Espaço do Diário do Minho

Ao ritmo sanjoanino
18 Jun 2018
Narciso Mendes

S. João escolheu Braga

Para viver e morar,

Na capelinha da ponte,

No cimo do seu altar

 

Rodeado de arvoredo,

S. João respirou fundo

E diz que tem a seu lado

O melhor Fórum do mundo

 

S. João sente alegria

Dentro do seu coração,

Quando Braga se diverte

De martelinho na mão

 

Sei que dizem S. João

Que ver Braga pelo canudo

É o mesmo que ver o céu,

Com santos, anjos e tudo

 

S. João diz se os eleitos

Que governam a cidade,

São macegas da política

Ou Autarcas de verdade?

 

S. João há quem espere

Repapoila, repapoila,

E uma cor há a pedir-te

Que lhe entreguem a caçoila

 

Todos sabem S. João,

Só que sabes muito mais

Que quem a Câmara quer

É fino como os Corais

 

É nesta Augusta cidade

S. João quem repenica,

Em tantas festas havidas

É Rio quem sua em bica

 

Ó meu rico S. João

Te rezo todos os dias

P´ra que faças o milagre

E cures o nó de Infias

 

Este ano não te esqueças

S. João, nem um só dia,

Que o Clube continua

Sem a sua Academia

 

São terrenos e dinheiro

A velha história de sempre,

S. João traz o mascoto

E malha naquela gente

 

Gente atrás de negócio

É o que mais há S. João,

Enquanto, nós, os pategos

Só olhamos p’ró balão

 

Se outra cor vier um dia

Novo negócio propor

De parcómetros, S. João,

Não conte com Salvador

 

Quen ordena é o “arranjo”

Na vida nas Autarquias,

Mas dizem, Sanjoãozinho,

Que é de mentes doentias

 

As críticas são um incómodo

S. João ninguém as quer,

Nem que sejam sobre o lixo

Que é tratado pela Agere.

 

S. João quer muita festa,

Canto e dança até fartar

E que a alegria transborde

Ao jeito da velha ETAR

 

As vias que a ti levam,

Ó Santo dos mais marotos,

Fazem de Bracara Augusta

A dama de sapatos rotos

 

Se a cidade é europeia

Disto, daquilo e da bola,

Por que razão, S. João,

Não é também da esmola?

 

Meu S. João há quem diga

Que queres Braga inteligente,

Mas sem passadeiras seguras,

Onde passa tanta gente?

 

S. João pergunta à Câmara

Onde esteve todo o ano

Tão estiloso vereador

Que zela o espaço urbano?

 

Canta, canta amigo canta

Vem cantar ao S. João,

Traz a gaita a concertina

E o alho-porro na mão

 

Não temas meu S. João

Que o César te destrone,

Que ele abana e logo cai

Se por lá passar um drone

 

S. João tem Facebook

E já mandou o recado:

De Santa Engrácia parecem

Ser as obras do mercado

 

Lá no carro dos pastores

S. João dá bofetadas

Mas também devia dá-las

A certa rapaziada

 

Rapaziada sem freio,

Ó meu rico S. João,

Sem amor ao património

Só corrida ao chapadão

 

Se queres dar a conhecer

Toda a história verdadeira

De Braga, ó meu S. João,

Escolhe o Rui Ferreira

 

Falemos de coisas sérias

Desde o Minho à Galiza

De cooperação, segurança

É o que S. João mais precisa

 

Meu S. João tu não venhas

De carapuça e de pau

E aceites as propostas

Do galego Xoan Mao

 

S. João elas lutaram

No Jamor para ganhar

A taça de Portugal,

Só que tiveram azar

 

São verdadeiras guerreiras

As Cachopas cá do Minho,

Não te esqueças S. João

De lhes dar o teu carinho

 

Avante mulheres, avante,

Que há mais taças a ganhar

E o S. João já me disse

Que não mais ides falhar

 

S. João muita gente há

Que a edilidade bajula,

E é nas festas que alguns

Andam na dança da chula

 

Por último S. João te rogo

E à Unesco, com humildade,

Que eleveis o Bom Jesus

A património da humanidade.



Mais de Narciso Mendes

Narciso Mendes - 11 Fev 2019

Encanta-me sentir que vivo numa cidade capaz de fazer inveja a muitas outras do nosso país. Uma bimilenária urbe, em cuja ostentação de património, algum dele inserido em belezas naturais, a faz ainda mais bela e rica aos olhos de quem a vê e, como tal, senhora dos seus pergaminhos e tradições que se vai […]

Narciso Mendes - 4 Fev 2019

É cada vez mais embaraçoso o exercício do direito de cidadania em qualquer aldeia, vila ou cidade onde quase toda a gente se conhece, sobretudo para quem pretenda ser parte de uma massa crítica construtiva, com chamadas de atenção das autoridades locais e dos leitores para factos reais que se verifiquem na área administrativo-municipal da […]

Narciso Mendes - 28 Jan 2019

É costume dizer-se que os homens não se medem aos palmos. E as pontes tão pouco. No entanto, sei de uma que já foi medida palmo-a-palmo por um tal Luís Costa, segundo consta de um escrito antigo. Medição, da qual resultaram 940 palmos de comprimento por 20 de largura. E de entre os seus nove arcos […]


Scroll Up