Espaço do Diário do Minho

Pneumonia: como prevenir?
9 Nov 2018
Diana Pimenta e João Filipe Cruz

A pneumonia é uma doença comum e potencialmente grave. Consiste numa infeção e inflamação agudado parênquima pulmonar (área do pulmão onde ocorrem as trocas gasosas). Nesta doença, os alvéolos e os bronquíolos respiratórios, localizados no parênquima pulmonar, ficam preenchidos de conteúdo inflamatório, dificultando as trocas gasosas e causando consequente dificuldade respiratória.

É uma das principais causas de doença e mortalidade em Portugal e no mundo. Trata-se da segunda causa mais comum de hospitalização e a causa infeciosa mais comum de morte em Portugal e no mundo.

A taxa global de pneumonia adquirida na comunidade em adultos é de aproximadamente 5 a 7 casos por 1000 pessoas por ano, aumentando na população idosa. Há uma variação sazonal desta doença, com uma maior incidência nos meses de inverno, numa relação com o grau de atividade gripal

Apesar de poder atingir todos os grupos etários, o risco de pneumonia é mais elevado nos extremos etários (crianças e idosos), em situações de debilidade do sistema imunitário, doentes com várias comorbidades e em pessoas que vivem em instituições sociais ou lares (pelo elevado risco de contágio), entre outros.

Os pulmões estão constantemente expostos a partículas e microrganismos, presentes nas vias aéreas superiores que devido a microaspirações podem entrar para o trato respiratório inferior e consequentemente causar inflamação ou infeção. Pode ser causada por múltiplos agentes (bactérias, vírus, fungos), sendo que o Pneumococo (Streptococcus pneumoniae) é a bactéria que mais causa pneumonia.

Os sintomas comuns na pneumonia incluem a tosse, febre, dor torácica ao respirar, dificuldade respiratória e expetoração. Outras apresentações comuns podem incluir os sintomas gastrointestinais (náuseas, vómitos, diarreia) e alterações do estado de consciência.

O diagnóstico depende da história clínica e do exame físico obtido durante a avaliação médica. A radiografia torácica é muito útil para o diagnóstico e para exclusão de outras doenças com sintomatologia idêntica.

A pneumonia é uma doença tratável e na maioria dos casos o tratamento é feito em ambulatório. O internamento hospitalar poderá estar indicado em situações de maior gravidade. O tratamento tem por base a prescrição de antibióticos e outras medidas de suporte, nomeadamente hidratação, medicação para controlo de febre, oxigénio, entre outras. A recuperação pode levar até algumas semanas.

A prevenção é tão importante como o diagnóstico e o tratamento, sendo várias as medidas que podem ser realizadas. A vacinação é fundamental, tendo como objetivo proteger a população da forma mais agressiva da doença. Atualmente são recomendadas duas vacinas: a vacina da gripe e a vacina anti-pneumocócica.

Estas vacinas podem ser administradas à população em geral, mas são especialmente recomendadas a grupos de risco: idade superior a 65 anos, pessoas institucionalizadas, doentes com várias comorbidades, imunodeprimidos, grávidas, prestadores de cuidados de saúde e conviventes de pessoas de risco.

Para além da vacinação, a alimentação saudável, evitando o consumo de álcool, o exercício físico regular, a cessação tabágica e medidas de controlo de infeção (evicção de contacto com pessoas doentes, uso de máscara facial e lavagem adequada das mãos) são aspetos importantes na prevenção desta doença.

Se tiver dúvidas fale com o seu médico(a) sobre o que é a pneumonia e que medidas pode tomar para se proteger desta doença comum e potencialmente grave.



Mais de Diana Pimenta e João Filipe Cruz


Scroll Up