Espaço do Diário do Minho

Mais uma vítima do ‘processo’ comunista
11 Fev 2019
António Sílvio Couto

Desde há algum tempo que a Venezuela tem sido notícia pelas dificuldades socio-materiais porque vem passando boa parte da população: prateleiras vazias, pessoas esfomeadas, falta de medicamentos, fuga de milhões para o estrangeiro, manifestações e confrontos nas ruas… governo e oposição apoiados (dentro e fora), lutas e situações de desespero…

Em duas décadas o país passou de ‘terra de promissão’ – quantos emigrantes foram para lá em busca de vida melhor – para espaço de convulsão, onde os lucros do petróleo não chegam para suportar uma espécie de classe dominadora, saída do novo regime com traços marxistas e com laivos de ‘nomenclatura’ já vista noutras paragens e situações.

Se noutros países o ‘processo’ comunista demorou anos a ser visto e desmascarado, na Venezuela, algo correu muito depressa, pois os apertos dos bens essenciais rompeu com o verniz de sucesso que fascinava tantos outros, mesmo sem terem idêntica orientação ideológica.

= A coletivização dos meios de produção costuma ser uma das primeiras orientações do ‘processo’ comunista de caminhada para o poder e de exercê-lo. Muitas vezes o que antes dava lucro com alguma rapidez se torna em fonte de prejuízo. Aquilo que era produtor de riqueza, no regime comunista, vai-se tornando causa de problemas e de recuo nos lucros…para o Estado-patrão.

Talvez a filosofia dialético-marxista tenha influenciado o pensamento de muitos dos mentores da política no após-segunda guerra mundial, disseminando-se por várias partes do mundo…especialmente nas culturas de pobreza e de miséria.

No entanto, com a queda do muro de Berlim, em 1989, ficou mais a manifesto que certas operações do ‘processo’ comunista estavam eivadas de dados errados e, por conseguinte, com resultados desastrosos.

Só quem não foi capaz de fazer o ‘reset’ da sua educação não percebeu que se continuassem a insistir na fórmula, os proveitos seriam ainda piores. Isso mesmo aconteceu já no Brasil com década e meia de regime dito socialista, agora na Venezuela e – como sempre – em Cuba, na Coreia do Norte e um pouco, à sua maneira, em Angola ou Moçambique…

= O sistema de ditadura e em muitos casos de culto da personalidade torna a leitura de escolhas do ‘processo’ comunista como uma fórmula de identificar causas e consequências. Se bem que, nalguns casos, se fale do ‘coletivo’ como forma de expressão dum pensamento/práxis de todos, nota-se a presença de uma figura que catapulta as massas e faz com que sigam as suas orientações ‘religiosamente’.

Adstrito a todo este ‘processo’ comunista é habitual vermos uma forte aposta na militarização do regime, levando, nalguns casos, a que o resto da população passe até fome, mas os guardas pretorianos têm um tratamento especial. Com efeito, tê-los do seu lado é uma espécie de garantia de prolongamento no poder…

= Há questões de teor mais ou menos amplo que gostaríamos de colocar, sabendo que os visados talvez não leiam estas inquietações.

. Será que ainda não se percebeu que a pessoa humana é muito mais do que consolação da matéria ou promoção do bem-estar efémero?

. Será que as regalias (ditas) materiais suplantam a condição de queremos ser mais do que animais rastejantes e satisfeitos com coisas materiais?

. Será que os servidores do ‘processo’ comunista não enxergam – ou não querem ver – que a democracia não é só a da sua cor?

. Será que quem conduz ou deve conduzir os povos não aprendeu a conviver com a diferença e só faz da sua opinião a bitola do seu comportamento?

Mal vai um povo, uma nação ou uma cultura se os intervenientes não reconhecerem as perspetivas dos outros, pois estes merecem o mesmo respeito que nós reputamos para nós mesmos. Atendendo aos frutos do ‘processo’ comunista talvez falte o contraditório para que sejamos todos cidadãos com igualdade de direitos e de deveres… em qualquer parte do planeta Terra!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 15 Abr 2019

Neste dia 15 de abril, completa cem anos de existência o jornal ‘Diário do Minho’, com sede em Braga. Para além de se dizer, no estatuto de editorial, que é um jornal de ‘informação geral, de expansão regional e de inspiração cristã’, apresenta-se como ‘a voz dos sem voz’, não privilegiando ‘interesses particulares’ nem ninguém, […]

António Sílvio Couto - 8 Abr 2019

No final da ordenação episcopal, no último dia de março, no Porto, D. Américo Aguiar proclamou-se construtor de pontes… isso já desde o tempo da juventude (disse ele, na vertente política), acentuando para o futuro que deseja ser ‘pontífice’ (fazedor de pontes) entre as várias regiões socioculturais do país (Porto-Lisboa) e até na nomenclatura desportiva […]

António Sílvio Couto - 1 Abr 2019

Está previsto que, em 2021, seja feito um novo recenseamento geral da população em Portugal – o 16.º, desde 1864 – onde, ao que parece por imposição da ONU, deve ser incluída uma pergunta sobre o grupo étnico do inquirido. Embora essa pergunta não seja obrigatória na maioria dos países europeus – à exceção da […]


Scroll Up