Espaço do Diário do Minho

Via-Sacra do nosso tempo 1
21 Mar 2019
Silva Araújo

1.Vem-se generalizando a prática das Via-Sacras ao vivo. Que influência têm nas pessoas?

São uma peça de teatro, em que um conjunto de atores exibe as suas habilidades, ou contribuem para que quem a elas assiste tome uma vez mais consciência do sacrifício redentor de Cristo? São um espetáculo que se vê e nos deixa indiferentes, ou algo que nos revolve por dentro, nos leva a fazer com que a paixão e morte de Cristo não tenham sido em vão?

Esta é uma das grandes interrogações que me faço. Que consequências tem nas pessoas a  re-presentação  – quando escrevo  re-presentação  quero significar tornar presente de novo – o mistério da paixão e morte de Jesus?

Penso ser esta uma das grandes finalidades da Via-Sacra. Ajudar-me a tomar mais uma vez consciência de quanto Jesus sofreu por mim e como devo saber aproveitar os méritos desse sacrifício redentor.

2.Aprecio as Via-Sacras que fazem refletir. Que desassossegam e desinstalam. Que são apelo à conversão no seu verdadeiro sentido: a mudança de vida. Que, sacudindo apatias e indiferenças, despertam para uma nova atitude em relação ao sofrimento das pessoas, em quem Cristo está presente.

3.Em 1972 publiquei o livro «Via-Sacra do nosso tempo».

Escrevi, nessa altura:

«Saulo dirige-se para Damasco. O bolso vai cheio de listas com o nome de cristãos; na imaginação, os tormentos a infligir. Um relâmpago o atira por terra, lhe venda os olhos da carne e abre os do espírito. Lamentando-se, chega-lhe a voz magoada de quem sofre:

– Saulo, Saulo, porque me persegues?

– Quem és tu, Senhor?

– Eu sou Cristo, a quem tu persegues  (Atos 9, 1-5).

Eu sou Cristo, a quem tu persegues!

Saulo jamais havia falado a Cristo. Nunca as suas mãos se baixaram para o apedrejar. Limitava-se, isso é verdade, a perseguir os sequazes de Cristo. Mas perseguir os cristãos – e não só, acrescento agora – é perseguir Cristo.

Jesus disse: tudo o que fizestes a um destes mais pequeninos a mim o fizestes. Tive fome e deste-me de comer…. »  (Mateus 25, 31-46).

4.Além de recordar o que foi o sacrifício de Cristo no passado, a Via-Sacra deve fazer-nos pensar no sofrimento de Cristo, presente nos outros, hoje.

Como a Saulo, Cristo diz hoje a muitos de nós: sou Cristo a quem tu maltratas; a quem não pagas o salário justo ou a quem não entregas o que deves; a quem exploras; de quem te serves; contra quem testemunhaste falso; a quem atropelaste e fugiste; a quem difamas e injurias; de quem escarneces e a quem falas com grosseria; a quem recusas estender a mão; a quem bateste com a porta na cara; que agrediste física e verbalmente; de cujas necessidades abusas; que passa a noite enrodilhado no vão de uma escada enquanto vives no maior dos confortos, etc. etc.

5.Cristo, meus amigos, continua a sofrer. Talvez até em pessoas com quem convivemos e de cujo sofrimento nos alheamos. E é disto que urge tomar consciência.

A concluir o referido livro escrevi: «A Via-Sacra não tem epílogo. Continua, enquanto se não extinguir a malícia dos homens. Nas fábricas, nos escritórios, nos campos, nos estabelecimentos de ensino, nas repartições públicas, no interior das casas, onde quer que o homem viva, Cristo continua a sofrer».

Também é disto que precisamos de tomar consciência e a isto, penso, nos deve levar a  re-presentação  da Via-Sacra.

Brincar com o sofrimento de Cristo, não. Utilizar o sofrimento de Cristo para satisfazer vaidades e arrancar aplausos, não.

6.Retificação

No texto publicado a semana passada, ao enumerar as novas estações propostas por João Paulo II, saíram repetidas a 10.ª e a 12.ª. A 12.ª é: Jesus na Cruz, a Mãe e o discípulo (nova). Peço desculpa.



Mais de Silva Araújo

Silva Araújo - 25 Abr 2019

1. Pretendeu-se com o 25 de abril de 1974 executar um programa sintetizado em três Ds: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver. Hoje fico-me numa reflexão a propósito do primeiro D. E a verdade é que – em minha opinião, é evidente – para que exista entre nós uma verdadeira democracia há ainda um caminho a percorrer. Não […]

Silva Araújo - 18 Abr 2019

Quinta Feira Santa, dia do Sacerdócio.Foi na manhã de 15 de agosto de 1959 que me apresentei, na Sé de Braga, ao arcebispo D. António Bento Martins Júnior para ser ordenado sacerdote. Nunca me arrependi da decisão tomada embora a vida me tenha mostrado que uma coisa é o sacerdócio imaginado no fervor dos 23 […]

Silva Araújo - 11 Abr 2019

1. Ao aproximar-se o centenário do «Diário do Minho» quero evocar uma pessoa que esteve na sua origem e o serviu com muita dedicação. Refiro Constantino Coelho. Não tive o prazer de trabalhar com ele. Vi-o diversas vezes na Sé, não sei se em serviço de reportagem se a participar nas celebrações litúrgicas, se nas […]


Scroll Up