Espaço do Diário do Minho

Bloco desconceituado ou talvez não?
10 Set 2018
Albino Gonçalves

Não se pretende politizar o tema em apreço, somente refletir como de herói transita rapidamente ao perfil de vilão, de acreditado a desconceituado ou de agrado a decepcionado.

A pouco mais de um ano para as eleições legislativas, o desenlace de Robles danificou gravemente toda a linha ideológica defendida pelo Bloco de Esquerda, não valendo de nada a falida intervenção da líder bloquista em defesa de um facto condenado à verdade e aludido à clarividente falsidade comportamental do desempenho do ex-vereador da Câmara Municipal de Lisboa, no cerne das suas teses sobre a problemática situação da habitação social ou arrendatária.

Notícias vindas a público sinalizam o BE numa acentuada descida na intenção de votos em prol do Partido Socialista no caminho da renovada maioria e do Partido Comunista, reconquistando o eleitorado perdido a favor dos bloquistas.

Catarina Martins, ingenuamente e a querer lançar poeira para os olhos dos portugueses e ao estilo de Trump, a acusar a maledicência da comunicação social, dirigiu da pior maneira uma situação perfeitamente irreversível ao que era apregoado no parlamento sobre o impacto negativo que incide na população portuguesa no âmbito dos elevados preços de arrendamento e escassez da habitação social, como oposição e bem, ao negócio chorudo do fenómeno da “epidemia” espalhada por todo o país do alojamento local (AL).

Robles, uma personalidade de relevo na militância do Bloco de Esquerda, destacando-se pela crítica consistente na especulação imobiliária e forte opositor no AL, caiu na profecia da desgraça quando foi descoberto que era proprietário de um imóvel de elevado valor patrimonial e destinado a ser vendido como um excelente investimento, precisamente para fins de alojamento local, contrariando o que defendia com “unhas e dentes”, deixando o seu partido em maus lençóis, caindo para quase 8% as intenções de voto de um eleitorado fidelizado aos princípios politicamente implementados pelo BE, especialmente em matéria no parque habitacional.

Nestas andanças da imprevisibilidade em nome da descoberta da verdade, costuma-se dizer que os “cavalos também se abatem”. O que era bandeira do Bloco de Esquerda, e reunia o consenso aliado à simpatia de um eleitorado agradado pelas posições bloquistas em defesa dos superiores interesses dos cidadãos mais desfavorecidos, foi por “água abaixo”.

Mas, não julguem que a queda do Bloco é a única a marcar a “rentrée” desaproveitada pelo Partido Social Democrata. Devido ao permanente conflito interno de Rui Rio com os seus militantes, gerando uma plausível queda abrupta nas intenções de voto de 24,1%, e de acordo com o barómetro da sondagem da “Aximage”, o PS que no passado conquistou 43% do eleitorado, posiciona-se aproximadamente na base dos 39% da intenção de votos do eleitorado para as próximas legislativas, muito distante da maioria absoluta.

O BE, terá uma árdua tarefa de convencer os seus aliados que o caso de Robles foi um episódio isolado e infeliz. Terá que dar provas concludentes rejuvenescidas para anular um “divórcio” litigioso com todos os cidadãos simpatizantes, da propagação reforçada das suas ideias e princípios e a determinação dos preceitos políticos eclodidos por outros partidos ausentes na solidariedade das dificuldades sociais, económicas e institucionais dos portugueses, mérito este que tem vindo a ser assumido embrulhado de facetas controversas e turvas, nem sempre atendíveis à satisfação dos seus apoiantes. 



Mais de Albino Gonçalves

Albino Gonçalves - 8 Abr 2019

“Um direito que ignora ou esquece a realidade social, morre por “velhice” ou inutilidade…” in Pe. António Vaz Pinto, S.J. O direito e o dever de cidadania é um preceito constitucional à disposição de cada um de nós na prática de participação ativa institucional no conjunto das decisões sociais, económicas, políticas, dos valores éticos no respeito […]

Albino Gonçalves - 1 Abr 2019

Desdobrado por todos os meios na pesquisa consultiva, manuscrita ou tecnológica, reportada aos últimos 15 anos de governação do Estado Novo até aos dias mais recentes da tão ambicionada e jovial democracia de um Estado de direito, promissor da justiça social, acérrimo defensor da transparência constitucional, não foram encontradas semelhanças com a avalanche “cunhalista” na […]

Albino Gonçalves - 25 Mar 2019

Os nossos olhos são a base elementar do imaginário, do pressuposto com a interpretação de leituras variáveis no contexto da realidade, da presunção ou do erro. Disfarçamos e exteriorizamos um estilo de marketing pessoal inexistente, procuramos transmitir um visual de bem-estar social e económico falso, quando em boa verdade, o endividamento, o desemprego, a ausência […]


Scroll Up