Espaço do Diário do Minho

Tragédia à portuguesa
14 Jun 2019
Carlos Dias

No passado domingo, toda a família se juntou no sofá (já que no estádio é quase proibitivo) para assistir ao jogo da final da Liga das Nações. Equipados a rigor, era como se estivéssemos na primeira fila do Estádio do Dragão. Na primeira parte quase adormecemos. Na segunda parte, sentimos a emoção do golo, relembrando o Éder, e logo a seguir a pressão da “tragédia portuguesa”, até ao apito final. Aquele sentimento em que sonhámos com o grandioso, mas que nunca se cumpre.

Contudo, chegado o fim de jogo, o alívio, a alegria, a emoção, o orgulho, apoderaram-se de todos nós. Afinal também podemos ser os primeiros. O povo saiu à rua. A Taça é nossa! As bandeiras esvoaçaram, os cachecóis agitaram-se, as vozes disseram vezes sem conta, bem alto, coordenadamente, o nome de Portugal, o orgulho atingiu a máxima intensidade.

As comemorações do Dia de Portugal começaram um dia mais cedo. O lindíssimo troféu, concebido por uma equipa de portugueses, o evento organizado por uma equipa alargada e em Portugal (como sempre, com índices de excelência na organização e altamente elogiado por todos) e a equipa vencedora é a nossa. Afinal provámos que sabemos trabalhar em equipa. Tudo correu bem e contrariámos, mais uma vez, a sina portuguesa, do “quase”.

Pela segunda vez em três anos conquistámos um troféu internacional de relevo. No entanto, apesar de todo este cenário de orgulho nacional e felicidade conjunta, logo apareceram os detratores, com os genes dos “velhos do restelo”, a “derreter” as opções do selecionador nacional. As escolhas foram “duvidosas”. A tática totalmente “desajustada”. Ganhámos um troféu internacional, por “apenas” 1-0, mas devia ter sido por “meia dúzia”… Estranha tragédia “à portuguesa”. Até parece que não temos o direito à felicidade incondicional.

Da igual forma como o futebol, também o voleibol está envolvido na Liga das Nações. Apesar da moldura competitiva ser de formato distinto, também o voleibol, tem levantado as bandeiras com as cores lusas. Poucos saberão que, este fim de semana, Gondomar vai ser o Palco da elite do voleibol. Recebe o Brasil, a China e a Sérvia, em mais uma etapa da VNL. Uma competição sob a alçada da Federação Internacional. Durante 5 semanas, as equipas jogarão “todos contra todos”, em grupos de 4, num total de 130 jogos (120 nesta fase e mais 10 nas finais).

Uma competição muito difícil, em que a cada semana, em países distintos, se luta por cinco lugares na fase final, que se juntarão ao país organizador. A fase final disputar-se-á, nos masculinos nos Estados Unidos e nos femininos na China, durante o mês de julho. Portugal pode orgulhar-se de pertencer a uma elite das 16 melhores equipas do Mundo.

A seleção nacional, liderada pelos irmãos Ferreira, tem tido até ao momento tarefa difícil, mas apesar de ser a nossa primeira vez nesta competição, já conseguimos vencer um dos países com maior tradição nesta modalidade: a Bulgária. E penso que, neste fim de semana, podemo-nos bater com os países que nos visitam, nomeadamente com a China, já que os outros dois pertencem aos tubarões da modalidade e, será, com certeza, tarefa bem mais difícil. É um momento de contrariar a “velha sina” e a nossa típica “tragédia à portuguesa”…



Mais de Carlos Dias

Carlos Dias - 11 Out 2019

O último campeonato do mundo de atletismo (17ª edição, organizada pela IAAF) realizou-se em Doha, capital do Qatar, que fica localizada na Costa do Golfo Pérsico. Este campeonato do mundo revestia-se de algumas caraterísticas muito duras para os participantes, nomeadamente no que respeita às temperaturas e humidade muito elevadas. O Qatar é um dos países […]

Carlos Dias - 27 Set 2019

A introdução do comando da televisão conduziu o ser humano a um estilo de vida comodista e sedentário. Aquelas tarefas que exigiam algum esforço físico, são nos dias de hoje solucionadas com um simples toque no botão e um controlo remoto simples. A facilidade em solucionar problemas pelo botão, pelo chip, pelas aplicações, pelos telemóveis, […]

Carlos Dias - 13 Set 2019

Na história do desporto há um rol enorme de pequenos ou grandes acontecimentos que marcam determinado momento, mas que perduram na memória coletiva. Estas histórias mais marcantes no fenómeno desportivo comportam momentos de glória, outros de deceção, outros de tristeza, outros de superação, também alguns trágicos, mas são estas histórias que dão dimensão e relevância […]


Scroll Up