Espaço do Diário do Minho

O fim último da educação e os constantes desvios perpetrados pela ação humana
12 Jul 2018
Artur Gonçalves Fernandes

 O fenómeno educativo é algo que pertence à própria essência humana e, por isso, o seu objetivo geral tem que estar ligado ao fim último do homem. Neste contexto, a educação diz respeito, de um modo especial, às  faculdades superiores do ser humano. Por esta razão, o aperfeiçoamento da inteligência e da vontade deve ser o fim da educação enquanto tal. O entendimento só é perfeito quando possui a verdade; se a não possuir, fica deficitário. Por seu turno, a vontade é perfeita quando está na posse do bem, quando o torna real, ou seja, o realiza. A mentira, a falsidade, o engano, a intrujice, a impostura, o logro e a aldrabice nunca enriquecem a inteligência humana. O mal, o erro, a desonestidade, a desmoralização, a deslealdade, a devassidão moral, a fraude, o hedonismo, a libertinagem e a depravação dos costumes nunca contribuem para a perícia e o enobrecimento da vontade. Assim sendo, na educação não há lugar para efemeridades nem para impudências mesquinhas. A transitoriedade do mundo não pode ser um fim último da educação e, então, todos aqueles sistemas educativos que descuram a transcendência ferem a própria essência humana que nunca se satisfaz com o desencanto nem com a vacuidade da vida pessoal e social. Os valores meramente terrenos acabarão por se evaporar ingloriamente. O aperfeiçoamento das nossas faculdades só se alcança numa luta  contínua e persistente, vencendo todos os obstáculos e ofertas iníquas que o mundo agressivo e desconexo nos oferece e com que nos cerca por todos os lados. O enriquecimento da nossa inteligência e da nossa vontade apenas se conseguirá de um modo paulatino, ao longo da vida, até à obtenção da perfeição plena que está ao alcance de todos. A aquisição gradual das perfeições parcelares vai formando uma disposição integral no homem, criando os bons hábitos e os bons comportamentos. São estes valores  que a educação deve ajudar a criar e a solidificar. A aprendizagem que forma defeitos e aberrações no homem é indigna de se chamar educação. Em suma, a educação, ao perfectibilizar as faculdades humanas, aperfeiçoa homem no seu todo. O processo educativo deve, pois, perseguir o objetivo último que é o desenvolvimento integral da pessoa humana. A educação que é ministrada atualmente numa grande parte das famílias, das escolas e das sociedades sofre muito a influência de um modernismo mórbido que tem  adulterado a formação do homem na sua postura diária e nas suas atividades sociais. Este fenómeno descaraterizador atingiu muitas expressões humanas,  inclusive as artísticas. As referidas evoluções artísticas também já se vêm manifestando nalgumas obras de arte sacra. Veem-se, em certos templos, crucifixos que não exprimem, lá muito bem, nem a figura de Jesus Cristo, nem os passos essenciais da Sua via dolorosa. Julgo que a educação moderna, altamente permissiva e desajustada, vai descaraterizando certos valores universais que os antepassados nos transmitiram com muito amor, sabedoria e lealdade. 



Mais de Artur Gonçalves Fernandes

Artur Gonçalves Fernandes - 14 Fev 2019

Apesar da existência de uma profusão de literatura sobre as caraterísticas do bom líder, não se vê um grande número de pessoas competentes no desempenho de muitos cargos nas sociedades atuais. Acresce ainda que proliferam os fóruns, os seminários e as ações de formação nesta área, mas os resultados palpáveis estão muito aquém do desejável. […]

Artur Gonçalves Fernandes - 7 Fev 2019

Nos tempos que correm, o número de pessoas que dá excessiva liberdade aos seus xucros impulsos tem aumentado assustadoramente como as ervas nocivas. Se estas não forem controladas atempadamente acabarão por dominar as searas que tanta falta fazem para a subsistência mínima de uma grande parte da humanidade que, infelizmente, dela se encontra privada. O […]

Artur Gonçalves Fernandes - 31 Jan 2019

Hoje, mais do que nunca, as relações entre as pessoas estão a passar por um período muito tenso, carregado de maus humores, de ira constante ou de uma plêiade de indignações de toda a espécie. Parece que as pessoas já não sabem senão ironizar, resmungar, resmonear, ranguinhar, insultar e tirar desforço por ninharias ou até […]


Scroll Up