Espaço do Diário do Minho

Via-Sacra do nosso tempo 1
21 Mar 2019
Silva Araújo

1.Vem-se generalizando a prática das Via-Sacras ao vivo. Que influência têm nas pessoas?

São uma peça de teatro, em que um conjunto de atores exibe as suas habilidades, ou contribuem para que quem a elas assiste tome uma vez mais consciência do sacrifício redentor de Cristo? São um espetáculo que se vê e nos deixa indiferentes, ou algo que nos revolve por dentro, nos leva a fazer com que a paixão e morte de Cristo não tenham sido em vão?

Esta é uma das grandes interrogações que me faço. Que consequências tem nas pessoas a  re-presentação  – quando escrevo  re-presentação  quero significar tornar presente de novo – o mistério da paixão e morte de Jesus?

Penso ser esta uma das grandes finalidades da Via-Sacra. Ajudar-me a tomar mais uma vez consciência de quanto Jesus sofreu por mim e como devo saber aproveitar os méritos desse sacrifício redentor.

2.Aprecio as Via-Sacras que fazem refletir. Que desassossegam e desinstalam. Que são apelo à conversão no seu verdadeiro sentido: a mudança de vida. Que, sacudindo apatias e indiferenças, despertam para uma nova atitude em relação ao sofrimento das pessoas, em quem Cristo está presente.

3.Em 1972 publiquei o livro «Via-Sacra do nosso tempo».

Escrevi, nessa altura:

«Saulo dirige-se para Damasco. O bolso vai cheio de listas com o nome de cristãos; na imaginação, os tormentos a infligir. Um relâmpago o atira por terra, lhe venda os olhos da carne e abre os do espírito. Lamentando-se, chega-lhe a voz magoada de quem sofre:

– Saulo, Saulo, porque me persegues?

– Quem és tu, Senhor?

– Eu sou Cristo, a quem tu persegues  (Atos 9, 1-5).

Eu sou Cristo, a quem tu persegues!

Saulo jamais havia falado a Cristo. Nunca as suas mãos se baixaram para o apedrejar. Limitava-se, isso é verdade, a perseguir os sequazes de Cristo. Mas perseguir os cristãos – e não só, acrescento agora – é perseguir Cristo.

Jesus disse: tudo o que fizestes a um destes mais pequeninos a mim o fizestes. Tive fome e deste-me de comer…. »  (Mateus 25, 31-46).

4.Além de recordar o que foi o sacrifício de Cristo no passado, a Via-Sacra deve fazer-nos pensar no sofrimento de Cristo, presente nos outros, hoje.

Como a Saulo, Cristo diz hoje a muitos de nós: sou Cristo a quem tu maltratas; a quem não pagas o salário justo ou a quem não entregas o que deves; a quem exploras; de quem te serves; contra quem testemunhaste falso; a quem atropelaste e fugiste; a quem difamas e injurias; de quem escarneces e a quem falas com grosseria; a quem recusas estender a mão; a quem bateste com a porta na cara; que agrediste física e verbalmente; de cujas necessidades abusas; que passa a noite enrodilhado no vão de uma escada enquanto vives no maior dos confortos, etc. etc.

5.Cristo, meus amigos, continua a sofrer. Talvez até em pessoas com quem convivemos e de cujo sofrimento nos alheamos. E é disto que urge tomar consciência.

A concluir o referido livro escrevi: «A Via-Sacra não tem epílogo. Continua, enquanto se não extinguir a malícia dos homens. Nas fábricas, nos escritórios, nos campos, nos estabelecimentos de ensino, nas repartições públicas, no interior das casas, onde quer que o homem viva, Cristo continua a sofrer».

Também é disto que precisamos de tomar consciência e a isto, penso, nos deve levar a  re-presentação  da Via-Sacra.

Brincar com o sofrimento de Cristo, não. Utilizar o sofrimento de Cristo para satisfazer vaidades e arrancar aplausos, não.

6.Retificação

No texto publicado a semana passada, ao enumerar as novas estações propostas por João Paulo II, saíram repetidas a 10.ª e a 12.ª. A 12.ª é: Jesus na Cruz, a Mãe e o discípulo (nova). Peço desculpa.



Mais de Silva Araújo

Silva Araújo - 11 Jul 2019

Prossigo com a publicação de extratos do discurso proferido pelo Jornalista João Miguel Tavares em Portalegre no dia 10 de junho. Disse: 5. «No nosso país instalou-se esta convicção perigosa: um jovem talentoso que queira singrar na carreira exclusivamente através do seu mérito, a melhor solução que tem ao seu alcance é emigrar. Isto é […]

Silva Araújo - 4 Jul 2019

Li com muita atenção os dois discursos proferidos por João Miguel Tavares nas comemorações do 10 de junho em Portalegre e em Cabo Verde. São de um Jornalista (assim, com maiúscula) conhecedor do terreno que pisa. Liberto do espartilho do politicamente correto diz, alto e bom som, o que outros sussurram e todos precisam de […]

Silva Araújo - 27 Jun 2019

A vida de S. João Batista fornece, em diversos aspetos, grandes lições aos homens de hoje. Destaco três: o trabalho de preparar as pessoas para receberem Jesus; o reconhecimento da superioridade dos outros; a coragem de denunciar erros de homens do poder. 1.Foi incumbido João Batista de preparar as pessoas para receberem Jesus. Foi, diríamos […]


Scroll Up