Espaço do Diário do Minho

Diálogos em agosto
12 Set 2018
Dinis Salgado

Agosto tem o dom de nos surpreender; umas vezes com tragédias como, por exemplo, agora me lembro, o incêndio no Chiado, em Lisboa, a morte de Diana, princesa de Gales, as recentes inundações na Índia ou os incêndios em Monchique, outras vezes com comédias como a do cantor David Carreira que faz um vídeo em que abandona um carro em andamento, dançando e cantando, ou a de Pedro Santana Lopes que abandona o PSD e lança um novo partido a que chama Aliança; no entanto, não passa de um mês excêntrico e cujas excentricidades, não lhe sendo exclusivas, por acontecerem em período de férias, são naturalmente mais rubricadas e sentidas. 

Igualmente agosto nos surpreende com diálogos informais e improváveis, seja à mesa do café ou na maré-baixa à espera da onda, seja no mercado de peixe regateando preços ou no areal escaldante de papo para o ar, como estes que respiguei ocasionalmente nas minhas deambulações de veraneante incaraterístico. Primeiro diálogo – Duas jovens e vulgares banhistas que se cruzam numa banca de peixe cada qual com o seu lulu ao colo e, de pronto, trocando com eles carícias e mimos. 

E pergunta a do cabelo preso, referindo-se ao cachorro da do cabelo solto: 

– É menino ou menina? 

Resposta vaidosa da segunda, beijando o seu canídeo:

– É menina e chama-se Maria. 

E retruque a primeira:

– Pois o meu é menino e chama-se José. 

E, então, um ouvinte circunstancial que chalaceia para quem quer ouvir:

– Ora vejam esta, agora para não haver, de futuro, dúvidas vou ter de tratar o meu filho por macho José e a minha filha por fêmea Maria.

Segundo diálogo – Agora, mais adiante, numa esplanada aberta ao mar, um trio que presumo de reformados modestos parolam sobre as suas pensões e respetivas reduções e evidentes apreensões. 

E atira o fivelas do grupo:

– Já sabem que o António Costa promete um aumento de 10 euros mensais nas nossas pensõeszecas para o ano.

Sarcástico a cáustico vocifera o mais anafado do trio:

– É preciso ter muita lata e falta de respeito, pois o que faremos com um aumento de 34 cêntimos, arredondados por excesso, por dia?

O último dos três que me parece o mais filósofo sai a terreiro e dispara:

– Olha, passamos a comer mais dois papos-secos por dia com meia sardinha de conduto e muito caladinhos a ver se não nos levam os 34 cêntimos no próximo aumento do preço das cebolas e dos tomates.

Terceiro diálogo – Já ao cair da tarde, no bar do cais, dois jovens que me parecem desempregados pelo seu ar displicente e vário conversam sobre currículos, oportunidades e dificuldades de trabalho. E o do cabelo rabo-de-cavalo ironiza:

– Vê lá bem, meu, este António Costa anda bué grisado: então deu-lhe para convidar os jovens que emigraram de 2011 a 2015 a regressarem com a promessa de redução de 50% no pagamento do IRS e ajudas no realojamento.

E remata o de cabelo crista-de galo: 

– Eh! Mano, ainda se lhes prometesse trabalho, agora prometer-lhes desconto sobre um rendimento que eles nem sequer conseguem é mesmo de baixa política. Diálogos finais – Com certeza que aconteceram muitos, por exemplo, sobre a guerra da SIC com a TVI pela contratação dos pesos-pesados da comunicação com milhões, intrigas e traições à mistura, sobre os helicópteros Kamov usados no combate aos incêndios, quando são proibidos na Europa, sobre as negociatas do bloquista Robles numa clara demonstração do olha para o que digo não olhes para o que eu faço… ou ainda sobre o comboio da polémica que o PS alugou para a sua rentrée, transportando apoiantes de sul para o norte. Tal e qual: 

– Então, querem lá ver, no antigamente arrebanhava-se o povo levando-o de camioneta às manifestações de apoio e propaganda, mas agora a coisa está mais sofisticada.

– Ora, afinal, pensando com cabeça, o que mudou foram só mesmo as moscas. Ou estoutro sobre a saída da Cristina Ferreira da TVI para a SIC:

– Olha-me esta, a Cristina vai abandonar o Goucha.

– É estranho é, pois na mesma capoeira até é fácil conviverem um galo e uma galinha.

– Disseste um galo e uma galinha? Hum, essa afirmação de género não me parece bem explicada. 

E pronto, este foi, sem dúvida, um agosto pleno de contrastes e inconsequências a dar-nos voltas à mioleira. 

Então, até de hoje a oito.



Mais de Dinis Salgado

Dinis Salgado - 7 Nov 2018

Segundo as estatísticas oficiais, anualmente são cerca de 20 mil os condutores portugueses apanhados a conduzir violando a lei; e as infrações mais correntes constam do abuso do álcool, do uso do telemóvel e do excesso de velocidade.  Perante este cenário a aplicação de coimas, ordenações e contraordenações graves, por exemplo ao excesso de álcool […]

Dinis Salgado - 31 Out 2018

Porque venho de uma família numerosa, habituei-me de muito novo a conviver com a morte (de avós, pais, tios, padrinhos, madrinhas, cunhados…); com essa inevitabilidade que é a transitoriedade da vida na quebra de laços, afetos, relações e cumplicidades.  E recordo, muito criança ainda, os gritos de dor que acompanhavam sempre os velórios em casa […]

Dinis Salgado - 24 Out 2018

Porque ao longo da nossa História de mais de oito séculos nunca nada nos caiu do céu ou da terra brotou espontaneamente, temos sido um país de suadores; e de tal modo que muita camisa se torceu e muito tratamento profilático dado foi aos sovacos, espantando, assim, o respetivo pivete.  E, então, Nobreza. Clero e […]


Scroll Up