Fotografia: Nuno Cerqueira

Um robô a servir lampreia e outro longe do sarrabulho

Segundo dia do FICIS

Nuno Cerqueira
3 Abr 2019

O desafio foi lançado pelo moderador do debate e o público presente no segundo dia do Fórum Internacional das Comunidades Inteligentes e Sustentáveis (FICIS) saltou para o ano 2129 e ficou a perceber que se for a Ponte de Lima não vai ter o arroz de sarrabulho servido por um robô, mas se for a Valença não só vai ter um prato de lampreia servido por um robô, como poderá ter um guia a conduzir-lo pelos principais monumentos da cidade.

«Eu olho com normalidade o futuro das cidades inteligentes inundadas de inteligência artificial. Não me assusta e acho que é um futuro inevitável», disse o presidente da Câmara de Valença, Jorge Mendes.

Já o homólogo de Ponte de Lima, Victor Mendes, é mais cético quanto á inteligência artificial, até porque, como defendeu, «não há comunidades inteligentes sem pessoas».

«A humanização dos territórios é fundamental e a nova era da digitalização, dos aplicativos, tem que estar ao serviço das pessoas. Não gostava de ver em Ponte de Lima um robô a servir o nosso sarrabulho, mas acredito numa vila limiana sustentável e na mesma uma Smart Village», destacou.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up