Fotografia: Nuno Cerqueira: Muito Alta Tensão
AR recomenda ao Governo estudo e suspensão de alta tensão em Barcelos e Ponte de Lima

«Enquanto não forem conhecidas as conclusões do referido estudo».

Redação
30 Jul 2018

A Assembleia da República recomendou hoje ao Governo que promova um estudo sobre o impacto das linhas de muito alta tensão na saúde e que suspenda a construção daquelas estruturas em Barcelos e Ponte de Lima.

Na resolução hoje publicada em Diário da República (AR), o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, sugere ao Governo que “promova a realização de um estudo nacional sobre o tipo de impacto dos postes e linhas de alta e muito alta tensão na saúde das populações, recorrendo, designadamente, à análise do estado geral de saúde das populações que habitam na proximidade dos mesmos, comparando-o com o das que habitam a uma distância superior a 100 metros”.

Naquela recomendação, aprovada em abril, a AR pede ainda que o Governo “suspenda a construção da linha de muito alta tensão em Barcelos e, em Ponte de Lima, enquanto não forem conhecidas as conclusões do referido estudo” e que “realize um estudo sobre a possibilidade alternativa da colocação subterrânea dos cabos da linha de muito alta tensão”.

No documento é ainda reclamada “a regulamentação urgente dos níveis máximos de exposição humana admitidos a campos eletromagnéticos derivados das linhas, instalações ou equipamentos de alta e muito alta tensão“.

No início do mês, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) deu ‘luz verde’ a projetos de transporte de eletricidade num montante máximo de 474 milhões de euros até 2022, entre eles o investimento no projeto da nova interligação a 400KV Minho-Galiza.

Em causa está a construção de uma linha elétrica de 400 KV desde Fontefria, em território galego, até à fronteira portuguesa, com o seu prolongamento à rede elétrica nacional, no âmbito da Rede Nacional de Transporte operada pela empresa REN.

Em 2015, o projeto foi “recalendarizado” para ser submetido a novos estudos.

O troço português prevê a construção desta linha através de oito dos dez concelhos do distrito de Viana do Castelo e ainda por Vila Nova de Famalicão, Barcelos (ambos do distrito de Braga), Vila do Conde e Póvoa de Varzim (os dois do distrito do Porto).

De acordo com o Estudo de Impacto Ambiental, o troço nacional deste projeto prevê a construção de duas novas linhas duplas trifásicas de 400 KV, atravessando, potencialmente, 121 freguesias.

A proximidade desta linha, aérea, às casas, as consequências dos campos eletromagnéticos gerados na saúde humana ou o impacto visual de torres 75 metros com margens de segurança de 45 metros para cada lado são as principais preocupações das populações de ambos os lados da fronteira.

 




Notícias relacionadas


Scroll Up