Espaço do Diário do Minho

Dia Internacional Contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas
28 Jun 2019
Gonçalo S. de Mello Bandeira

26/6. No Relatório sobre Drogas da ONU de 2019, a conclusão foi de que 35 milhões de pessoas pelo mundo afora sofrem de desordens psicossomáticas provocadas pelas drogas, enquanto apenas 1/7 recebe tratamento. Investigações aprofundadas demonstram que os danos na saúde são muito mais graves do que se pensava. O uso de opióides aumentou para cerca de 53 milhões de pessoas. I.e., mais 56% em relação ao estudo anterior. Repare-se que os opióides são responsáveis por 2/3 das 585.000 mortes pelo uso de drogas em 2017.

Ano no qual cerca de 11 milhões de pessoas injectaram drogas e dos quais 1,4 milhões vivem com SIDA e 5,4 milhões com hepatite C. Yury Fedotov, ONU, defende que estes resultados mundiais exigem uma maior cooperação entre a saúde e a justiça criminal (e criminologia) em termos de respostas locais e globais a dar. Dizemos nós, pela Sociedade Democrática e pelo Estado de Direito Democrático Social, Livre e Verdadeiro. A complexidade do problema mundial do uso das drogas está a aumentar de modo acentuado.

Em 2017, cerca de 271 milhões de pessoas, 5,5% da população global entre os 15-64 anos usaram drogas. E se os números são similares a 2016, já se constata um crescimento de 30% em relação a 2009! Embora tal também seja atribuível ao crescimento da população no mundo, nota-se com nitidez um maior uso de opióides em África, Ásia, Europa e América do Norte, bem como o uso de canábis nesta última região e ainda na América do Sul e Ásia quando se compara com 2009.

A produção de cocaína alcançou o recorde de 1.976 toneladas em 2017, mais 25% do que em 2016. Sendo que as apreensões policiais mundiais aumentaram. A estimativa de produção ilícita global de cocaína alcançou um recorde em 2017 de mais 25% em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, a quantidade global de cocaína apreendida em 2017 aumentou 13%, para 1.275 toneladas, a maior quantidade já alguma vez registada. Também na América do Norte, as sobredoses de opióides, provocaram a morte de cerca de 47.000 pessoas só nos EUA, mais 13% do que em 2016, enquanto foram 4.000 mortes no Canadá, mas mais 33%.Fentanyle afins são o problema central dos opióides sintéticos nos EUA e Canadá, enquanto no Ocidente e Norte de África se trata do Tramadolcujo o uso passou de 10kg em 2010 para 125 toneladas em 2017!

Mas a droga mais popular (que agora vai ser comercializada em Portugal apenas para efeitos medicinais) é a canábis cujo o uso atingiu 188 milhões de pessoas em 2017. Não podemos esquecer ainda as drogas colocadas na comida, solos e águas sem consentimento dos consumidores, o que é crime claro está. Voltando ao mundo, há melhorias a apontar em contraciclo no que diz respeito à diminuição do uso de NOVAS substâncias psicoactivas. Mas por ironia a prevenção e o tratamento no uso de drogas está a baixar no globo.

Em particular dentro das prisões onde, entre presidiários, aumentam casos de SIDA, hepatite C e tuberculose. 56 países declararam o uso controlado de opióides para terapia de presos em pelo menos 1 prisão em 2017. 46 países nada fizeram. O fornecimento de seringas a presos (para sua prevenção de doenças) foi declarado por 11 países, enquanto 83 não o fazem. Deste modo, a violação dos direitos e deveres humanos junto dos mais desprotegidos grassa também por aí. Também as anfetaminas-estimulantes estiveram em estudo neste relatório:https://www.unodc.org/wdr2019/.

A tudo isto soma-se a preparação de acções judiciais de milhões de dólares contra algumas empresas farmacêuticas que, tendo lucrado milhares de milhões de $ e €, são acusadas de “matar dezenas de milhares de pessoas só nos EUA” com opióides em medicamentos. A propósito de Portugal, recorda-se o nosso artigo neste jornal: “Quem lucra com as toneladas de drogas que passam por Portugal?”, 1/9/17. Parabéns à SIC pelo “E se fosse consigo?” onde abordou o problema das drogas nos jovens portugueses. É aí que tudo começa. Cuidado, Pais e Mães!



Mais de Gonçalo S. de Mello Bandeira

Gonçalo S. de Mello Bandeira - 23 Ago 2019

Varsóvia, Capital da Polónia, centro da Europa, nação cristã e católica, dada a sua beleza, chegou a ser apelidada antes da 2ª Guerra Mundial de «Paris do Norte». A Polónia, pouco depois do fim «bloco de leste», passou a fazer parte da União Europeia. Mas, com inteligência, não aderiu ao Euro. Cidade mais populosa da […]

Gonçalo S. de Mello Bandeira - 16 Ago 2019

De acordo com o art. 120º da Constituição da República Portuguesa, o n/colega professor em Direito de profissão, Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, presente «Presidente da República», «representa» – de modo não vitalício – «a República Portuguesa, garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas e é, por […]

Gonçalo S. de Mello Bandeira - 9 Ago 2019

Fantástico em absoluto o trabalho político e mental que tem vindo a ser feito sobretudo nos últimos anos por Ana Gomes neste nosso Portugal tão deprimido e cinzento. Quando Ana Gomes denunciou recentemente os donos do Novo Banco às autoridades europeias, nomeadamente aos comissários europeus e aos presidentes do Banco Central e da Autoridade Bancária, […]


Scroll Up