Espaço do Diário do Minho

Será insistir demais? Talvez não!
22 Ago 2018
Benjamim Araújo

Voltando mais uma vez à eutanásia, vou começar por aquilo que, para nós, é mais simples e mais claro. O simples e o claro é-nos oferecido de bandeja, através da etimologia da palavra eutanásia.

A eutanásia é constituída, na sua composição, por dois elementos: o “eu ou o bem” e a palavra grega “thanatos” que significa morte. A partir daqui, define-se a eutanásia como o direito de matar ou de morrer por tal facto. Contudo, para certas filosofias e religiões, a eutanásia tornou-se um método destinado a abreviar o sofrimento ou a pôr fim a uma doença sem esperança. 

José Luís Peixoto, mencionado pelo distinto psicólogo M. Ribeiro Fernandes, no Diário do Minho, em 17/6/18, afirma que “a eutanásia representa uma agressão e uma rotura com os valores sagrados da vida: o povo português sempre acreditou no significado da morte como transição para uma vida futura, de acordo com a ressurreição de Jesus”. Estou completamente de acordo. 

Antes de prosseguir, vou debruçar a minha atenção e cultura sobre o facto “morte”. Como vejo e aprecio este facto? Sem entrar em, por vezes, inúteis contendas com outras maneiras lícitas de ver o significado da morte, vou afirmar que esta é a ressurreição natural do ôntico ser humano, liberto da união bio psíquica (a fisiologia e a representação) da sua estrutura existencial.

Esta libertação da nossa união bio psíquica vai, através da determinação do Uno Transcendental, exigir a sua ressurreição, integração, conexão, união e congruência com o ôntico ser humano e com o Transcendente (Deus).

Portanto, depois desta libertação, a nossa união bio psíquica integra-se no Uno Transcendental, sem roturas, agressões e isolamentos, formando Um, numa abertura mental e afetiva e integração em Deus.

A não aceitação da eutanásia, para uns é por considerarem que é uma agressão dos pilares da cultura humanística do povo e seus valores da vida; para outros manifesta-se por ser oposta à conservação da vida; para outros manifesta-se através da autonomia, da liberdade e da responsabilidade que temos das nossas motivações, motivos, interesses, desejos, prestígios e domínios.

A nossa vida existencial, em todas as suas modalidades, tem o seu radical fundamento no natural e ôntico ser humano. Provocar a morte, a rotura, o isolamento da vida existencial com a vida transcendental, o mesmo é que afirmar o desrespeito pelo nosso inviolável ôntico ser.

Vou cantar, então, um glorioso Te Deum a Deus pelo facto do nosso ôntico e natural ser exigir, terminantemente, a sua ressurreição, a sua libertação da sua falsa autonomia e liberdade da nossa vida existencial, em todos os seus planos.

Estou convencido, o tempo o dirá, que não é demais voltar a falar da eutanásia.  

Nota da Direção: Este artigo foi enviado para o Diário do Minho pelos familiares do Dr. Benjamim Araújo antes do seu falecimento. Publicamo-lo com autorização da família.



Mais de Benjamim Araújo

BENJAMIM ARAÚJO - 19 Set 2018

A quinta  essência do cristianismo, no dizer do distinto teólogo, Carlos Nuno Vaz, fazendo-se eco de alguns Bispos, entre eles o Bispo de Calahorra, Dom Carlos Escrivano, “é a vivência da dor”. Afirma o Bispo: “Sentir a dor com os que sentem dor é a quinta essência do Cristianismo. Esquecer-se de si e descobrir o […]

Benjamim Araújo - 29 Ago 2018

Educar o indivíduo, a pessoa, a sociedade, a Igreja, a economia, a política, a própria educação… na observância dos imperativos transcendentais, eis uma nova e fecunda relação para os Parlamentos. Mas afinal o que é o Parlamento? De um modo simples e claro, vou colar, com cola-tudo, esta chancela: o Parlamento é um corpo ou […]

Benjamim Araújo - 15 Ago 2018

No artigo 313, “Conflitos entre religiões, um disparate”, a minha atenção deixou-se embeber, como a espuma, com todo o apaixonado coração, a mente e ação, para a definição, distinção e unicidade da religião ao seguir a autoridade e o entusiasmo do ôntico ser humano, como a voz única e universal a toda a humanidade.  A […]


Scroll Up