Espaço do Diário do Minho

Heróis
28 Jun 2019
Carlos Dias

Numa vigilância de exames, estava um aluno com um polo que dizia: “Herói é um Homem vulgar, que faz algo extraordinário, num momento extraordinário”.

Dei por mim a pensar nas várias medalhas conquistadas pelos nossos atletas nos Jogos Europeus, que estão a decorrer em Minsk. No momento em que escrevo este artigo, entre 50 países europeus, Portugal ocupa a 11.a posição no medalheiro da competição.

Conquistamos, até ao momento, 11 medalhas (2 ouro, 5 prata e 4 de bronze). Pode até parecer “pouco”, mas, se atendermos a alguns factos, Portugal reúne um conjunto de heróis, que fazem autên- ticos milagres diários. Atos heroicos que, acima de tudo, elevam o nome de Portugal.

As três atletas da Maia que venceram as três medalhas na Ginástica Acrobática, ao comentar as suas conquistas, referiram alguns problemas na conjugação entre a atividade desportiva e académica.

Não existem muitos atletas no mundo que treinem cinco horas diárias e a seguir tenham que seguir os percursos académicos, como todos os outros alunos comuns. Inclusivamente referiram-se à grande dificuldade que encontram em marcar testes ou exames, porque a Universidade coloca-lhes muitos problemas.

O novo enquadramento legal do “Estatuto do Estudante/Atleta” prevê algumas situações de apoio e sustentação à carreira dual, mas tal como em muitas outras situações da nossa sociedade, uma coisa é no papel, outra coisa é no terreno, na prática diária e a sua efetiva aplicação em benefício das pessoas.

Num país onde os pais dos atletas suportam o desporto associativo; onde as instalações desportivas não comportam a prática exaustiva do processo competitivo de alto nível; onde as grandes estruturas são caras na manutenção e pouco rentabilizadas, e as estruturas intermédias têm poucas condições específicas e de conforto para a prática desportiva;

onde a Educação Física é constantemente desvalorizada; onde a compensação económica (de atletas e treinadores) é quase inexistente; onde 64% dos adultos indica não realizar qualquer tipo de atividade física; onde os Media dão pouco relevo ao ecletismo em beneficio do futebol dos “três grandes”; com tudo isto, obter uma medalha numa competição internacional é, mesmo, algo extraordinário. Em Portugal existe cultura clubística, mas não existe uma verdadeira cultura desportiva, e isso condiciona-nos.

Num estudo recente, analisando as motivações e desmotivações nas organizações ou empresas, foi constatado que o salário não é a principal causa de insatisfação dos elementos dessa mesma organização. O item “ausência de reconhecimento” foi a principal causa de desmotivação.

As pessoas, na grande maioria, não apontam o salário como a maior motivação, mas, “fazer algo que goste e me torne num ser maior”. E, neste campo, o desporto, na sua plenitude, contribui de uma forma extraordinária para a formação e integridade humana.

Porém, no alto nível, todo o sacrifício, a dedicação, a exigência, o tempo dedicado, tem, obrigatoriamente, que ser reconhecido e recompensado.

Este reconhecimento, não é só em termos financeiros, mas essencialmente, no apoio logístico e organizativo à prática competitiva e ao processo de treino. A responsabilidade da “compensação” ao alto nível compete a todo um sistema (ao Estado, aos Média e à Sociedade Civil) e não somente aos “heróis”, que estão diretamente envolvidos.



Mais de Carlos Dias

Carlos Dias - 11 Out 2019

O último campeonato do mundo de atletismo (17ª edição, organizada pela IAAF) realizou-se em Doha, capital do Qatar, que fica localizada na Costa do Golfo Pérsico. Este campeonato do mundo revestia-se de algumas caraterísticas muito duras para os participantes, nomeadamente no que respeita às temperaturas e humidade muito elevadas. O Qatar é um dos países […]

Carlos Dias - 27 Set 2019

A introdução do comando da televisão conduziu o ser humano a um estilo de vida comodista e sedentário. Aquelas tarefas que exigiam algum esforço físico, são nos dias de hoje solucionadas com um simples toque no botão e um controlo remoto simples. A facilidade em solucionar problemas pelo botão, pelo chip, pelas aplicações, pelos telemóveis, […]

Carlos Dias - 13 Set 2019

Na história do desporto há um rol enorme de pequenos ou grandes acontecimentos que marcam determinado momento, mas que perduram na memória coletiva. Estas histórias mais marcantes no fenómeno desportivo comportam momentos de glória, outros de deceção, outros de tristeza, outros de superação, também alguns trágicos, mas são estas histórias que dão dimensão e relevância […]


Scroll Up