Fotografia: Nuno Cerqueira
? Moradores do Prédio Coutinho abastecidos por sistema de cordas

Despejo do Prédio Coutinho em Viana do Castelo começou na passada segunda-feira.

Redação / NC
25 Jun 2019

As entradas e saídas no prédio Coutinho, no centro de Viana do Castelo, ficaram hoje, a meio da manhã, limitadas aos 11 últimos moradores e aos funcionários da VianaPolis.

«A partir de hoje apenas moradores e funcionários da sociedade podem aceder ao edifício», adiantou  fonte da VianaPolis, sociedade que gere o programa Polis de Viana do Castelo.

A ação de despejo iniciada na segunda-feira para a tarde de hoje está a ter resistência.

Com esta limitação de acesso ao edifício, familiares e amigos dos moradores ficam impedidos de levar aos residentes garrafões de água, por exemplo, como aconteceu ao início da manhã de hoje, mas há quem esteja de corda na varanda a receber mantimentos como documentam as imagens do Aurora do Lima.

 

 

Na segunda-feira, os últimos 11 moradores no edifício recusaram entregar a chave das habitações à VianaPolis no prazo fixado pela sociedade para tomar posse administrativa das últimas frações do edifício.

Esta ação de despejo estava prevista cumprir-se às 09:00 de segunda-feira, na sequência de uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, de abril, que declara improcedente a providência cautelar movida pelos moradores em março de 2018.

Na segunda-feira foi cortado o sistema de bombagem da água que abastece o edifício de 13 andares, sendo que hoje será cortado o ramal que até agora fornecia água ao edifício Jardim.

Moradores contactados pela Lusa confirmaram que o abastecimento de gás será suspenso hoje e que o da luz poderá ser efetuado ainda hoje ou nos próximos dias.

Os funcionários da VianaPolis continuam a trocar fechaduras de apartamentos cujos proprietários já tinham chegado a acordo com a sociedade.

Nas duas portas de acesso ao prédio, já com novas fechaduras para impedir que quem sai volte a entrar, estão dois seguranças de uma empresa privada, contratada pela VianaPolis, e também a polícia permanece no exterior.

Na segunda-feira, em declarações aos jornalistas, o presidente da Câmara de Viana do Castelo acusou os últimos 11 moradores do prédio Coutinho de “ocupação ilegal” de “propriedade do Estado”, garantindo que a VianaPolis “recorrerá a todos meios legais para tomar posse das habitações.

“As pessoas, neste momento, estão a desobedecer a uma decisão do tribunal, que é a de terem que abandonar as frações porque são propriedade da VianaPolis. O que estamos a fazer é a tomar posse efetiva das frações, porque a ocupação por parte das pessoas, neste momento, configura uma ocupação ilegal”, disse José Maria Costa.

A VianaPolis é detida em 60% pelo Estado e em 40% pela Câmara de Viana do Castelo.





Notícias relacionadas


Scroll Up