Espaço do Diário do Minho

Os estudantes no parlamento da Universidade
13 Jun 2019
António Cândido de Oliveira

O conselho geral da Universidade do Minho, constituído por 23 membros, é uma espécie de parlamento da universidade, no qual os estudantes têm uma importante participação através de 4 (quatro) elementos eleitos pelos seus pares. O conselho geral é ainda composto por 12 professores/investigadores eleitos de entre eles, 1 funcionário eleito pelo corpo de funcionários e por 6 membros, estes já externos à Universidade cooptados pelos 17 membros eleitos.

Também se pode comparar, como já temos escrito, o conselho geral a uma assembleia municipal (que, por sua vez, é um parlamento local) pelos poderes que tem.

O voto dos estudantes no conselho geral é por vezes decisivo, principalmente quando há – e acontece muitas vezes – divergências de opinião entre os restantes membros, particularmente entre os professores. Com o voto dos estudantes elege-se o reitor e cooptam-se os elementos externos, aprovam-se orçamentos e contas e tomam-se deliberações do maior relevo para a Universidade.

Por isso, deve estranhar-se que muito recentemente (5 de junho de 2019) tenham sido eleitos 4 estudantes com o voto de 241 deles, num total 19.130. Houve 43 votos em branco. Votaram, pois, 1,2% dos estudantes e a abstenção foi, assim, de quase noventa e nove por cento (98,8%).

Sabemos que houve apenas uma lista, mas isso não justifica tudo. Por haver apenas uma lista, maior preocupação deveria existir para que se registasse uma participação minimamente relevante.

Algo está errado quando não votam 18.846 de 19.130 alunos.

E se isto não sobressalta ninguém, pior ainda. Os estudantes saem mal desta situação, mas a academia em geral também! A legitimidade jurídica desta eleição não está em causa, mas todas as outras importantes legitimidades estão.

PS– Existem comboios suburbanos rápidos Braga-Famalicão e Braga-Trofa e vice-versa. Não existem comboios rápidos Braga-Porto (Campanhã) e vice versa. Não existem, mas deveriam existir, pois haveria maior mobilidade e comodidade para os passageiros (entre eles muitos estudantes) e menores gastos com material e energia. Os municípios de Braga, Famalicão e Trofa e Porto não podem estar parados, perante esta situação. Os seus munícipes merecem mais atenção por parte da CP e da IP.



Mais de António Cândido de Oliveira

António Cândido de Oliveira - 12 Set 2019

No ano de 1973, foi criada a Universidade do Minho e 2023 está à porta, devendo começar a ser preparado o cinquentenário da Universidade, se é que não está a ser já. O desenvolvimento desta Universidade tem sido notável, posicionando-se, hoje, entre as cinco primeiras das catorze universidades públicas existentes no nosso país. É, também, […]

António Cândido de Oliveira - 9 Ago 2019

Diz-se sem a devida reflexão, a meu ver, que as greves se fizeram para causar danos e que quanto mais danos provocarem, nomeadamente aos cidadãos, mais se afirma o valor da greve. Precisamos de ir à origem das greves para verificar se assim é. Elas surgiram com a Revolução Industrial, tendo a finalidade de defender […]

António Cândido de Oliveira - 24 Mai 2019

Vota a nível local, nacional ou europeu quem é cidadão activo, quem não deixa para outros a decisão sobre o futuro da sua terra, do seu país ou da Europa. Vota quem, sabendo, que o seu voto vale pouco, sabe que ele vale tanto como o de qualquer outro cidadão, por mais importante que seja. […]


Scroll Up