Espaço do Diário do Minho

Cantinho do nosso orgulho

31 Mai 2019
Carlos Dias

Enquanto se festeja, e bem, a conquista do campeonato pelo SL Benfica e a Taça para o Sporting CP, parece que o resto do mundo congelou. A maioria das conquistas dos nossos desportistas passam ao lado da imprensa e, portanto, de todos nós.

Fernando Pimenta, conquistou mais títulos mundiais na canoagem, que o confirmam como uma figura desportiva de proa na modalidade e o catapultam para uma dimensão mundial extraordinária. Arrisco-me a dizer que o canoísta limiano, de 29 anos, é um dos melhores atletas que Portugal possuí com melhor palmarés internacional.

O magistral atleta tem tido ao longo do seu trajeto desportivo uma história repleta de sucessos, medalhas, títulos (nacionais e internacionais), mas o nosso povo continua, quase, a desvalorizar, desprezar, esquecer em lhe reconhecer o mérito que merece. Fernando Pimenta ganha títulos mundiais, mas o que sai nas parangonas da imprensa?

“Apenas” o futebol de consumo caseiro. Na realidade, o futebol tem um sistema montado que favorece a sua promoção e divulgação, mas quando se passa um dia inteiro em diretos de rua, a fazer infinitamente as mesmas perguntas, sem critério informativo, apenas para passar o tempo, claro que é um exagero!

Mais grave é: enquanto preenchem a emissão com peças de reportagem e informação totalmente descabidas e vazias de conteúdo, e, em rodapé passa “Fernando Pimenta conquista título mundial…”. É algo intragável!

Um dos aspetos que mais me cativa neste atleta é a sua simplicidade. Na semana passada, em fase transitória da sua participação internacional, Fernando Pimenta, marcou presença na cerimónia de abertura do Campeonato Nacional de Desportos Náuticos do Desporto Escolar, que decorreu em Viana do Castelo. Uma atividade que juntou centenas de atletas em diversas atividades náuticas inseridas no Programa do Desporto Escolar.

Quando solicitado para proferir umas palavras de incentivo aos mais novos praticantes da modalidade, o seu discurso foi fluído, motivador e fez sobressair um verdadeiro sentido de missão, interesse, humildade e de gratidão à sua modalidade.

É claro que, por tudo isto, Fernando Pimenta tem conquistado o cantinho do orgulho em alguns de nós… mas, merecia muito mais. Vários estudos científicos demonstram que o ser humano precisa de cerca de 12 mil horas de prática de uma determinada atividade para atingir um estado de “excelência” (ou seja, para se transformar num expert) nessa área especifica.

A canoagem enquanto modalidade individual tem uma exigência solitária, de treino intenso, de exigentes condições e muitas vezes adversas, de elevados padrões de treino, de monitorização pormenorizada. Para um atleta atingir um padrão de sucesso internacional são precisas muitas, mas muitas horas de dedicação a programas de treino muito rigoroso.

O “sofrimento ou nos destrói ou nos constrói” e, no caso de Fernando Pimenta e do seu treinador de longa data (Hélio Lucas) têm transformado as adversidades em pilares da sua evolução.



Mais de Carlos Dias

Carlos Dias - 17 Jul 2020

Vivemos tempos de indefinição, de incerteza. O cenário que temos em pano de fundo levanta-nos mais questões, do que decisões ou certezas. A Escola tem um desafio pela frente, como nunca enfrentou. O Desporto pode ter minas armadilhadas nos campos onde se expressa. Portugal e o mundo continua com infeções e mortes, mas o maior […]

Carlos Dias - 3 Jul 2020

Neste período de confinamento, para além do cumprimento das minhas obrigações pessoais e profissionais, aproveitei para estudar, fazer formação, assistir a palestras, também a algumas conversas, às vezes, informais, sobre as temáticas do Desporto, que me ajudaram a “passar” o tempo de forma útil e formativa. Neste contexto, assisti a uma conversa, bastante informal, entre […]

Carlos Dias - 19 Jun 2020

O Coronavírus tomou conta das conversas, fez parar a economia, fechou a alegria e a festa, desmobilizou algumas atividades humanas, atacou em força, tem feito sucumbir muitas pessoas, mas não deverá fazer parar os sonhos, as forças da humanidade e a razão da nossa própria existência. Neste sentido, não concebo que, depois de passar esta […]


Scroll Up