Espaço do Diário do Minho

Não votar em quem aprove (na AR) a eutanásia?
28 Mai 2018
António Sílvio Couto

Porquê a pressa em querer legislar – despenalizando/legalizando – a eutanásia? Se não constava no programa dos partidos, qual a causa desta mudança? A quem interessa trazer o assunto – fraturante quanto baste, antes, durante e depois da discussão/votação – para o areópago dos temas políticos? Não será este ‘assunto de consciência’ – como alguns lhe chamam – um tema de civilização e não de mera conjuntura?

Eis algumas das questões escutadas e discutidas sobre a eutanásia, agora designada de ‘morte medicamente assistida’. Nesta, como em ocasiões em que esteve em debate e em causa o tema da vida, os defensores do ‘sim’ – ao aborto, à eutanásia e a temas relacionados com sexo não-reprodutivo – surgem como culturalmente mais avançados e mais humanistas do que os que se reclamam do ‘não’ mudar a legislação ou da concretização da pretensa despenalização/legalização. Será que temos de engolir todos os argumentos e afrontas daqueles que se julgam senhores da verdade, que não seja a sua?

= É verdade que desta vez o assunto só tem andado no quadro do parlamento. O referendo talvez não mudasse nada nos resultados. Mas diga-se em leitura menos apaixonada do assunto: a maioria que possa aprovar a mudança, poderá, mais tarde ou mais cedo, mudar e fazer reverter o assunto, coisa que a vinculação do referendo – os que tivemos até agora não foram não-vinculativos, dado que não atingiram a percentagem de votantes exigida – traria com mais incidência, mesmo que pudesse haver uma vitória pírrica.

Nos últimos tempos surgiu, vindas de vários quadrantes, uma posição nova: quem aprovar a eutanásia não merece o voto em futuras eleições… até porque foi subvertido o quadro ideológico e mesmo o do programa sufragado em eleições anteriores.

Em grande parte concordo com esta posição: pela minha parte, quase sempre votei no mesmo partido e tenho confiado na boa-fé dos seus dirigentes – mesmo quando a qualidade não era tão merecedora nem do benefício da dúvida – que agora querem fazer crer que são muito humanistas, só porque não lhes repugna matar a pedido ou em aliviar a dor mais ou menos circunstancial… No mínimo isto não é sério nem merece que se confie neles depois, quem agora nos engana, sobrepondo aos outros o seu esquema para sobreviver nas lutas de triângulos e aventais.

= Os meus valores dizem: a vida una e inviolável, é dom de Deus, que tenho de velar para se desenvolva entre a conceção e a morte natural. Tudo o resto – o intervalo entre aqueles dois momentos – deve ser para que vivamos com a melhor das dignidades e não aos solavancos e segundo os interesses de cada etapa.

Com efeito, o tema da dignidade é hoje um conceito que tem tanto de interessante, quanto de casuístico, pois o que para uma pessoa – grupo, setor, associação ou mesmo igreja – é ou não digno pode ser considerado por outros como sem dignidade e vice-versa.

Por isso, trazer para a discussão da eutanásia a dignidade de vida duma determinada pessoa, poderá ser visto como muito diferente por outra. Bastaria incluir aqui a discussão a componente do ‘sofrimento’ para podermos estar a falar de coisas diametralmente opostas, dependendo da perspetiva que se pode dar ao assunto, desde a mais simples até à mais espiritualizada. Será que alguém cresceu na sua personalização sem sofrimento, dificuldade ou dor? E isso foi razão para desistir de viver, como se propõe na dita ‘morte medicamente assistida’?

Nesta como noutras circunstâncias de discussão sobre temas atinentes à dinâmica da vida, falta serenidade e seriedade em muitos/as dos intervenientes e nem a comparação com outros países onde o assunto foi introduzido na vida social e cultural tem servido para que haja ponderação e amadurecimento sem ataques a quem pensa e age de modo diferente daquele que se julga maioritário…

= O futuro dirá se esta iniciativa em querer impor a eutanásia não se voltará contra os mentores, defensores e legisladores. Não esqueço a nota já referida noutra ocasião em que uma das maiores paladinas da eutanásia, quando caiu doente, o que pedia era que não a deixassem só e tanto quanto consta não recorreu à estratégia da ‘morte doce’… tendo inclusive tido ritos religiosos, que não apreciava tanto assim em público. Dá a impressão que há gente que diz uma coisa, mas na sua hora da verdade tem outro comportamento…



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 14 Jan 2019

Vindo do outro lado do Atlântico chegou à nossa sociedade a discussão do ‘azul e rosa’, isto é, a insistência em conotar com estas cores o sexo das pessoas: azul para rapaz e rosa para rapariga. Numa declaração mais fundamentalista – no correto e essencial significado do termo – das cores do sexo masculino e […]

António Sílvio Couto - 7 Jan 2019

Sob a confluência de diversas tendências vemos que, hoje, se manifestam múltiplas formas de religiosidade individualista, onde cada um se serve do que lhe interessa, desde que se sinta (mais ou menos) bem… e que possa tomar das diferentes expressões religiosas – desde as mais tradicionais até às menos institucionais – o que lhe dá […]

António Sílvio Couto - 31 Dez 2018

Por entre a turbulência de transição de ano (civil) vamo-nos preparando para acolher o novo ano. Através da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz – intitulado: “a boa política ao serviço da paz” – podemos (e devemos) rececionar os desafios ao nosso compromisso de participação nesta tarefa de fazer e de […]


Scroll Up