Fotografia:

Escola Secundária de Vila Verde realiza XI Caminho de Santiago

Tic, tac, tic, tac…

Por Carlos Mangas
4 Abr 2019

Tic…tac…tic…tac…tic…tac…este é o som que na noite de terça para quarta feira, dezenas de finalistas ouvem, esperando ansiosamente o toque do despertador. Como diz a canção de António Gedeão, “eles não sabem, nem sonham…” que deveriam aproveitar melhor (amanhã perceberão) o silêncio para descansar bem, porque esta é a noite que antecipa a partida para Santiago…a pé e as noites…mal dormidas.

Terça feira, foi tempo de acabar de arrumar o saco, e maldizerem os professores que restringiram a bagagem a um saco de viagem e uma pequena mochila para levar às costas no dia a dia. Não creem ser possível, levar toda a “sua vida” e a comida que mães e avós insistem meter no saco, para terem força para caminhar. Acreditam que a idade já não possibilita aos professores raciocinarem corretamente, esquecendo as dez gerações que os antecederam e chegaram a Santiago, sãos e salvos, e a regressarem a casa com um desconhecido – eles próprios. T-shirts, sapatilhas, polo, calças, roupa interior, casaco quente, saco cama, colchonete, travesseira, chapéu, poncho, bastão, toalha, chinelos, medicação, óculos de sol, telemóvel, copo e talheres, é material mais que suficiente. Os supermercados na Galiza são como em Portugal e vendem pão, queijo, presunto, leite e iogurtes. Acreditamos que com estes utensílios e mantimentos, sobreviverão cinco dias.

Voltemos ao que interessa, às 7h00 têm de estar na escola para receber credenciais onde vão ser colocados os carimbos ao longo do Caminho que lhes permitem pernoitar em albergues e receber a Compostela na chegada a Santiago. Irão receber também um colete refletor que os tornará bem visíveis durante o dia, e lhes permitirá refletir…sobre a aventura em que se meteram. O road-book que será entregue vai permitir saberem as zonas indicadas para almoço, locais aconselhados a visitar e localidades onde iremos jantar e dormir.

Nestes últimos dias constatei, por conversas ouvidas (e se eu ouvi…) nas aulas de EF, que as meninas prevendo não poder com os sacos, e não os querendo arrastar depois de um dia de caminhada, andaram a lançar o anzol, à procura de um D. Quixote…que os carregue. Também percebi haver rapazes prevenidos que para pouparem no material a levar, raparam o cabelo, para deixar em casa, pente e champô.

Às vezes gostaria que não houvesse previsões meteorológicas, ou pelo menos que fossem como antigamente em que até chamávamos ao programa do sr. Anthímio Azevedo, “boletim mentirológico”, tais eram as imprecisões no acerto do tempo. Agora, se tudo der certo, vamos ter chuva, e da grossa, a acompanhar-nos nos últimos dias do Caminho. Peregrino prevenido, já levo jornais para secar sapatilhas e sacos de congelar comida para, “vestidos” entre as meias e o calçado, manterem os pés…secos. Amanhã, espero transmitir o 1º dia desta XI aventura dos finalistas da ESVV, n’O Caminho.





Notícias relacionadas


Scroll Up