Espaço do Diário do Minho

A caminho da Páscoa
7 Mar 2019
Silva Araújo

1. Principiou ontem o tempo litúrgico da Quaresma, destinado a preparar a celebração da Páscoa.

Na mensagem que nos dirigiu o Papa Francisco convida a fazermos um esforço no sentido de mudarmos para melhor.

O vocábulo conversãoaparece repetidas vezes. «O caminho rumo à Páscoa chama-nos precisamente a restaurar a nossa fisionomia e o nosso coração de cristãos, através do arrependimento, a conversão e o perdão, para podermos viver toda a riqueza da graça do mistério pascal».

Conversão para fazermos da Criação um jardim e não um deserto.

2. O Papa alerta para a realidade do pecado e para as suas consequências. É «a causa de todo o mal» e «rompe a comunhão com Deus».

«Quando não vivemos como filhos de Deus, escreve, muitas vezes adotamos comportamentos destruidores do próximo e das outras criaturas – mas também de nós próprios –, considerando, de forma mais ou menos consciente, que podemos usá-los como bem nos apraz.

Então sobrepõe-se a intemperança, levando a um estilo de vida que viola os limites que a nossa condição humana e a natureza nos pedem para respeitar, seguindo aqueles desejos incontrolados que, no livro da Sabedoria, se atribuem aos ímpios, ou seja, a quantos não têm Deus como ponto de referência das suas ações, nem uma esperança para o futuro (cf. 2, 1-11).

Se não estivermos voltados continuamente para a Páscoa, para o horizonte da Ressurreição, é claro que acaba por se impor a lógica do tudo e imediatamente, do possuir cada vez mais».

«Quando se abandona a lei de Deus, escreve também, a lei do amor, acaba por se afirmar a lei do mais forte sobre o mais fraco».

3. Lembra o Santo Padre atos penitenciais da Quaresma recomendados pela doutrina tradicional da Igreja. A Quaresma, diz, «chama os cristãos a encarnarem, de forma mais intensa e concreta, o mistério pascal na sua vida pessoal, familiar e social, particularmente através do jejum, da oração e da esmola».

Seguidamente especifica cada um destes atos:

«Jejuar, isto é, aprender a modificar a nossa atitude para com os outros e as criaturas: passar da tentação de ‘devorar’ tudo para satisfazer a nossa voracidade, à capacidade de sofrer por amor, que pode preencher o vazio do nosso coração.

Orar, para saber renunciar à idolatria e à autossuficiência do nosso eu, e nos declararmos necessitados do Senhor e da sua misericórdia.

Dar esmola, para sair da insensatez de viver e acumular tudo para nós mesmos, com a ilusão de assegurarmos um futuro que não nos pertence.

E, assim, reencontrar a alegria do projeto que Deus colocou na criação e no nosso coração: o projeto de amá-Lo a Ele, aos nossos irmãos e ao mundo inteiro, encontrando neste amor a verdadeira felicidade».

4. A mensagem termina com um renovado apelo à conversão: «Não deixemos que passe em vão este tempo favorável! Peçamos a Deus que nos ajude a realizar um caminho de verdadeira conversão.

Abandonemos o egoísmo, o olhar fixo em nós mesmos, e voltemo-nos para a Páscoa de Jesus; façamo-nos próximo dos irmãos e irmãs em dificuldade, partilhando com eles os nossos bens espirituais e materiais.

Assim, acolhendo na nossa vida concreta a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, atrairemos também sobre a criação a sua força transformadora».

«Que a nossa Quaresma, escreve ainda o Papa, seja percorrer o mesmo caminho, para levar a esperança de Cristo também à criação, que ‘será libertada da escravidão da corrupção, para alcançar a liberdade na glória dos filhos de Deus’ (Rm 8, 21)».



Mais de Silva Araújo

Silva Araújo - 6 Jun 2019

1.A Conferência Episcopal Portuguesa publicou, com data de 02 de maio de 2019, duas cartas pastorais. São, em minha opinião, dois documentos muito oportunos, merecedores de ampla divulgação e estudo. 2.Um deles, «A alegria do amor no matrimónio cristão», diz respeito, particularmente, aos casais e aos solteiros que pensam unir-se em matrimónio. Ajuda a refletir sobre […]

Silva Araújo - 30 Mai 2019

1. Acreditar. No quê e em quem? Talvez pareça atrevida, mas é uma pergunta a fazer. Hoje, mais que nunca. Impõe-se o uso do sentido crítico perante o que vemos, ouvimos e lemos. Que possamos e saibamos discernir entre o verdadeiro e o falso. Que nos apercebamos da existência de bem montadas máquinas de propaganda […]

Silva Araújo - 23 Mai 2019

1. A igualdade é uma palavra repetida com frequência. E a verdade é que somos todos iguais. Não é necessário invocar o artigo 13.º da Constituição da República Portuguesa onde se afirma que «ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, […]


Scroll Up