Espaço do Diário do Minho

«Prudência», virtude que reflete a sabedoria do coração!
30 Ago 2018
Maria Helena Marques

Ser prudente, é ser sábio, é ser inteligente. Significa reconhecer a realidade de forma correta, para a partir deste princípio, saber como agir. É o modo necessário para a consecução do verdadeiro êxito.

S. Tomás de Aquino, citando Aristóteles, acredita que a prudência constitui a condição prévia de todas as virtudes, definindo-a como “uma regra e a medida certa da ação”. Porque a prudência ao guiar o juízo da consciência, ordena a conduta do homem na direção do bem e afastamento do mal.

“Sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas”, lemos em “Mat.10. 16”.

Um conselho sábio que, feito vida, ajuda a reconhecer que estas duas virtudes se aperfeiçoam mutuamente. Precisamos de ser cautos, previdentes, para não deixar-nos enganar; para reconhecer os “lobos disfarçados de cordeiros”, para distinguir o falso do verdadeiro, o trigo do joio.

Ao mesmo tempo, necessitamos da virtude da simplicidade como caminho de verdade para conquistar a confiança recíproca… A ausência da simplicidade pode converter facilmente a prudência em astúcia.

Como virtude, a prudência permite conhecer com objetividade a realidade das coisas, de acordo com o seu fim; possibilita o julgar acertadamente sobre o caminho a seguir e a atuar em consequência…

“Prudente não é, – como frequentemente se pensa – o que sabe arranjar-se na vida e tirar dela o máximo proveito, mas sim quem acerta em edificar a vida inteira conforme a voz da consciência reta e segundo as exigências da moral justa. Deste modo, a prudência vem a ser a chave para que cada um realize a tarefa fundamental que recebeu de Deus. Esta tarefa é a perfeição do mesmo homem, a santidade”. (Papa S. João Paulo II, Alocução 25-X-1978).

Mas, como sabemos, para o exercício operativo da prudência necessitamos de luz no entendimento, porque só assim teremos capacidade para julgar com retidão os factos e as circunstâncias.

Torna-se imprescindível uma séria formação humana, doutrinal e ascética como a luz que nos facilita encontrar os caminhos que devemos percorrer, e as decisões a tomar… Apesar disso, em muitas ocasiões, necessitamos de pedir conselho.

O primeiro passo da prudência é o reconhecimento das próprias limitações: a virtude da humildade. Admitir que não sabemos e não abarcamos tudo é importante tê-lo em conta à hora de ajuizar…

S. Tomás aconselha que, em assuntos que podem acarretar graves consequências para si ou para outros, deve pedir-se conselho a quem possa dá-lo de forma desinteressada e reta. Mas não apenas acerca de casos extremos.

Por vezes torna-se urgente uma orientação para os mais novos e menos novos, por exemplo, em matérias de leitura de livros, revistas e jornais, ou assistência a espetáculos ou programas de TV que, umas vezes de forma violenta e outras de forma solapada, podem arrebatar o tesouro da fé da alma do crente, princípios e valores éticos, ou criar um fundo mau no coração de onde procederão com facilidade todo o género de dúvidas ou tentações que se podiam ter evitado com um pouco mais de humildade e lucidez.

Também não é prudente a atitude de quem se deixando levar por respeitos humanos, não realiza o que em consciência considera um bem para si e para outros. S. Paulo considera este tipo de prudência uma falsa virtude, designando-a “prudência da carne”… Trata-se de uma excessiva preocupação pelo futuro, que pode impedir a realização de algo grande no presente.

A verdadeira prudência é compatível, em muitas situações, com a audácia, a magnanimidade, a generosidade! É aquela que nos move a arriscar depois de ponderar relativamente os dados do problema e a avançar, ativando todos os nossos recursos humanos e sobrenaturais, todas as potencialidades, procurando fazer em cada momento, o que devemos, com a convicção plena que disso “ vão depender muitas coisas grandes”…

Sublinhamos mais uma vez o pensamento de S. Tomás, quando reconhece que a direção da vida é da competência do indivíduo e que não há “receitas de bem agir”, uma vez que a prudência diz respeito a ações contingentes, situadas no “aqui e agora”.

Reconhecemos também que a prudência “virtude da decisão certa”, é virtude da inteligência, mas da inteligência do concreto. Não se debruça sobre teoremas ou princípios abstratos e genéricos.

Ela olha sim para o `tabuleiro de xadrez` da situação presente, sobre a qual se dão as nossas decisões concretas, e sabe discernir o `lance certo`, moralmente bom. E o critério para esse discernimento do bem é a realidade, a verdade das coisas…



Mais de Maria Helena Marques

Maria Helena Marques - 25 Jul 2018

Conforme a definição clássica, que consta no parágrafo 2538 do Catecismo da Igreja Católica, a inveja é a tristeza sentida diante do bem do outro. Perante isto, notamos que a marca da inveja é a tristeza, mas não aquela causada por algo mau que tenha acontecido (uma doença, a morte de alguém querido etc), mas […]

Maria Helena Marques - 28 Jun 2018

Vivemos num mundo de contrastes em que se entrecruzam esperanças animadoras e obstáculos que, pela sua natureza e dimensões, nos podem parecer insuperáveis. Deparamos com múltiplos fatores que parecem favorecer em muitos homens uma consciência mais amadurecida da dignidade da pessoa, e uma nova abertura aos valores transcendentes, éticos e cristãos. No concernente à sociedade, […]

Maria Helena Marques - 4 Mai 2018

É a terceira exortação apostólica que o Papa inicia com um convite à alegria! Um manual de espiritualidade para o século XXI, onde o Papa diz o que é ser santo: . Ser santo é distanciar-se de uma sociedade alienada, enredada em tramas políticas, mediáticas, económicas, culturais e mesmo religiosas; . É rejeitar a tentação […]


Scroll Up