Espaço do Diário do Minho

Do isolamento ao encontro
16 Mai 2019
Silva Araújo

1. Celebra-se em 02 de junho o LIII Dia Mundial das Comunicações Sociais. A mensagem do Papa Francisco é um convite a que usemos bem a Internet. Que «sirva o encontro das pessoas e a solidariedade entre todos». «Com esta Mensagem, escreve, gostaria de vos convidar uma vez mais a refletir sobre o fundamento e a importância do nosso ser-em-relação e descobrir, nos vastos desafios do atual panorama comunicativo, o desejo que o homem tem de não ficar encerrado na própria solidão».

2. Lembra o Santo Padre que a Internet é um bem, desde que bem utilizada, e previne relativamente a riscos que podem surgir:

«Hoje, escreve, o ambiente dos mass-media é tão invasivo que já não se consegue separar do círculo da vida quotidiana. A rede é um recurso do nosso tempo: uma fonte de conhecimentos e relações outrora impensáveis. Mas numerosos especialistas, a propósito das profundas transformações impressas pela tecnologia às lógicas da produção, circulação e fruição dos conteúdos, destacam também os riscos que ameaçam a busca e a partilha duma informação autêntica à escala global. Se é verdade que a Internet constitui uma possibilidade extraordinária de acesso ao saber, verdade é também que se revelou como um dos locais mais expostos à desinformação e à distorção consciente e pilotada dos factos e relações interpessoais, a ponto de muitas vezes cair no descrédito.

É necessário reconhecer que se, por um lado, as redes sociais servem para nos conectarmos melhor, fazendo-nos encontrar e ajudar uns aos outros, por outro, prestam-se também a um uso manipulador dos dados pessoais, visando obter vantagens no plano político ou económico, sem o devido respeito pela pessoa e seus direitos».

3. Podendo levar ao encontro das pessoas, a Internet tem contribuído para o seu isolamento. Não é raro verificar que, mesmo em família, até à hora das refeições, o mau uso da Internet contribui para o isolamento em relação a pessoas que se encontram fisicamente ao lado.

Escreve o Papa:

«A rede é uma oportunidade para promover o encontro com os outros, mas pode também agravar o nosso autoisolamento, como uma teia de aranha capaz de capturar. Os adolescentes é que estão mais expostos à ilusão de que a social web possa satisfazê-los completamente a nível relacional, até se chegar ao perigoso fenómeno dos jovens “eremitas sociais”, que correm o risco de se alhear totalmente da sociedade. Esta dinâmica dramática manifesta uma grave rutura no tecido relacional da sociedade, uma laceração que não podemos ignorar».

4. O facto de, como cristãos, agirmos como membros do único corpo cuja cabeça é Cristo «ajuda-nos não a ver as pessoas como potenciais concorrentes, considerando os próprios inimigos como pessoas». A tomar consciência de pertencermos a uma comunidade. A viver em comunhão e a investir nas relações interpessoais. A reconhecer no outro não um rival mas um companheiro de viagem.

5. A Internet pode ser usada como forma de contribuir para uma maior aproximação entre as pessoas.

Neste sentido, escreve o Papa:

«O uso da social web é complementar do encontro em carne e osso, vivido através do corpo, do coração, dos olhos, da contemplação, da respiração do outro.

Se a rede for usada como prolongamento ou expetação de tal encontro, então não se atraiçoa a si mesma e permanece um recurso para a comunhão.

Se uma família utiliza a rede para estar mais conectada, para depois se encontrar à mesa e olhar-se olhos nos olhos, então é um recurso.

Se uma comunidade eclesial coordena a sua atividade através da rede, para depois celebrar juntos a Eucaristia, então é um recurso.

Se a rede é uma oportunidade para me aproximar de casos e experiências de bondade ou de sofrimento distantes fisicamente de mim, para rezar juntos e, juntos, buscar o bem na descoberta daquilo que nos une, então é um recurso».



Mais de Silva Araújo

Silva Araújo - 9 Mai 2019

1. A leitura da sétima página do «Diário do Minho» do passado dia 05 despertou em mim um forte sentimento de indignação, e até de revolta. E digo já porquê: porque numa sociedade onde há dinheiro para custear abortos provocados não o há para proporcionar aos doentes melhor qualidade de vida. 2. Essa página relatava […]

Silva Araújo - 25 Abr 2019

1. Pretendeu-se com o 25 de abril de 1974 executar um programa sintetizado em três Ds: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver. Hoje fico-me numa reflexão a propósito do primeiro D. E a verdade é que – em minha opinião, é evidente – para que exista entre nós uma verdadeira democracia há ainda um caminho a percorrer. Não […]

Silva Araújo - 18 Abr 2019

Quinta Feira Santa, dia do Sacerdócio.Foi na manhã de 15 de agosto de 1959 que me apresentei, na Sé de Braga, ao arcebispo D. António Bento Martins Júnior para ser ordenado sacerdote. Nunca me arrependi da decisão tomada embora a vida me tenha mostrado que uma coisa é o sacerdócio imaginado no fervor dos 23 […]


Scroll Up