Fotografia: Avelino Lima
Diocese precisa de se renovar com alegria da juventude

O Arcebispo Primaz defendeu ontem que a Igreja diocesana deve ser capaz de atrair os jovens para um plano de vida alternativo e assente nos valores humanistas do cristianismo. E acrescentou que a entrada da juventude no seio das comunidades deve conduzir a uma renovação eclesial marcada pela «alegria e pela felicidade».

Joaquim Martins Fernandes
11 Jul 2018

«A Igreja tem que criar espaços para acolher os jovens e tem que saber ouvir o que ele têm, para dizer. Os jovens têm dentro der si algo de bom e com eles teremos uma uma sociedade de mudança», disse Jorge Ortiga, na homilia que preferiu na eucaristia em honra de S. Bento da Porta Aberta.
Perante uma assembleia de féis que encheu a cripta da nova igreja dedicada a S. Bento, o prelado bracarense acrescentou que a capacidade de renovação característica da juventude deve também ser acolhida no seio da Diocese. «Se os jovens têm que ser sujeitos de mudança [das suas próprias vidas], eles também serão impulsionadores na mudança na Igreja e provocar uma renovação com o rosto da alegria e da felicidade», sublinhou o Arcebispo de Braga, fazendo saber que a juventude não é um conjunto de seres humanos «que vivem apenas o que lhes apetece».
[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]




Notícias relacionadas


Scroll Up