Espaço do Diário do Minho

Tão sonhado e tão esperado
24 Dez 2018
João António Pinheiro Teixeira

  1. Eis-nos, finalmente, a chegar ao dia tão sonhado, ao dia tão esperado; ao dia tão sentido, ao dia tão querido. Eis-nos, finalmente, a chegar ao «dia inicial inteiro e limpo». Eis-nos, finalmente, a chegar ao dia de Natal. Não ao Natal das pressas e das prendas; não ao Natal das correrias e das gritarias; não ao Natal das promoções e das agitações. Eis-nos, finalmente, a chegar ao Natal de Jesus e ao nosso Natal com Jesus.

  2. Sim, porque só há Natal no mundo a partir deste mistério profundo. Só há Natal no homem a partir do Deus que Se faz homem.Só há Natal na história quando deste mistério fazemos memória. O Natal só tem luz quando nele celebramos Jesus. É Ele, Jesus, que enche de brilho o meu, o teu, o nosso Natal.

  3. É por isso que o Natal é o dia que não tem fim. É o dia que jamais anoitece e em que até o frio nos aquece. É o dia em que os céus se abriram, em que os anjos saíram e melodias se ouviram.

  4. O silêncio de Deus, que gemeu em Belém, continua a crepitar nos pobres também. Quem não os ouve a eles, como pode ouvi-Lo, a Ele?

  5. Aquele Menino é tão divino que até quis ser humano. Aquele Menino é tão humano que só pode ser divino. O Deus que está naquele Menino humaniza-Se e diviniza-nos. Ele não nos retira humanidade. Pelo contrário, é a Sua divindade que deposita em nós humanidade.

  6. O Menino está na rua, na minha história e também na sua. Está no sofredor, naquele que estende a mão e mendiga amor. Está no pobre, no que não tem pão. Está em quantos vão penando na solidão.

  7. O Seu tempo nunca é distante pois a Sua presença é constante. O Seu lugar não é só em Belém, é na nossa vida também. Ouçamos sempre a Sua voz. E nunca deixemos de O acolher em cada um de nós.

  8. Aquele Menino é tão santo que só consegue provocar encanto. É tão cheio de mansidão que os nossos joelhos caem logo em adoração. O Seu rosto destila tanta pureza que até os antípodas aspiram o perfume da Sua beleza. Enfim, a Sua imagem desperta tal ternura que nem há palavras para descrever tamanha formosura.

  9. O Natal é o dia em que o futuro nasceu e até justiça choveu. Só o impossível desapareceu no preciso instante em que aconteceu. Deus veio ao mundo. Acampou na terra para eliminar o ódio e acabar com a guerra Trouxe, como única veste, a paz e é imensa a alegria que a todos nos traz.

  10. Veio em forma de criança. Haverá quem fique indiferente a tanta esperança? Naquele dia, colocaram-No numa manjedoura, perto do chão. Mas, desde então, a Sua morada passou a ser o nosso coração!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 12 Fev 2019

«Cristianismo» vem de Cristo. Será, porém, que o Cristianismo sabe sempre a Cristo? O Cristianismo não é uma redundância; é uma novidade. Ser cristão não é uma mera confirmação da vida; é uma proposta de transformação da existência. Deste modo, não somos cristãos para ser como nos apraz, mas para incorporar a vida que Cristo […]

João António Pinheiro Teixeira - 5 Fev 2019

A proximidade do poder em relação ao povo não é de agora. Tal proximidade já existia outrora. Talvez não fosse uma proximidade (vistosamente) afectiva. Mas é possível que até fosse bem mais efectiva. Muito antes da «presidência aberta», houve quem praticamente renunciasse a ter morada certa. Nos séculos XII e XIII, o rei D. Sancho […]

João António Pinheiro Teixeira - 29 Jan 2019

Faltar à palavra é um mal. Mas sem esse mal haveria Portugal? Se o primeiro – e, porventura, maior – político português mantivesse sempre o que disse, o mais provável é que o nosso país não existisse. Será que prometer e não cumprir é uma injunção da nossa matriz? É sabido que a D. Afonso […]


Scroll Up