Fotografia: Alexandre Gonzaga

Autobiografia de Alexandrina marcada pela seriedade e rigor científico

Obra sobre a espiritualidade e misticismo da Beata de Balasar foi apresentada ontem na Universidade Católica de Braga.

Alexandre Gonzaga
15 Jun 2018

«A primeira peça de um jogo de dominó a tombar». Foi desta forma que Alexandre Freire Duarte classificou ontem o Volume I da autobiografia de Alexandrina de Balasar.

Na apresentação, que decorreu no Centro Regional de Braga da Universidade Católica Portuguesa (UCP-Braga), o autor das “Obras Completas de Alexandrina Maria da Costa” admitiu que teve «um papel meramente instrumental» na realização do livro e que, «apesar de não ter sido um milagre, demorou pela sua complexidade».

Numa parceria conjunta da Fundação Alexandrina de Balasar (FAB) e da UCP-Braga, a obra apresenta uma abordagem científica dos textos de Alexandrina e um conjunto de comentários teológicos longos, mas didáticos.

«Trata-se de “um” conjunto de comentários possível e não do “único” rol de comentários», sublinhou Alexandre Freire Duarte, durante a cerimónia que reuniu autoridades da freguesia poveira de Balasar, habitantes locais, fiéis e curiosos, referindo que, por isso, «o livro lança ideias para a contemporaneidade».

Responsável pelo “Nihil obstat” da obra (o “nada obsta” é uma aprovação oficial do ponto de vista moral e doutrinário de um livro que aspira ser publicada, realizada por um especialista na área da teologia), Manuel Costa Santos referiu que a área da espiritualidade, da qual o autor é especialista, «tem circulação, é transitável, “passeável – como diz Eduardo Lourenço –, tem ouvintes, mas tem de ser servido com conhecimento, que tem muito de “saber de experiência feito”».

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up