Espaço do Diário do Minho

Não votar em quem aprove (na AR) a eutanásia?
28 Mai 2018
António Sílvio Couto

Porquê a pressa em querer legislar – despenalizando/legalizando – a eutanásia? Se não constava no programa dos partidos, qual a causa desta mudança? A quem interessa trazer o assunto – fraturante quanto baste, antes, durante e depois da discussão/votação – para o areópago dos temas políticos? Não será este ‘assunto de consciência’ – como alguns lhe chamam – um tema de civilização e não de mera conjuntura?

Eis algumas das questões escutadas e discutidas sobre a eutanásia, agora designada de ‘morte medicamente assistida’. Nesta, como em ocasiões em que esteve em debate e em causa o tema da vida, os defensores do ‘sim’ – ao aborto, à eutanásia e a temas relacionados com sexo não-reprodutivo – surgem como culturalmente mais avançados e mais humanistas do que os que se reclamam do ‘não’ mudar a legislação ou da concretização da pretensa despenalização/legalização. Será que temos de engolir todos os argumentos e afrontas daqueles que se julgam senhores da verdade, que não seja a sua?

= É verdade que desta vez o assunto só tem andado no quadro do parlamento. O referendo talvez não mudasse nada nos resultados. Mas diga-se em leitura menos apaixonada do assunto: a maioria que possa aprovar a mudança, poderá, mais tarde ou mais cedo, mudar e fazer reverter o assunto, coisa que a vinculação do referendo – os que tivemos até agora não foram não-vinculativos, dado que não atingiram a percentagem de votantes exigida – traria com mais incidência, mesmo que pudesse haver uma vitória pírrica.

Nos últimos tempos surgiu, vindas de vários quadrantes, uma posição nova: quem aprovar a eutanásia não merece o voto em futuras eleições… até porque foi subvertido o quadro ideológico e mesmo o do programa sufragado em eleições anteriores.

Em grande parte concordo com esta posição: pela minha parte, quase sempre votei no mesmo partido e tenho confiado na boa-fé dos seus dirigentes – mesmo quando a qualidade não era tão merecedora nem do benefício da dúvida – que agora querem fazer crer que são muito humanistas, só porque não lhes repugna matar a pedido ou em aliviar a dor mais ou menos circunstancial… No mínimo isto não é sério nem merece que se confie neles depois, quem agora nos engana, sobrepondo aos outros o seu esquema para sobreviver nas lutas de triângulos e aventais.

= Os meus valores dizem: a vida una e inviolável, é dom de Deus, que tenho de velar para se desenvolva entre a conceção e a morte natural. Tudo o resto – o intervalo entre aqueles dois momentos – deve ser para que vivamos com a melhor das dignidades e não aos solavancos e segundo os interesses de cada etapa.

Com efeito, o tema da dignidade é hoje um conceito que tem tanto de interessante, quanto de casuístico, pois o que para uma pessoa – grupo, setor, associação ou mesmo igreja – é ou não digno pode ser considerado por outros como sem dignidade e vice-versa.

Por isso, trazer para a discussão da eutanásia a dignidade de vida duma determinada pessoa, poderá ser visto como muito diferente por outra. Bastaria incluir aqui a discussão a componente do ‘sofrimento’ para podermos estar a falar de coisas diametralmente opostas, dependendo da perspetiva que se pode dar ao assunto, desde a mais simples até à mais espiritualizada. Será que alguém cresceu na sua personalização sem sofrimento, dificuldade ou dor? E isso foi razão para desistir de viver, como se propõe na dita ‘morte medicamente assistida’?

Nesta como noutras circunstâncias de discussão sobre temas atinentes à dinâmica da vida, falta serenidade e seriedade em muitos/as dos intervenientes e nem a comparação com outros países onde o assunto foi introduzido na vida social e cultural tem servido para que haja ponderação e amadurecimento sem ataques a quem pensa e age de modo diferente daquele que se julga maioritário…

= O futuro dirá se esta iniciativa em querer impor a eutanásia não se voltará contra os mentores, defensores e legisladores. Não esqueço a nota já referida noutra ocasião em que uma das maiores paladinas da eutanásia, quando caiu doente, o que pedia era que não a deixassem só e tanto quanto consta não recorreu à estratégia da ‘morte doce’… tendo inclusive tido ritos religiosos, que não apreciava tanto assim em público. Dá a impressão que há gente que diz uma coisa, mas na sua hora da verdade tem outro comportamento…



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 15 Abr 2019

Neste dia 15 de abril, completa cem anos de existência o jornal ‘Diário do Minho’, com sede em Braga. Para além de se dizer, no estatuto de editorial, que é um jornal de ‘informação geral, de expansão regional e de inspiração cristã’, apresenta-se como ‘a voz dos sem voz’, não privilegiando ‘interesses particulares’ nem ninguém, […]

António Sílvio Couto - 8 Abr 2019

No final da ordenação episcopal, no último dia de março, no Porto, D. Américo Aguiar proclamou-se construtor de pontes… isso já desde o tempo da juventude (disse ele, na vertente política), acentuando para o futuro que deseja ser ‘pontífice’ (fazedor de pontes) entre as várias regiões socioculturais do país (Porto-Lisboa) e até na nomenclatura desportiva […]

António Sílvio Couto - 1 Abr 2019

Está previsto que, em 2021, seja feito um novo recenseamento geral da população em Portugal – o 16.º, desde 1864 – onde, ao que parece por imposição da ONU, deve ser incluída uma pergunta sobre o grupo étnico do inquirido. Embora essa pergunta não seja obrigatória na maioria dos países europeus – à exceção da […]


Scroll Up