Espaço do Diário do Minho

Suicídio, um flagelo das sociedades contemporâneas
11 Set 2018
GABINETE DE APOIO À VÍTIMA DE BRAGA

Assinalou-se nesta segunda-feira, 10 de setembro, o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio – um fenómeno que leva, todos os anos, a 800 mil mortes

Uma pessoa morre por suicídio a cada 40 segundos no mundo, o que significa cerca de 800 mil mortes por ano. Mas este é um fenómeno que abrange muitas mais pessoas: de acordo com a OMS, por cada suicídio ocorrido registam-se cerca de 20 tentativas. Estes números justificaram a criação do Dia Mundial da Prevenção do Suicídio (ou World Suicide Prevention Day), assinalado anualmente a 10 de setembro e instituído em 2003 pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio (IASP), em conjunto com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Federação Mundial para a Saúde Mental (WFMH).

De acordo com a OMS, o suicídio pode ocorrer durante todas as fases da vida, sendo, globalmente, a segunda causa de morte entre os 15 e os 29 anos de idade. No mesmo ano, o suicídio vel mundial, ortes, a num s capacidades socioecon00 mil mortes por ano. Contabilizou 1,4 % de todas as mortes, a nível mundial, tornando-se a 18.ª maior causa de morte. As médias nacionais relativas ao fenómeno parecem também ser influenciadas pelas características socioeconómicas dos países: em 2016, 79% dos suicídios no mundo aconteceram em países com baixos ou médios rendimentos. Em Portugal, as estatísticas acompanham de perto a tendência europeia, com uma taxa de 14 suicídios por cada 100 mil habitantes/ano (contra uma média europeia de 15.4). 

O suicídio passou, nos anos 90, a ser abordado como um problema de saúde pública. A OMS alerta para a necessidade de implementação de medidas de prevenção a vários níveis – medidas que podem, efetivamente, diminuir o número de tentativas e de suicídios.

Que apoio está disponível?

De acordo com Bruno Brito, psicólogo da APAV, “cada pessoa que se suicida, normalmente, faz um pedido de ajuda antes.” Desta maneira, “estar atento, estar disponível para ouvir e, acima de tudo, estar disponível para ajudar é uma das melhores formas de conseguir prevenir este flagelo. Não é difícil estarmos atentos: é uma questão de perceber quais são os sinais e de fazermos com que estas pessoas, para além de se sentirem apoiadas, possam chegar à ajuda profissional o mais depressa possível. Esta é a melhor forma de prevenirmos este flagelo que é o suicídio.”

Por forma a reduzir o impacto da vitimação, a APAV disponibiliza ajuda presencialmente, de forma gratuita, confidencial, qualificada e humanizada, e apoio emocional e psicológico, bem como encaminhamento social. A APAV também disponibiliza a Linha de Apoio à Vítima – 116 006 –, uma linha de apoio gratuita.

GABINETE DE APOIO À VÍTIMA DE BRAGA

Rua de S. Vítor, 11 (Edifício Junta de Freguesia de São Victor)

4710-439 Braga

Tel. 253 610 091

apav.braga@apav.pt 

Dias úteis: 10h00-13h00 / 14h00–18h00 

LINHA DE APOIO À VÍTIMA
16 006 | Chamada gratuita | Dias úteis: 09h-21h 

No âmbito das celebrações dos 25 anos, o GAV Braga publica um artigo de opinião por mês no Diário do Minho sobre as diversas áreas de atuação da APAV



Mais de GABINETE DE APOIO À VÍTIMA DE BRAGA

Gabinete de Apoio à Vítima de Braga - 14 Mar 2019

Qualquer pessoa pode ser vítima de crime. Não acontece apenas a outras pessoas. É vítima de crime toda a pessoa que, em consequência de ato praticado contra as leis penais em vigor, sofreu um ataque contra a sua vida, integridade física ou mental, um sofrimento de ordem emocional ou uma perda material. Consideram-se também vítimas, […]

Gabinete de Apoio à Vítima de Braga - 14 Fev 2019

A maioria dos adolescentes estabelece relacionamentos de namoro positivos e saudáveis. Contudo, existem situações em que a vontade de controlar e de dominar o outro pode dar lugar à violência. A violência nas relações de intimidade é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde como um grave problema de saúde e de segurança pública. Mas este […]

GABINETE DE APOIO À VÍTIMA DE BRAGA - 9 Jan 2019

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima disponibiliza, através da Rede UAVMD (Apoio à Vítima Migrante e de Discriminação), apoio a pessoas de nacionalidade não portuguesa – imigrantes, refugiados ou pessoas que se encontrem em Portugal temporariamente por outros motivos – que tenham sido vítimas de qualquer tipo de crime. Esta sub-rede da APAV também […]


Scroll Up