Fotografia: Mário Cruz / Lusa
Julgamento das férias com notas falsas em Braga adiado para março

Um dos arguidos é lusodescendente e há ainda mais dois arguidos da Póvoa de Lanhoso.

Nuno Cerqueira
12 Set 2018

Três indivíduos, um dos quais lusodescendente, são acusados pelo Ministério Público (MP) do Porto de passarem notas falsas de 50 euros na região de Braga. A notas vinham de França e há ainda mais dois arguidos da Póvoa de Lanhoso que ajudaram o lusodescendente no alegado crime.

O julgamento estava previsto ter início hoje, mas foi adiado para 13 março de 2019.

O caso remonta a 2015, quando o três indivíduos decidiram vir para a região de Braga passar férias trazendo notas falsas correspondente a 400 euros.

Os indivíduos relataram na fase de inquérito que obtiveram as notas em Marselha, já contrafeitas, a desconhecidos. Com esse “dinheiro” iam aos saldos e compravam produtos de baixo valor para obterem o máximo possível de troco.

Uma das situações ocorreu num supermercado do centro de Braga, a 17 de janeiro.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]




Notícias relacionadas


Scroll Up