Espaço do Diário do Minho

Bom e mau uso do poder
13 Jun 2019

1.Oportuna uma reflexão sobre o bom o e o mau uso do poder. Poder que deve ser exercido como serviço à comunidade e não como oportunidade para tomar decisões em proveito próprio ou dos amigos.

As comunidades precisam de bens e de serviços. Quem os deve fornecer?

A resposta é óbvia: quem melhor serve a comunidade e não quem maiores benefícios dá ou promete a quem tem o poder de decidir.

2.Ao contratar a prestação de um serviço ou o fornecimento de um bem há que atender à qualidade e ao preço. Fixar-se no preço ignorando a qualidade é sujeitar-se a servir mal a instituição.

Quem vai ao mais barato corre o risco de fazer da instituição que dirige um depósito de lixo.

A pretexto de servir barato o fornecedor pode ser tentado a impingir ao cliente o que, por falta de qualidade, outros, de olhos abertos e menos forretas, não querem.

Mons. Mouta Reis, que dirigiu durante décadas o Seminário Conciliar, recomendava aos seminaristas: meninos (era assim que tratava os alunos de Teologia) comprem bom que somos pobres. E recordava o provérbio: Quem se veste de ruim pano veste-se duas vezes por ano.

Parece anedótico mas aconteceu. Comprei um quebra-nozes numa loja de produtos baratos. Quando o usei pela primeira vez a noz não partiu, mas partiu o quebra-nozes!

Há casos em que se confirma o provérbio segundo o qual o barato sai caro.

3.Que adianta fornecerem-me um bem a preço irrisório, mas sem o mínimo de qualidade?

Que me adianta disponibilizar-se alguém para me prestar um serviço a preços módicos se não possui a competência necessária para o prestar como convém?

Podem ver a festa estragada os noivos que confiam a responsabilidade do almoço do casamento a um habilidoso que, por ser inexperiente, trabalha barato.

4.Quem dirige deve ter um orçamento. Um orçamento digno e não de miséria. Entre o luxo e o lixo há situações intermédias. E dentro do orçamento de que dispõe deve procurar servir o melhor possível. Isto de fazer dívidas para quem vier atrás ter de pagar… isto de gastar numa semana o que deveria dar para todo o mês…

5.O bom senso aconselha quem tem o poder de decidir a, periodicamente, abrir concurso para o fornecimento dos bens e serviços de que a instituição necessita. E o fornecimento, logicamente, deve ser adjudicado a quem, de harmonia com o binómio qualidade-preço, oferece a garantia de prestar o melhor serviço.

Amigos, amigos, negócios à parte. Nestes casos, o melhor amigo é quem melhor serve.

O dirigente que se deixa levar pelo compadrio pode ter de enfiar barretes, o que de forma alguma convém. Até porque quem sofre as consequências das más ou interesseiras decisões é a comunidade por si dirigida.

Acima de tudo deve ser colocado o bem da instituição e das pessoas por ela abrangidas. Se o chefe de família, para ser agradável ao merceeiro amigo, leva para casa produtos impróprios para consumo…

6.Quem presta um serviço deve ser convenientemente remunerado. Quem pagar pouco sujeita-se a ser mal servido.

O orçamento deve ter em conta a dignidade de quem serve e de quem é servido.

Fazer economias está certo, mas fazer economias quer dizer gerir bem os recursos disponíveis.

Se poupar consiste em apresentar resultados positivos à custa de bens que ninguém quer ou de serviços de má qualidade pode ser considerado ato de má gestão porque pode significar deitar dinheiro fora.

A poupança também tem limites. Há economicismos em resultado dos quais as pessoas não são servidas como convém e o respeito pela sua dignidade recomenda.

Adjudicar um serviço, porque é barato, a uma pessoa incompetente é adjudicar o fracasso.

DESTAQUE

Adjudicar um serviço, porque é barato, a uma pessoa incompetente é adjudicar o fracasso.



Mais de

J. Carlos Queiroz - 25 Ago 2019

Recordar é continuar a viver, é caminhar mesmo quando os desafios se tornam mais difíceis de vencer. Na cidade ou no campo, somos confrontados com realidades que nos fazem recordar com alguma saudade os anos de criança ou mesmo adolescente. Ruas e caminhos enlameados, pedras soltas na calçada, bancos de pedra, árvores centenárias, campos de […]

Francisco Oliveira Freitas - 25 Ago 2019

Os pés estão muitas vezes sujeitos a condições de calor e humidade, nomeadamente pelo uso de calçado fechado, que favorecem o desenvolvimento de fungos responsáveis por infeções. Tal como outra parte do corpo, os pés devem ser cuidados durante todo o ano, contudo, no verão e em tempo de praia e piscina são vários os […]

Armindo Oliveira - 25 Ago 2019

Estamos a mês e meio das eleições legislativas e a pergunta coloca-se: a quem compete fazer a necessária e a imprescindível oposição ao governo da coligação negativa no poder? A quem é? Sem dúvida alguma, este papel cabe a Rui Rio como líder do PSD, partido que se viu despojado da cadeira do poder, depois […]


Scroll Up