Fotografia: António Silva

Ano de eleições exige a vivência de uma cidadania atenta, ativa e criativa

D. Nuno Almeida presidiu, na Sé de Braga, à celebração eucarística da Solenidade litúrgica de Santa Maria Mãe de Deus e posicionou-se contra o «lixo financeiro» e da «corrupção» na política.

Alexandre Gonzaga
1 Jan 2019

O Bispo Auxiliar de Braga avisou hoje que, no ano em que se realizam eleições europeias e legislativas, se exige dos cristãos uma «cidadania atenta, ativa e criativa».

Na Sé de Braga, D. Nuno Almeida recordou que, «neste novo ano de 2019, haverá eleições europeias e legislativas» e que «a mensagem Mensagem do Papa Francisco para o 52.º Dia Mundial da Paz», comemorado hoje em todo o mundo, «convoca-nos para a vivência de uma cidadania atenta, ativa e criativa e desafia-nos à missão através da boa política».

Isto, «porque muitos cristãos têm medo de sujar as mãos, corremos o risco de deixar a política em algumas mãos muito sujas», sublinhou o prelado bracarense, que presidiu à missa da Solenidade litúrgica de Santa Maria Mãe de Deus. Contundente, o responsável eclesiástico recordou que, «infelizmente, ficamos tantas vezes perplexos: no ano que findou, saímos do lixo financeiro, mas tomámos consciência de que continuámos a “atolar-nos” no lixo da corrupção».

Aos fiéis que lotaram a Catedral Metropolitana, D. Nuno Almeida lembrou que «também está nas nossas mãos e nas nossas decisões uma mudança séria e a sério».

«Que ninguém nos roube a nossa liberdade de escolha. Não nos deixemos seduzir com a propaganda política profissionalmente orientada, mas balofa e a fingir. Não permitamos que alguns euros a mais na reforma ou no salário comprem as nossas convicções profundas», pediu.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up