Espaço do Diário do Minho

Bloco desconceituado ou talvez não?
10 Set 2018
Albino Gonçalves

Não se pretende politizar o tema em apreço, somente refletir como de herói transita rapidamente ao perfil de vilão, de acreditado a desconceituado ou de agrado a decepcionado.

A pouco mais de um ano para as eleições legislativas, o desenlace de Robles danificou gravemente toda a linha ideológica defendida pelo Bloco de Esquerda, não valendo de nada a falida intervenção da líder bloquista em defesa de um facto condenado à verdade e aludido à clarividente falsidade comportamental do desempenho do ex-vereador da Câmara Municipal de Lisboa, no cerne das suas teses sobre a problemática situação da habitação social ou arrendatária.

Notícias vindas a público sinalizam o BE numa acentuada descida na intenção de votos em prol do Partido Socialista no caminho da renovada maioria e do Partido Comunista, reconquistando o eleitorado perdido a favor dos bloquistas.

Catarina Martins, ingenuamente e a querer lançar poeira para os olhos dos portugueses e ao estilo de Trump, a acusar a maledicência da comunicação social, dirigiu da pior maneira uma situação perfeitamente irreversível ao que era apregoado no parlamento sobre o impacto negativo que incide na população portuguesa no âmbito dos elevados preços de arrendamento e escassez da habitação social, como oposição e bem, ao negócio chorudo do fenómeno da “epidemia” espalhada por todo o país do alojamento local (AL).

Robles, uma personalidade de relevo na militância do Bloco de Esquerda, destacando-se pela crítica consistente na especulação imobiliária e forte opositor no AL, caiu na profecia da desgraça quando foi descoberto que era proprietário de um imóvel de elevado valor patrimonial e destinado a ser vendido como um excelente investimento, precisamente para fins de alojamento local, contrariando o que defendia com “unhas e dentes”, deixando o seu partido em maus lençóis, caindo para quase 8% as intenções de voto de um eleitorado fidelizado aos princípios politicamente implementados pelo BE, especialmente em matéria no parque habitacional.

Nestas andanças da imprevisibilidade em nome da descoberta da verdade, costuma-se dizer que os “cavalos também se abatem”. O que era bandeira do Bloco de Esquerda, e reunia o consenso aliado à simpatia de um eleitorado agradado pelas posições bloquistas em defesa dos superiores interesses dos cidadãos mais desfavorecidos, foi por “água abaixo”.

Mas, não julguem que a queda do Bloco é a única a marcar a “rentrée” desaproveitada pelo Partido Social Democrata. Devido ao permanente conflito interno de Rui Rio com os seus militantes, gerando uma plausível queda abrupta nas intenções de voto de 24,1%, e de acordo com o barómetro da sondagem da “Aximage”, o PS que no passado conquistou 43% do eleitorado, posiciona-se aproximadamente na base dos 39% da intenção de votos do eleitorado para as próximas legislativas, muito distante da maioria absoluta.

O BE, terá uma árdua tarefa de convencer os seus aliados que o caso de Robles foi um episódio isolado e infeliz. Terá que dar provas concludentes rejuvenescidas para anular um “divórcio” litigioso com todos os cidadãos simpatizantes, da propagação reforçada das suas ideias e princípios e a determinação dos preceitos políticos eclodidos por outros partidos ausentes na solidariedade das dificuldades sociais, económicas e institucionais dos portugueses, mérito este que tem vindo a ser assumido embrulhado de facetas controversas e turvas, nem sempre atendíveis à satisfação dos seus apoiantes. 



Mais de Albino Gonçalves

Albino Gonçalves - 14 Jan 2019

Termina em 31 de Agosto próximo, o Contrato de Gestão de uma Parceria Público-Privada do Grupo José de Mello Saúde (JMS), no Hospital de Braga, encontrando-se a Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), em conjunto com o Ministério da Saúde (MS) e a JMS, a uniformizar o melhor caminho no processo de reversão para […]

Albino Gonçalves - 7 Jan 2019

A Câmara Municipal de Braga, durante o ano em curso, não se livra da sanguessuga financeira alocada às despesas e encargos do Estádio Municipal e à parceria dos sintéticos, no valor calculado de 18 milhões de euros que serão subtraídos ao cofre da autarquia, verba que teria muito mais utilidade para “socorrer” outras necessidades básicas […]

Albino Gonçalves - 31 Dez 2018

O Município de Braga reforçou junto dos seus recursos humanos que o assédio, seja qual for a sua moldura, pode originar despedimento com justa causa e responsabilidade criminal. Portugal é um país dotado de uma vasta listagem jurídica e legislativa, que prevê a intransigente defesa dos trabalhadores contra comportamentos ofensivamente desonestos e com objectivos de proveito […]


Scroll Up