Espaço do Diário do Minho

A fé só faz sentido ao lado da justiça
21 Ago 2018
João António Pinheiro Teixeira

1. Os tempos não correm fagueiros para a moderação nem, obviamente, para os moderados. No mundo e em quase todos os sectores da vida, são os extremos que predominam, agredindo-se e correndo o risco de (mutuamente) se anularem.

2. Não foi por mero ornamento retórico que Eric Hobsbawm qualificou a nossa época como sendo a «era dos extremos». Os extremos são sedutores pela (aparente) clarificação. Mas tornam-se ameaçadores pela (perigosa) simplificação.

3. Estigmatiza-se a moderação como sendo incapacidade de optar. Acontece que a autêntica moderação nasce da capacidade de fazer a síntese entre diferentes e de operar a convergência entre contrários.

4. Habitualmente, preocupamo-nos com os erros doutrinais. E tendemos a negligenciar a falhas vivenciaisO ortodoxo não é aquele que aprende mais doutrina, mas aquele que procura viver melhor a doutrina que aprende. As duas dimensões são importantes. Postulam-se.

5. Uma síntese não é apenas uma condensaçãode posições diversas. É, acima de tudo, um esforço de encontroentre visões diferentes. Uma síntese acaba por ser o movimento que vai da tese para a antítese. A síntese não é, pois, o que vem apósa tese e a antítese, mas o que está entrea tese e a antítese.

6. Abrir pontesonde costuma haver murosé uma missão espinhosa, mas é igualmente um trabalho estimulante. É importante que se defendam pontos de vista próprios. Mas também é salutar que não falte abertura às posições dos outros, ainda que pareçam opostas. Na procura da verdade, há certamente correcções a fazer e precisões a efectuar. Mas tais correcções e precisões devem surgir mais como um serviço fraterno do que como uma sentença inapelável.

7. No tempo, todos participamos da condição de «homo viator». Ainda não atingimos a meta. Ainda somos (todos) viandantes, peregrinos de uma pátria cujos vislumbres nos vão sendo oferecidos.

8. Numa Igreja que se vê como um corpo (assim no-la apresentou S. Paulo), todos são portadores de um carisma, de um dom. Os carismas e os dons não são estanques. Circulam em todos e interpelam-se entre si. A verdade é sempre para procurar. Alguma vez será para possuir? Fundamental não é possuir a verdade, mas deixar-se possuir pela verdade.

9. Mantenhamos, por isso, a indispensável coerência nos princípios e não desleixemos o inadiável compromisso com a sua aplicação. Quem não ama o próximo como pode pretender amar a Deus?

10. Não separemos o que Deus uniu. Foi Deus que uniu a verdade e o amor, a doutrina e a caridade. Neste caso, querer menos que tudo é querer nada!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 13 Nov 2018

O que impressiona já não é a diferença, que sempre foi salutar. Nem sequer a clivagem, que desde há muito se foi tornando habitual. O que perturba é a agressividade destilada e a hostilidade vertida. São elas que deixam as sociedades nas fronteiras do ódio e nos umbrais da violência. As pessoas pleiteiam com insinuações […]

João António Pinheiro Teixeira - 6 Nov 2018

 1. O mundo já não é bem uma aldeia, como vaticinara Marshall McLhuan. Para Gilles Lipovetsky, tornou-se, tão-somente, um mercado. O poder do mercado é imenso e a sua influência nem sequer é demasiado subtil. É sobretudo muito perigosa. Se repararmos bem, já não é a democracia que tutela o mercado. É o mercado que tutela a democracia. […]

João António Pinheiro Teixeira - 30 Out 2018

1. Não é por falta de bons textos que não temos melhores práticas. Se pretendermos eleger o discurso mais belo de sempre, muitos apontarão o Sermão da Montanha, indicando, especialmente, as Bem-aventuranças. Ali estão, com efeito, as bases da maior revolução. Ali, a vida é vista ao contrário. Para Jesus, felizes não são os ricos, os que vencem […]


Scroll Up