Espaço do Diário do Minho

A fé só faz sentido ao lado da justiça
21 Ago 2018
João António Pinheiro Teixeira

1. Os tempos não correm fagueiros para a moderação nem, obviamente, para os moderados. No mundo e em quase todos os sectores da vida, são os extremos que predominam, agredindo-se e correndo o risco de (mutuamente) se anularem.

2. Não foi por mero ornamento retórico que Eric Hobsbawm qualificou a nossa época como sendo a «era dos extremos». Os extremos são sedutores pela (aparente) clarificação. Mas tornam-se ameaçadores pela (perigosa) simplificação.

3. Estigmatiza-se a moderação como sendo incapacidade de optar. Acontece que a autêntica moderação nasce da capacidade de fazer a síntese entre diferentes e de operar a convergência entre contrários.

4. Habitualmente, preocupamo-nos com os erros doutrinais. E tendemos a negligenciar a falhas vivenciaisO ortodoxo não é aquele que aprende mais doutrina, mas aquele que procura viver melhor a doutrina que aprende. As duas dimensões são importantes. Postulam-se.

5. Uma síntese não é apenas uma condensaçãode posições diversas. É, acima de tudo, um esforço de encontroentre visões diferentes. Uma síntese acaba por ser o movimento que vai da tese para a antítese. A síntese não é, pois, o que vem apósa tese e a antítese, mas o que está entrea tese e a antítese.

6. Abrir pontesonde costuma haver murosé uma missão espinhosa, mas é igualmente um trabalho estimulante. É importante que se defendam pontos de vista próprios. Mas também é salutar que não falte abertura às posições dos outros, ainda que pareçam opostas. Na procura da verdade, há certamente correcções a fazer e precisões a efectuar. Mas tais correcções e precisões devem surgir mais como um serviço fraterno do que como uma sentença inapelável.

7. No tempo, todos participamos da condição de «homo viator». Ainda não atingimos a meta. Ainda somos (todos) viandantes, peregrinos de uma pátria cujos vislumbres nos vão sendo oferecidos.

8. Numa Igreja que se vê como um corpo (assim no-la apresentou S. Paulo), todos são portadores de um carisma, de um dom. Os carismas e os dons não são estanques. Circulam em todos e interpelam-se entre si. A verdade é sempre para procurar. Alguma vez será para possuir? Fundamental não é possuir a verdade, mas deixar-se possuir pela verdade.

9. Mantenhamos, por isso, a indispensável coerência nos princípios e não desleixemos o inadiável compromisso com a sua aplicação. Quem não ama o próximo como pode pretender amar a Deus?

10. Não separemos o que Deus uniu. Foi Deus que uniu a verdade e o amor, a doutrina e a caridade. Neste caso, querer menos que tudo é querer nada!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 19 Fev 2019

Amar é mais que «satisfazer». E até é mais do que «plenifazer». Para amar, não basta «fazer bastante» nem sequer «fazer tudo». Verdadeiramente só ama quem se dispõe a fazer tudo pelo(s) outro(s). Foi este o exemplo de Cristo. E tem sido este o testemunho de tantos a partir de Cristo. Mas também reside aqui […]

João António Pinheiro Teixeira - 12 Fev 2019

«Cristianismo» vem de Cristo. Será, porém, que o Cristianismo sabe sempre a Cristo? O Cristianismo não é uma redundância; é uma novidade. Ser cristão não é uma mera confirmação da vida; é uma proposta de transformação da existência. Deste modo, não somos cristãos para ser como nos apraz, mas para incorporar a vida que Cristo […]

João António Pinheiro Teixeira - 5 Fev 2019

A proximidade do poder em relação ao povo não é de agora. Tal proximidade já existia outrora. Talvez não fosse uma proximidade (vistosamente) afectiva. Mas é possível que até fosse bem mais efectiva. Muito antes da «presidência aberta», houve quem praticamente renunciasse a ter morada certa. Nos séculos XII e XIII, o rei D. Sancho […]


Scroll Up