Espaço do Diário do Minho

O desafio do quotidiano
11 Set 2018
João António Pinheiro Teixeira

  1. A missão está cada vez mais concentrada em alguns lugares e em alguns dias.

É uma opção que permite canalizar recursos e optimizar sinergias. Mas, por si só, não é suficiente para chegar a todos os lugares nem para atingir todas as pessoas.

2. Impõe-se, por conseguinte, que, mantendo este género de realizações, nos esforcemos por dar um passo em frente.

A vivência da fé não é para alguns dias, mas para todos os dias.

3. É por isso que, como observou Marie-Dominique Chenu, o campo de trabalho para o cristão é «o acontecimento», cada acontecimento.

O tempo do homem é permanentemente visitado pelo «tempo de Deus». 

4. Cada «krónos» humano é uma oportunidade para atrair o «kairós» divino.

Daí que, como bem percebeu Elmar Salmann, o principal desafio que temos de enfrentar seja o quotidiano.

5. É que, embora involuntariamente, podemos dar a entender que a Igreja é uma entidade ligada a «eventos extraordinários».

Ainda que não seja assim que a Igreja se apresenta, é assim que – por muitos – ela tende a ser vista.

6. Com efeito, já são muitos os que limitam os seus contactos com a Igreja a alguns momentos da vida (Baptismos, Festas da Catequese, Casamentos e Funerais) e a algumas épocas do ano (Romarias, Natal e, quando muito, Semana Santa).

Ultimamente, também se verifica que certos eventos sociais (conclusão de cursos, encontros de associações ou até reuniões familiares) não dispensam a celebração da Eucaristia. 

7. Há, portanto, alturas em que a Igreja continua presente na vida das pessoas e em que as pessoas continuam presentes na vida da Igreja.

O que falta é que essas presenças episódicas se convertam numa presença constante.

8. Não espanta, pois, que haja quem, como Elmar Salmann, pergunte. Porque é que a Igreja «não funciona no quotidiano?»

Dir-se-á que não há muita procura. Mas haverá a devida oferta? 

9. Se os ministros ordenados diminuem, a vida cristã não cresce. 

Por sua vez, se a vida cristã não cresce, os ministros ordenados continuarão a diminuir. Como sair daqui?

10. Como alerta Elmar Salmann, é imperioso libertar os poucos padres das muitas tarefas que pendem sobre eles. É preciso ajudá-los a dedicar-se ao seu papel de «mistagogos e de maieutas».

Deste modo, muitos tomarão consciência das sementes de fé que trazem em si. Tais sementes poderão perfumar cada dia com mais espiritualidade e intervenção social!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 18 Set 2018

Eis as duas marcas da Igreja no mundo: presença e diferença. A Igreja está presente «no» mundo para ser diferente «do»mundo. É pela diferença que a Igreja qualifica a sua presença. Se não corporizar uma diferença, que sentido terá a sua presença? Jesus estabeleceu o princípio que há-de articular a presença com a diferença. É […]

João António Pinheiro Teixeira - 28 Ago 2018

1. Na vida, não basta haver caminhos. É necessário que, sem tutelas, haja uma indicação clara acerca dos caminhos. Sem indicações, não sabemos para onde os caminhos nos levam. Todos são equivalentes. A indecisão será inevitável e o desnorte total. O mundo de hoje é marcado, em todos os domínios, pelo pluralismo. O que falta é uma bússola, […]

João António Pinheiro Teixeira - 21 Ago 2018

1. Os tempos não correm fagueiros para a moderação nem, obviamente, para os moderados. No mundo e em quase todos os sectores da vida, são os extremos que predominam, agredindo-se e correndo o risco de (mutuamente) se anularem. 2. Não foi por mero ornamento retórico que Eric Hobsbawm qualificou a nossa época como sendo a […]


Scroll Up