Fotografia:
Apreendido meixão avaliado em 150 mil euros em rede que operava desde Viana

Desde o início da operação foi apreendido meixão no valor de 2,3 milhões de euros.

Nuno Cerqueira
13 Abr 2019

A GNR anunciou hoje, através do comando territorial de Setúbal, o desmantelamento de um rede internacional que se dedicava ao tráfico ilegal de meixão desde o Alto Minho.

A operação “Freshwater”, uma investigação que culminou com vários dias de buscas em residências e empresas do distrito de Viana do Castelo tendo sido apreendido meixão que atingiria o valor final de mercado de 150 mil euros.

Segundo a GNR confirmou ao Diário do Minho, foram constituídos arguidos cinco homens, com idades compreendidas entre os 30 e 60 anos e de nacionalidade portuguesa e chinesa, por comércio ilegal, contrabando e tráfico internacional de meixão, que tinha como destino o mercado asiático.

A “rede” tinha uma «elevada organização e diversas células espalhadas pela Europa», refere a GNR, acrescentando que tinham como modus operandi «o recurso a “correios” para o transporte do meixão, para abastecer países como a China, o Vietname, a Tailândia e as Filipinas».

No total, e segundo apurou o Diário do Minho, foram apreendidos 20 quilos de meixão, destes, três quilos de meixão vivo e 17 quilos de meixão congelado, que no mercado teriam um valor de 150 mil euros.

«Foram ainda apreendidos dois veículos equipados com tanques especiais para o transporte do “meixão” em estado vivo, dois tanques para manutenção do “meixão” em estado vivo, contendo filtros e bombas de oxigenação, diverso material para a apanha, acondicionamento e transporte do “meixão”, duas garrafas de oxigénio industrial, cinco armas de fogo e munições de diversos calibres e 43 mil euros em numerário», confirmou a autoridade militar.

Nos mercados internacionais o quilo do meixão é avaliado em cerca de 7 500 euros, e em Portugal, entre os 500 a 1 000 euros.

Os cinco suspeitos foram constituídos arguidos pela «prática dos crimes de dano contra a natureza, comércio ilegal, contrabando qualificado, branqueamento de capitais e associação criminosa», apurou o Diário do Minho.

«Desde o início das investigações, a GNR constituiu arguidos 19 indivíduos e apreendeu mais de 330 quilos de meixão, que ascende a um valor superior a 2,3 Milhões de euros», disse a GNR.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]

 

 




Notícias relacionadas


Scroll Up