Espaço do Diário do Minho

Cristãos porquê?
2 Abr 2019
João António Pinheiro Teixeira

  1.  1. Afinal, somos cristãos porquê? 

O que é que – verdadeiramente – nos faz pertencer à Igreja?  

2. Há quem diga que vem à Igreja porque se sente bem. É um motivo estimável, mas será suficiente?

Há outros espaços onde nos sentimos bem. E quando nos sentimos mal, também não será importante vir à Igreja?

3. Não falta quem alegue vir à Igreja por causa de algumas actividades que ela promove. Neste sentido, costumam ser mencionados os convívios e até algumas diversões.

É outro factor respeitável. Mas está longe de tanger o específico. Não há nenhum mal no convívio e na diversão. Mas será preciso vir à Igreja para conviver e para dançar

4. Muitos dizem que participam na vida da Igreja para encontrar outras pessoas e para, deste modo, criar amizades.

Trata-se, sem dúvida, de mais uma razão digna de apreço. Mas eis que – de novo – não tocamos no âmago. O que não escasseiam são oportunidades para encontrar – e fazer – amigos.

5. Dir-se-á ainda que se vem à Igreja para pedir ajuda e receber protecção. E é verdade que Deus nunca nos nega ajuda e protecção. 

Mas quando não recebemos (imediatamente) o que pedimos, a presença de Deus não será ainda mais necessária

6. É tempo de compreender que quem nos faz cristãos é Cristo. 

O que nos traz à Igreja é acreditar que ela é o Seu corpo.

7. Por conseguinte, estamos na Igreja por Cristo. Ela é a casa da causa de Cristo.

É na Igreja que O experimentamos de uma forma única, sem paralelo com outras experiências.

8. Na Igreja, temos acesso à presença real de Cristo e não apenas à sua recordação histórica. 

Na Igreja, não confessamos apenas que «Cristo viveu». Na Igreja, testemunhamos que «Cristo está vivo».

 9. É este o «mistério da fé» que, em cada dia, se actualiza na Eucaristia. É por isso que sem Eucaristia não há Igreja porque não há encontro real com Cristo.

Daí que presumir pertencer à Igreja sem participar na Eucaristia seja um monumental contra-senso e uma completa impossibilidade. É na Eucaristia que a Igreja nos oferece o Cristo real, isto é, o Cristo total: divino e humano.

10. Sem esta experiência vital do Cristo real, não é possível ser cristão nem fazer parte da Igreja.

É, pois, fundamental perceber isto: nunca desliguemos a Igreja de Jesus Cristo. Que todos encontrem Cristo na Igreja. E que a Igreja nunca se canse de encaminhar todos para Cristo!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 20 Ago 2019

Eis as duas marcas da Igreja no mundo: presença e diferença. A Igreja está presente «no» mundo para ser diferente «do»mundo. É pela diferença que a Igreja qualifica a sua presença. Se não corporizar uma diferença, que sentido terá a sua presença? Jesus estabeleceu o princípio que há-de articular a presença com a diferença. É […]

João António Pinheiro Teixeira - 13 Ago 2019

Nesta época de calor, o Evangelho apresenta-nos Jesus como um «incendiário». Eis o que Ele nos diz: «Eu vim lançar fogo sobre a Terra e só quero que ele se tenha ateado» (Lc 12, 49). Jesus, de facto, é um «incendiário». Ele quer «incendiar» o mundo com chamas que destruam o nosso instalamento, o nosso comodismo, a […]

João António Pinheiro Teixeira - 6 Ago 2019

Comecemos por falar de pessoas. Porque, antes de qualquer titularidade que possam transportar, é como pessoas que todos devem ser olhados e tratados. Por vezes, dá a impressão de que certas titularidades conferem uma tal amplitude de direitos que «derretem» o mais leve dever. É o caso, actualmente, de alguns turistas. A tendência é para […]


Scroll Up