Fotografia: DM
D. Jorge admitido Académico de Mérito por defesa do património religioso de Braga

O Arcebispo Primaz é admitido hoje como Académico de Mérito na Academia Portuguesa de História (APH) pelo trabalho desenvolvido na defesa e conservação do património religioso e cultural.

 Alexandre Gonzaga
23 Mai 2018

D. Jorge Ortiga profere, às 15h00, no Palácio dos Lilases, em Lisboa, uma comunicação sobre o “Bom Jesus do Monte: das origens a Património Mundial”, sendo acolhido, em seguida, pelos seus pares na APH.

O nome do prelado foi proposto pelo Conselho Académico desta instituição científica de utilidade pública e aprovado por unanimidade pelos Académicos de Número, que reúnem a cada três meses.

A APH é constituída por 45 Académicos de Número, sendo 30 portugueses e 15 brasileiros, e 190 Académicos Correspondentes, sendo 80 de nacionalidade portuguesa, 20 de nacionalidade brasileira, 10 de outros países de expressão portuguesa e 80 de outros países estrangeiros.

 A APH manifesta, assim, o seu agrado e consenso pelo trabalho, esforço e dedicação de D. Jorge Ortiga em prol do património histórico-arquitetónico de cariz religioso e cultural bracarense.

O anúncio foi feito ontem pela presidente do Conselho Académico da APH, Manuela Rosa Fernandes, através de e-mail enviado a todos os Académicos de Número.

A APH, reúne especialistas em várias áreas do saber, cuja obra se apresente como um contributo decisivo para a “História de Portugal” nos mais diversos âmbitos (linguista, militar, religiosa, regional e local, etc.). Entre os respetivos Académicos contam-se reputados investigadores e especialistas, e jovens-promessa.

A propósito da sua admissão a Académico de Mérito na APH, o Diário do Minho recorda alguns dos aspetos curriculares do Arcebispo Primaz que terão pesado na decisão unânime dos Académicos de Número.

D. Jorge Ortiga começou a frequentar, em setembro de 1968, o Curso de História Eclesiástica na Faculdade de História da Universidade Gregoriana, em Roma, concluindo a licenciatura a 10 de Outubro de 1970.

Ainda como sacerdote, foi professor de Introdução aos Estudos Históricos, História das Religiões e História da Igreja no Seminário Conciliar de Braga.

Depois da ordenação episcopal, D. Jorge Ortiga tornou-se presidente do Instituto de História e Arte Cristã (IHAC), membro do Senado Académico da Universidade do Minho e membro do Conselho Superior da Universidade Católica.

A 21 de maio de 2009, foi eleito Doutor “Honoris Causa” em Ciências Sociais pela Universidade Lusíada de Famalicão/Fundação Minerva.




Notícias relacionadas


Scroll Up