Espaço do Diário do Minho

Lego, ergo, Sum
15 Ago 2018
Maria Susana Mexia

Ler é um valor essencial para alargar os nossos horizontes; para amadurecer as nossas perspectivas; para ajudar a compreender a complexidade e, ao mesmo tempo, a simplicidade da realidade e do mundo. Ler para crescer, ler para sonhar, ler para partilhar e conviver.

Face à fragmentação que os meios de comunicação e as redes sociais provocam em nós e que, por vezes, nos dispersa e empobrece, o recurso frequente a um livro e consequente diálogo sobre ele é um verdadeiro bálsamo ou oásis para o nosso espírito e para o nosso intelecto.

Ler é mais do que saber dar voz às palavras, é ser capaz de se recolher, de habitar dentro de si mesmo, de ler nas situações, nos meandros, nos requebros da vida e das pessoas. É o grande diálogo de mim para mim, de mim para o outro e dos outros para mim e para nós, abrindo a possibilidade de nos apercebermos da grandiosa escala de matizes da realidade pessoal e social, criando a possibilidade de ver o mundo em várias dimensões, todas diferentes, mas complementares. 

“Se há livros dos quais as lombadas e as capas são, com pouca diferença, o melhor”, é um facto que existem outros que nos arrebatam, nos deleitam e nos conquistam verdadeiramente. 

Nem é que todos os livros marquem um antes e um depois muito evidente na nossa vida, mas o que lemos muda-nos, ou nos engrandece a alma ou a enfraquece. À medida que o tempo passa a nossa personalidade reflecte, tanto os livros que tenhamos lido como aqueles que não lemos.

Quem, ao longo dos anos, se nutre de leituras selecionadas, com bom critério, adquire um olhar aberto sobre o mundo e as pessoas, sabe medir-se com a complexidade das coisas e desenvolve a sensibilidade necessária para deixar de lado as banalidades e não passar ao largo diante das grandezas da vida. 

Non legere, sed eligere, será o mote que deve impelir a saber escolher, para bem ler e poder desfrutar, com obras diversificadas, ricas, conscientes e coerentes, pois não será tão útil ler muito, como ler bem. 

Lego, ergo, Sum, poderá ser a feliz conclusão para quem uma vida sem ler não tem sentido, ou pelo menos, não tem a mesma qualidade, profundidade e riqueza que só os livros podem dar.



Mais de Maria Susana Mexia

Maria Susana Mexia - 19 Out 2018

O século XIX viu germinar no seu seio algumas ideologias políticas, que marcaram a modernidade e haviam de desencadear uma profunda crise cultural, aliada ao despoletar do desenvolvimento e endeusamento do progresso da ciência, prometendo um futuro mais feliz, mais digno do homem que se concebia com autonomia, eficácia e liberdade suficiente para não depender […]

Maria Susana Mexia - 17 Out 2018

“Fátima — O último mistério”, o filme-documentário de Andrés Garrigó (Espanha, 2018), já se estreou em muitos países da Europa e da América e está a ter um êxito inimaginável. Em Portugal, está em várias salas de cinema, onde se espera igual ou maior afluência.  Estabelecendo uma misteriosa relação de coincidências entre a Cova da […]

Maria Susana Mexia - 26 Ago 2018

 “Deus acredita no Homem” é um livro editado pela Éfeso, da autoria de Justo Mullor, que pretende estimular a vivência cristã pessoal, como premissa de uma transformação social profunda, longe de esquemas tradicionais em vias de caducidade. Este conjunto de reflexões sobre a fé, conduz-nos a uma iluminada compreensão do presente que, apesar das inevitáveis […]


Scroll Up