Espaço do Diário do Minho

Pode a Justiça ser mola propulsora da economia?

19 Dez 2018
António Lima Martins

À questão a resposta não só pode, como deve ser positiva. Uma e outra sempre comunicam repercutindo-se aquela nesta de forma directa, indirecta ou reflexamente. Não devemos ver a Justiça somente como um comando constitucional, se bem que essencial nessa perspectiva, mas noutra dimensão distinta e qual seja? A Justiça pode (e deve) ser um dos alicerces do desbloqueamento económico. Temos de passar a olhar para este pilar do Estado de Direito como um meio de progressão económica. Se nortearmos um plano de descongestionamento, celeridade mas, essencialmente, de eficácia podemos alavancar a economia (sem porém retirar do Tribunal aquilo que é e deve pertencer a este e sem encaminhar litígios para meios ditos alternativos, que não passam de formas administrativas de resolução sem as garantias devidas e efectivas, nomeadamente constitucionais, aos cidadãos que tentam apenas escamotear habilidosamente as pendências judiciais). 

Devemos ater-nos, em particular, à área de cobrança de créditos e sua reivindicação, seja dos Particulares, seja das Empresas e a relação com o Estado como farol de disponibilidade de recursos financeiros na economia, para que uns consumam e poupem e as empresas tenham fundo de maneio e capacidade de investimento e crescimento. Uma justiça eficaz, mormente neste plano, potencia efeitos económicos que têm vindo a ser descurados.

Apresentámos um singelo (face ao foro em que o aduzimos) contributo de algumas medidas: 

1) Incentivo à composição dos litígios por acordo ou desistência de instância/pedido, designadamente através da possibilidade de dispensa de custas após o acordo ou desistência (salvaguardando-se o já pago); tal foi já explorado pontualmente com sucesso, mas deveria ser regra por fomentar o descongestionamento dos Tribunais, a libertação de meios e a paz social/económica. 

2) Maior eficácia na cobrança coerciva com obrigação dos devedores apresentarem, no caso de não aferição por outro meio, bens, direitos ou créditos, sob cominação de crime a tipificar no caso de falsidade, omissão ou não colaboração.

3) Obrigação de cooperação das representações portuguesas no estrangeiro no sentido de descoberta de activos patrimoniais de devedores e defesa, no quadro europeu, de possibilidade legal de apreensão de bens em estados membros por dívidas reconhecidas judicialmente.

4) Alteração da estrutura do processo civil pré-contestação no sentido de alargar a audiência de partes existente no processo de trabalho para o regime geral, de modo a incentivar, previamente àquela, a possibilidade de transacção judicial.

5) A configuração de uma espécie de contumácia civil (impedindo a realização de negócios jurídicos comerciais) a empresas ou empresários com dívidas reconhecidas judicialmente a trabalhadores ou fornecedores a partir de um certo tecto.

6) Alteração da legislação alimentar no sentido de garantir um privilégio dos créditos em resultados da venda de bens e sobre esses, potenciando maior confiança e segurança dos fornecedores (logo mais facilidade de risco). Estas e muitas outras medidas sempre numa perspectiva de dinamização da economia.

Por fim devem combater-se três flagelos: O da produção legislativa em catadupa, com leis feitas sem serem pensadas, ou pensadas por quem não as sabe pensar, com consequentes dificuldades de interpretação e quebra da segurança e certezas jurídicas que se impõem. O da desconsideração do papel do Advogado na sociedade e na administração da Justiça, apesar da sua relevância e essencialidade ter protecção constitucional, tudo com reflexos na maior litigiosidade por inexistência de prevenção, na desregulação de cobranças de créditos e na exponenciação de procuradoria ilícita. Por fim, a mudança de paradigma na relação entre Estado e Particulares/Empresas onde o princípio da boa-fé não pode ser apenas uma proclamação; estes não podem ver o Estado (Fisco, Segurança social, ACT e outras entidades) só como sancionador, mas como cooperador, instituindo um dever de prevenção a montante da sanção evitando a penalização de erro, muitas vezes desculpável ou não intencional, que as obrigações múltiplas, complexas e demasiadamente mutáveis potenciam.

Assim ou por outras vias, a Economia poderá largar algumas amarras que, mais vezes do que poucas, a comprimem.

 



Mais de António Lima Martins

António Lima Martins - 17 Jul 2020

Recentemente findou o 1.º Congresso Internacional pela Web da Associação de Direito da Família e das Sucessões com sede no Brasil. Esta iniciativa de excelência em que participamos, contou com intervenções brilhantes de professores da (não posso deixar passar esta pequena vaidade) minha Escola de Direito da UM. Teve como tema central as uniões de […]

António Lima Martins - 29 Jun 2020

No caso de não reconhecimento do filho concebido fora do casamento pelo pai, aquele pode agir judicialmente de modo a ver constituída a relação de filiação. A nossa lei civil estabelece um prazo, antes menor, agora de 10 anos após a maioridade para o filho o fazer sob pena de caducar – extinguir-se – esse […]

António Lima Martins - 20 Abr 2020

Há quem confunda sentido de responsabilidade com alinhamento acéfalo, solidariedade com acriticismo. Isto para dizer o quê? Instala-se uma ideia que, por estarmos num quadro de excepcionalidade e de crise sanitária a que se seguirá, rapidamente, a económica provavelmente sem precedentes neste século, temos que aceitar bondosamente tudo, nada questionar, nada criticar. Os que o […]


Scroll Up