Fotografia:
Arquidiocese de Braga quer construir “pontes” com Sameiro de Cabo Verde

Templo da Senhora do Sameiro do Monte Cintinha, na ilha de São Nicolau, fez hoje 100 anos que foi inaugurado.

Nuno Cerqueira
2 Jun 2019

O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, quer estreitar cooperação com a Diocese do Mindelo, Cabo Verde, assumindo responsabilidades no agora Santuário da Senhora do Monte Cintinha, nada mais nada menos que um templo de devoção Mariano da Nossa Senhora do Sameiro de Braga.

O Arcebispo Primaz presidiu hoje às cerimónias religiosas dos 100 anos da Senhora do Monte Cintinha que teve como momento alto a passagem da Capela a Santuário.

Ao Diário do Minho, D. Jorge Ortiga, revelou que poderá existir no futuro uma «geminação» entre os dois templos do Sameiro.

«Unidos pela Senhora do Sameiro podemos no futuro fazer uma colaboração. Uma espécie de “ponte” entre os dois Santuários. Aqui falaram-me ainda de um possível geminação entre um Santuário e outro. A questão poderá efetivamente acontecer», disse o Arcebispo de Braga, considerando o momento «emotivo».

«Uma devoção enorme. Aqui celebram a festa, todos os anos neste dia, da ascensão do Senhor ao Céu e que concentra imensa gente. Quase toda marca presença. Uma coincidência com a nossa peregrinação de Braga à Senhora do Sameiro», referiu.

À semelhança da história da Senhora do Sameiro, onde padre Martinho saiu do Bom Jesus para, ali ao lado, após sentir o chamamento de Maria, construir o Sameiro, a Senhora do Monte Cintinha surge pelas mãos do cónego Bouças, natural de Adaúde, que saiu de Braga para se dedicar à paróquia da Senhora do Rosário.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]

 

 

 

 

 





Notícias relacionadas


Scroll Up