Fotografia: Nuno Cerqueira
Exportações são “sinal mais” de um país ainda com “a nuvem” do endividamento

Prémios Horizontes do Millennium BCP.

Nuno Cerqueira
6 Dez 2018

Foco continuado nas exportações, como elemento agregador no país e algoritmo essencial da fórmula de crescimento da economia portuguesa. foi a mensagem deixada hoje ao final da tarde em Braga pelo secretario de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias.

Presente na cerimónia de encerramento dos prémios “Horizontes” do Millennium Banco Comercial Português (BCP), que galardoou nove empresas, o secretário de Estado não deixou de alertar como «obstáculo» ao mercados as complicadas nas relações comercias entre China e Estados Unidos da América e as dúvidas do Brexit.

«Portugal tem-se pautado por um acordo entre o Reino Unido e a União Europeia, mas as dúvidas são muitas e podem vir a trazer instabilidade à economia», alertou, sem no entanto deixar de dizer que «na incerteza pode estar também um ciclo de oportunidades».

Até porque, e como explicou Eurico Brilhante Dias, a “Marca Portugal” e a “Origem Portugal” são hoje em dia sinónimo de qualidade.

«Portugal acrescenta valor aos produtos. Imobiliário, automotive, turismo, sector agro alimentar são só alguns dos exemplos que garantem procura internacional. Até porque Portugal é um país que vive estabilidade política e segurança», frisou, referindo ainda que nos último 12 anos Portugal aumentou 80% exportações no PIB.

«Um grande que não é deste ou daquele Governo, mas sim um trabalho coletivo que tem originado bons resultados» apesar, e como disse, da “nuvem do endividamento» das famílias e empresas.

Já os promotores da iniciativa, Nuno Amado do Millennium BCP e Daniel Proença de Carvalho, fa Global Media Group, referiram que a região de Braga, Aveiro e Porto são onde “vivem” uma grande parte das empresas empreendedoras do país e que contribuem um “garante” de inovação dos produtos portugueses.




Notícias relacionadas


Scroll Up