Espaço do Diário do Minho

Uma arma perigosa à solta: a palavra
27 Set 2018
Carlos Aguiar Gomes

“Quand l’atmosphère général est mauvais, le langage ne saurait rester indemne” (G. Orwell – 1946) 

A revista francesa «Le Point», de 16 de Agosto pp dedicou a capa e uma série larga de páginas ao autor de “1984”, Eric Blair, conhecido pelo seu pseudónimo Georges Orwell. Li, com o maior interesse estas páginas. Muito interesse. Das muitas passagens dos artigos então e ali publicadas, cheias de interesse pela sua actualidade gritante, retive a que encima este artigo, verdadeira profecia do que se passa hoje.

Na realidade, “Quando a atmosfera geral é má, a linguagem não pode ficar imune”, tal como escreveu o citado autor em 1946, num artigo que publicou.

Olhemos e ouçamos o que se passa à nossa volta, numa “atmosfera” cultural, linguística e espiritual deletéria, depauperada e… manipulada escandalosamente com a nossa linguagem pobre, mentirosa, fraudulenta. Para não falar do escandaloso chamado Acordo Ortográfico, uma vergonha e que nos quer obrigar a destruir a nossa língua.

Mas há mais. Dou alguns exemplos da manipulação da linguagem, habilmente manipulada por ideologias que têm como objectivo a destruição dos nossos valores e da nossa identidade:

– Interrupção voluntária da gravidez – metáfora que se usa cada vez mais, para atenuar o peso e o significado verdadeiro do que é: o aborto. Assim, se apaga a noção de matar um bebé por nascer, tornando este vil acto aceitável por uma população que se recusa a pensar…

– Morte digna e assistida – outra metáfora mentirosa e falaciosa para dizer matar uma pessoa que, por compaixão, dizem, deve ser morta porque “pediu”…

– Namorado – companheiro com quem se vive sem vínculo civil ou religioso, de que se troca como quem muda uma camisa ao fim do dia…

– Acompanhantes de luxo – outrora eram as prostitutas que se faziam pagar bem e tinham  aparência de “esposas”. Acrescentem-se os “prostitutos”, mais modernos…

– Desvio de fundos – metáfora, também, para amenizar o crime de roubo, normalmente chorudo e de gente importante…

– Elite – outra metáfora para dizer “os que mandam” bem ou mal, têm poder, mas raramente são modelos…

…E quantas mais palavras o leitor conhece que são verdadeiras radiografias de uma péssima atmosfera de uma sociedade doente e que são usadas constantemente pelos “opinion makers” que são os que, de facto, manipulando as palavras criam uma nova atmosfera intoxicada, poluída e malsã. Esta em que vivemos sem nos revoltarmos e recusarmos a usar a “novilíngua”, como disse Orwell, como forma de controlar ideologicamente cada um de nós, obrigando-nos ao “pensamento único”.



Mais de Carlos Aguiar Gomes

Carlos Aguiar Gomes - 12 Dez 2019

«Eram três as principais ocupações do monge, segundo o conhecido prolóquio: Nunc lege, nunc ora, nunc cum fervore labora: a oração, a leitura e o estudo, o trabalho manual.Num apuramento de síntese, que levou a fundir a lectio divina com a oração e o estudo com o trabalho, chegou-se à fórmula clássica: Ora et labora: […]

Carlos Aguiar Gomes - 5 Dez 2019

“Claustrum sine armario quasi castrum sine armamentario” O aforismo com que abro esta artigo (Claustro sem armário (sem biblioteca) é como uma fortaleza sem armamento), também pode começar por “monasterium” (mosteiro), de origem medieval ligado à tradição beneditina, é bem indicador da importância dada aos livros num mosteiro da família beneditino- cisterciense. De facto, o […]

Carlos Aguiar Gomes - 28 Nov 2019

“Todos os hóspedes que se apresentam no mosteiro sejam recebidos como se fosse Cristo em pessoa” … “E a cada qual sejam prestadas as honras convenientes, de modo particular aos “domésticos da fé” e aos peregrinos” ( Regra, Cap. LIII). Este é um dos capítulos mais marcantes do carisma beneditino. Na realidade é proverbial o […]


Scroll Up