciso distinguir com urgência as atitudes de dirigentes insanos de tudo quanto é normal e faz acontecer as ocorrências da História: as mudanças, mutações e transferências de populações sempre aconteceram e fizeram com houvesse evolução de povos, de nações, de culturas e de civilizações. As razões sempre foram muito variadas. Umas vezes feitas de forma pacífica e progressiva, enquanto noutros casos se geraram guerras e conflitos, com estragos e mudanças mais rápidas, agressivas e mesmo violentas.

Normalmente quem resistiu à mudança foi vencido, derrotado e teve de pagar as custas de não se saber adaptar ou compreender os factos na devida proporção. Mesmo quando as razões eram de procura de melhores condições de vida – passando das dificuldades para a melhoria menos má – os emigrantes foram quase sempre os vencedores, pois além de terem o desejo de conquista ainda combatiam contra a acomodação dos resistentes, que nem sempre estavam de atalaia para com as suas falhas e fraquezas.

= Os tempos próximos vão-se encarregar de desmistificar os slogans de Salvini e quejandos, pois não se pode fazer do medo uma atitude política nem se pode tornar a agressão aos outros uma forma de crescer sobre as suas fragilidades. Do mesmo modo que mentir, iludindo a verdade, depressa será descoberto, assim querer enclausurar-se nas suas inverdades capciosas não conseguirá sobreviver todo o tempo.

Mais do que construir muros, urge levantar pontes, sejam materiais ou espirituais, sejam nos espaços políticos, sociais e religiosos.

Tenho vergonha de ver Salvini de terço na mão e de faltar à caridade mais simples e sincera, assim como tenho uma sensação de ser abjeto ver combatentes materialistas (ditos ateus, agnósticos e marxistas) de vela na mão, pois ambos ofendem sinais da nossa fé cristã mais básica…Efetivamente, Cristo merece mais respeito!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 20 Jan 2020

Esta expressão –‘simili modo’ – aparece-nos em vários momentos bíblicos e litúrgicos, numa referência de comparação entre algo transcendente e a nossa condição terrena, bem como na tentativa de incluir em linguagem humana aquilo que os nossos limitados sentidos vão conseguindo atingir, observar e almejar. Ora, nas múltiplas incidências da nossa vida poderemos tentar analisar […]

António Sílvio Couto - 13 Jan 2020

Os dados foram publicitados recentemente: em 2018, os portugueses gastaram 35,5 milhões de euros, por dia, a comer fora de casa. As contas totais, segundo as estatísticas da UE, perfizeram cerca de 13 mil milhões de euros que as famílias portuguesas gastaram a fazer refeições em restaurantes, cafés, cantinas e similares. Atendendo à média europeia […]

António Sílvio Couto - 6 Jan 2020

A avaliar pelas várias, multiformes e altissonantes condecorações, conferidas pelo ‘estado português’ – no passado ou nos tempos mais recentes – podemos considerar que há uma espécie de saldos nesta distinção nacional. Não estão em causa muitas dessas benesses auferidas por figuras que se destacaram nas mais díspares atividades de presença de portugueses/as no mundo […]


Scroll Up