Espaço do Diário do Minho

Lego, ergo, Sum
15 Ago 2018
Maria Susana Mexia

Ler é um valor essencial para alargar os nossos horizontes; para amadurecer as nossas perspectivas; para ajudar a compreender a complexidade e, ao mesmo tempo, a simplicidade da realidade e do mundo. Ler para crescer, ler para sonhar, ler para partilhar e conviver.

Face à fragmentação que os meios de comunicação e as redes sociais provocam em nós e que, por vezes, nos dispersa e empobrece, o recurso frequente a um livro e consequente diálogo sobre ele é um verdadeiro bálsamo ou oásis para o nosso espírito e para o nosso intelecto.

Ler é mais do que saber dar voz às palavras, é ser capaz de se recolher, de habitar dentro de si mesmo, de ler nas situações, nos meandros, nos requebros da vida e das pessoas. É o grande diálogo de mim para mim, de mim para o outro e dos outros para mim e para nós, abrindo a possibilidade de nos apercebermos da grandiosa escala de matizes da realidade pessoal e social, criando a possibilidade de ver o mundo em várias dimensões, todas diferentes, mas complementares. 

“Se há livros dos quais as lombadas e as capas são, com pouca diferença, o melhor”, é um facto que existem outros que nos arrebatam, nos deleitam e nos conquistam verdadeiramente. 

Nem é que todos os livros marquem um antes e um depois muito evidente na nossa vida, mas o que lemos muda-nos, ou nos engrandece a alma ou a enfraquece. À medida que o tempo passa a nossa personalidade reflecte, tanto os livros que tenhamos lido como aqueles que não lemos.

Quem, ao longo dos anos, se nutre de leituras selecionadas, com bom critério, adquire um olhar aberto sobre o mundo e as pessoas, sabe medir-se com a complexidade das coisas e desenvolve a sensibilidade necessária para deixar de lado as banalidades e não passar ao largo diante das grandezas da vida. 

Non legere, sed eligere, será o mote que deve impelir a saber escolher, para bem ler e poder desfrutar, com obras diversificadas, ricas, conscientes e coerentes, pois não será tão útil ler muito, como ler bem. 

Lego, ergo, Sum, poderá ser a feliz conclusão para quem uma vida sem ler não tem sentido, ou pelo menos, não tem a mesma qualidade, profundidade e riqueza que só os livros podem dar.



Mais de Maria Susana Mexia

Maria Susana Mexia - 13 Abr 2019

Alinhar a Igreja pelos valores da sociedade, especialmente duma sociedade laica, tem sido o grande empenho das últimas décadas, por parte da maioria dos governantes dos países europeus. Com o protesto de se abrirem ao mundo, muitas foram as cedências feitas, não só pelos cristãos, mas também por alguns membros de clero; quando deveria ser […]

Maria Susana Mexia - 11 Fev 2019

“O sofrimento de uma pessoa somente é intolerável quando não há ninguém para cuidar dela.” «Um convite, uma festa. Chego sem conhecer ninguém, além da anfitriã. Pela recepção calorosa dela, percebo que alguns convidados estão interessados em saber quem sou. Aproximam-se. Fico um pouco tímida nessas ocasiões e tenho dificuldade em começar a conversar. Mais […]

Maria Susana Mexia - 5 Dez 2018

A responsabilidade de educar compete primordialmente aos pais, assiste à família, como sustentáculo do desenvolvimento da personalidade e da cidadania dos seus membros, o direito de enquadrar a educação dos seus filhos nos princípios e nos valores que perfilham.  Porém, o Ministério da Educação criou e implementou de forma obrigatória a disciplina “Cidadania e Desenvolvimento”, […]


Scroll Up