Espaço do Diário do Minho

Pontífice, apontador, apontamento…
8 Abr 2019
António Sílvio Couto

No final da ordenação episcopal, no último dia de março, no Porto, D. Américo Aguiar proclamou-se construtor de pontes… isso já desde o tempo da juventude (disse ele, na vertente política), acentuando para o futuro que deseja ser ‘pontífice’ (fazedor de pontes) entre as várias regiões socioculturais do país (Porto-Lisboa) e até na nomenclatura desportiva de rivalidades…

Para quem conheça minimamente o recém-ordenado bispo saberá que é pessoa afável – mesmo na intrincada mescla da comunicação social – e com um sentido de presença da Igreja muito para além das despesas comuns e factuais. Embora não tenha uma idade onde se apensa bastante experiência de vida pastoral, não deixará, certamente, de ser isso mesmo que anunciou tão solenemente: criador de pontes nos campos que enunciou e em tantos outros em que Deus o colocará como presença, instrumento e intérprete.

* Ser pontífice

Esta nota de criador de pontes costuma ser aduzida ao Papa, a quem comummente se lhe chama ‘sumo pontífice’, elevando à categoria de fazer pontes quem está no (dito) ligar cimeiro da Igreja católica. Embora já usado, na linguagem do mundo, tornou-se no século V da era cristã como que um título dado a bispos notáveis e passou a ser utilizado, especialmente, pelos Papas, depois da rutura entre católicos (Roma) e ortodoxos (Constantinopla) no século IX.

No entanto, a função de fazer pontes sempre foi considerada uma tarefa de grande utilidade humana e cultural, na medida em que era difícil atravessar os rios e as pontes permitiam tal desejo de passar duma para outra margem… Isso ainda é mais valorizado quando se veem a despontar tantos muros entre povos e civilizações, entre culturas e nações… sem esquecer as barreiras psicológicas que os muros arrastam na mentalidade hodierna.

Na linguagem e no comportamentos algo agressivos com que nos temos de confrontar, pretender ser pontífice parece um bom programa de vida, sobretudo para quem terá de estabelecer diálogo com situações onde as boas intenções nem sempre favorecem quem delas se pretenda servidor…

* Querer ser apontador

Esta outra nota adstrita ao ministério de um bispo – de um padre ou de um leigo – poderá não ser tão desfasada da realidade do que possa parecer, pois ser apontador merecerá ter algo para onde indicar e apresentar meios para tal atingir. Inserido em meios variados, o termo ‘apontador’ poderá ajudar-nos a compreender a missão de alguém que aponta, traça uma diretriz ou que ajuda a fazer caminho numa determinada direção. Ser apontador poderá ainda apresentar ideias correlacionadas ou situações afins, criando nessa função modos de resolver questões, por vezes, um tanto complexas, mas que com ajuda se poderão ultrapassar.

Quem é que não deve ser apontador, na vida, das soluções do Evangelho? Quem não desejará tornar-se apontador de metas e não quedar-se pelas etapas? Quem não descobrirá mais incentivo para caminhar, quando conseguir envolver outros nos projetos?

* Que apontamento?

Ao longo da nossa vida já tomamos muitos apontamentos, isto é, fomos recolhendo para nossa orientação, instrução e aprendizagem muitos pensamentos, tantas frases e multíplices ideias de outros que connosco tal partilharam, ensinaram ou conviveram. Há apontamentos importantes e notas de rodapé. Há apontamentos que ficam para a vida e outros que esquecemos na voragem dos dias. Há apontamentos quase sagrados porque nos foram ministrados por mestres da sabedoria, da vida e da santidade.

Talvez nos falte o hábito de tomar notas – tirar apontamentos – das coisas simples da vida, mas seria de grande utilidade aprendermos uns com os outros na escola do dia-a-dia, onde o mais pequenos sinal nos possa falar de Deus e os outros possam ser os nossos mestres na interpretação dos mistérios divinos na vida.

Ao novo bispo desejamos que seja pontífice, apontador e apontamento de Cristo em todo o momento…

Nota – Entramos na última semana do tempo em que este jornal completa 100 anos de existência… foram tempos de aprendizagem numa escola de presença dos valores cristãos na imprensa. A todos parabéns!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 27 Mai 2019

A comunicação é uma arte, que tem as suas regras, seja para quem é emissor, seja quanto ao recetor. Saber comunicar aprende-se, exercita-se e vive-se, nas pequenas como nas grandes coisas, situações e momentos. Mais do que a mensagem que é comunicada, é preciso entender o comunicador, pois cada um tem a sua forma e […]

António Sílvio Couto - 20 Mai 2019

Num destes dias, após acirrado debate parlamentar, disse um dos intervenientes: o partido ‘A’ não suporta o partido ’B’! Por entre surpresa e ironia – ainda no ato – foram surgindo as reações… mais ou menos questionáveis e/ou aceitáveis. Que quer dizer ‘suportar’ num contexto destes? Será de exclusão e corte de relações ou de […]

António Sílvio Couto - 13 Mai 2019

Em certos momentos da nossa condição de Igreja peregrina sobre esta terra ouve-se esta tentativa de distinção: Igreja evangelizada ou Igreja sacramentada, como se uma e outra se excluíssem ou fossem diametralmente opostas. Por ‘Igreja sacramentada’ entende-se, descritivamente, algo que foi acontecendo em várias etapas da condução da Igreja, isto é, foi-se dando os sacramentos […]


Scroll Up