Espaço do Diário do Minho

Investir nos jovens é investir no futuro
2 Mar 2019
Maria Helena Paes

Investir nos Jovens é investir no futuro, foi esta a frase que mais me sensibilizou e que deu o mote para escrever este artigo, ao ter participado, na Assembleia da República – Sala do Senado –, no dia 30 de janeiro de 2019, na Cerimóniade abertura do Ano da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) para a Juventude2019.

Na verdade, houve outra frase que considerei muito oportuna, cheia de sentido: “Investir na juventude é investir no futuro de todas as pessoas”. Esta organização internacional, formada pelos países lusófonos, tem como objetivo aprofundar a amizade mútua e a cooperação entre os seus membros.

Em 2019, vai pretender-se fortalecer a participação ativa dos jovens desta Comunidade no planeamento, implementação, monotorização e na avaliação de políticas da CPLP neste domínio.

Foi muito agradável, participar neste evento, sobretudo por poder observar o interesse e empenho de todos os intervenientes dos países da lusofonia, em particular dos mais jovens. Eis algumas das frases proferidas que mais me tocaram:

A importância da Juventude para a CPLP; a necessidade de partilhar experiências e boas práticas; aumento de cooperação e empoderamento da juventude; inclusão dos meninos de rua; a importância da língua portuguesa para as novas gerações; refletir e debater os caminhos a percorrer para termos uma juventude mais livre e qualificada; a juventude constitui o presente e o futuro da CPLP; a área da educação é fundamental; o futuro não será criado por robotsmas sim pela mente humana; no futuro os jovens serão chamados a apoiar os mais idosos; um país que não oferece oportunidade de trabalho aos jovens é um país sem futuro; o sentimento de pertença e de partilha não se sente se não o experimentarmos do ponto de vista sentimental em comunidade; a importância de viver em comunidade através da música.

A este propósito, houve um momento musical, com os Meninos Cantores do Município de Trofa que cantaram 8 músicas, que constituem momentos de partilha, de grande alegria, ternura e emoção e que juntaram: de Angola – Ondjaki, Sol, Meu Sol Pequenino; do Brasil – Regina Boratto, Brasil Mosaico; de Cabo Verde – Abraão Vicente, Terra; da Guiné Bissau – Francisco Conduto Pina, Criança; de Moçambique – Mia Couto, O Rei; de Portugal – Sofia de Mello Breyner, No Fundo do Mar; de São Tomé e Príncipe – Olinda Beja, Quem Somos?; de Timor Leste – Xanana Gusmão, As Fronteiras não se veem do Céu.

Foi ainda lançado um desafio: O que fazer para que estes eventos se venham a traduzir em atuações direcionadas para os jovens, (com o seu envolvimento). Constitui um grande desafio e responsabilidade. Também foi abordado, com alegria e interesse, uma eventual colaboração com a organização da Jornada Mundial da Juventude, que vai ter lugar em Lisboa, em 2022.

Saí pressurosa do Parlamento. Já estava atrasada para outro compromisso. Continuei o meu percurso, feliz por ter participado neste evento augurando o maior sucesso para o seu trabalho futuro.

Tinha participado em representação da Via Vitae– Associação Portuguesa a Favor da População Sénior. Pensei interiormente, como se revestem da maior importância, cada vez mais, as relações entre gerações.

Investir nos jovens é investir no futuro. Mas também se torna premente investir em programas e políticas para os idosos.



Mais de Maria Helena Paes

Maria Helena Paes - 2 Jan 2020

Há dias assim. Apesar de vivenciarmos dias com períodos difíceis ao nível da saúde de familiares próximos em que parece que o céu nos cai em cima, apesar de tudo, acontece que, por algum motivo, sentimos uma certa acalmia que nos parece querer transportar para momentos felizes, independentemente do que vai no nosso coração. E […]

Maria Helena Paes - 22 Out 2019

A evolução dos tempos pode, às vezes, influenciar as tradições, que podem de algum modo ser abaladas devido a interesses económicos e não só. O diabo existe! Mas só será assim, se nós pactuarmos. Temos sempre a responsabilidade e a oportunidade de, num estado democrático dar o nosso contributo, no sentido de chamar a atenção […]

Maria Helena Paes - 24 Set 2019

Enquanto caminhava à beira-mar ouvi interiormente o som de uma música que referia: “Onde é que vais, espera por mim, caminha comigo”. Era tão forte o som parecendo uma realidade que me virei surpreendida para ver quem assim cantava, parecendo chamar-me, querendo mesmo acompanhar-me. Fiquei surpreendida ao virar-me, com a beleza de tudo o que […]


Scroll Up