Espaço do Diário do Minho

A febre do jogo está a crescer…
21 Mai 2018
António Sílvio Couto

Parece um dado incontornável: os portugueses estão a gastar mais dinheiro no jogo… num total, em 2017, de 3.519 milhões de euros… verificando-se um aumento de onze por cento em relação ao ano de 2016

Vejamos os números que são conhecidos.

Nos ditos ‘jogos sociais’ da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa houve apostas num valor de 3.028 milhões assim distribuídos: raspadinha – 1487 milhões; euromilhões – 851 milhões; placard – 502 milhões; totoloto – 100 milhões; lotaria clássica – 41 milhões; lotaria popular – 23 milhões; joker – 18 milhões; totobola – 8 milhões. Por seu turno, as apostas em casinos foram de 333,1 milhões; nos bingos – 57 milhões; no jogo online – 122.5 milhões.

= Que significado pode ter esta febre de jogo, ao que parece, crescente? Isto quererá dizer que os portugueses desejam enriquecer sem trabalhar? Será, então, um investimento sem esforço e com resultados mais imediatos? Esta opção pelo jogo é resultado da abundância (o dinheiro já sobra para gastar sem conta) ou da crise (do pouco que há, se quer fazer mais rápido)? Será legítimo seduzir as pessoas para o jogo, pondo em causa a dignidade pessoal, familiar ou social? Mesmo que possam ser designados de ‘jogos sociais’, será correto recorrer ao jogo para ganhar a jogar, o que devia ser ganho a trabalhar? Não estaremos a cultivar mais a sociedade da preguiça e do lucro fácil do que a gerar uma sociedade alicerçada no trabalho e na justa recompensa do mesmo? Sendo algo de anónimo, o jogo não estará a seduzir gente sem rosto nem idade para a ele se submeter?

= O que diz o Catecismo da Igreja Católica sobre este tema do jogo, sobretudo se tem a componente à designação de ‘sorte-e-do-azar’: «Os jogos de azar (jogos de cartas, etc.) ou as apostas em si não são contrários à justiça. Tomam-se moralmente inaceitáveis quando privam a pessoa daquilo que lhe é necessário para suprir suas necessidades e as dos outros. A paixão pelo jogo corre o risco de se transformar em uma dependência grave. Apostar injustamente ou fazer batota nos jogos constitui matéria grave, a menos que o dano infligido seja tão pequeno aquele que o sofre não possa razoavelmente considerá-lo significativo» (n.º 2413).

= Tentemos encontrar neste texto da doutrina da Igreja algo que nos poderá exigir mais à formação da consciência de tantas pessoas que enchem as casas de apostas, os locais de jogatina e mesmo os espaços onde o fator dinheiro – é este que move, certamente, tantos dos jogadores – numa cultura bastante materialista e de dependência em ganhar mais e mais.

* Como qualquer vício, o jogo será sempre perigoso, se entrarmos nele com objetivos de apostar, de ganhar e voltar a apostar… Ninguém acredita que possa entrar neste corrupio do jogo para sair dele sem marcas ou mazelas. Pode começar por pouco, mas a sedução da riqueza falará mais alto e, quando se aperceber, estará tomado pelo vício, mesmo naquilo que cria dependência mais ou menos assumida.

* A divulgação dos números supra apresentados poderá ser ainda mais um aliciante para que os jogadores queiram mais, pois, se uns conseguiram ter sucesso, também me poderá tocar – ao menos uma vez – a minha sorte… Fazer fortuna a jogar não costuma ser algo que faz vencer quem assim aposta, pois o parco ganho será despendido em novas tentativas de ganhar outra vez e o ciclo continuará até à ruína mais ou menos próxima… Quanta miséria criada pelo vício do jogo!

= Numa nota de índole pessoal: que me lembre talvez só tenha andado por esta área do jogo, apostando nalguns dos ditos ‘jogos sociais’, duas ou três vezes… e sem grande convicção. Num casino só entrei, a convite, uma vez, recentemente, e aquilo que vi – era uma tarde de semana – deixou-me apreensivo sobre as pessoas que por ali andavam a tentar a sua sorte: os rostos eram tristes – talvez pelas perdas já acontecidas – à mistura com uma certa apreensão, na ânsia de vir a ganhar ou a perder tudo e o resto… A situação geral é preocupante! Os números não enganam, pois o vício parece entranhado na nossa cultura, em especial!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 14 Jan 2019

Vindo do outro lado do Atlântico chegou à nossa sociedade a discussão do ‘azul e rosa’, isto é, a insistência em conotar com estas cores o sexo das pessoas: azul para rapaz e rosa para rapariga. Numa declaração mais fundamentalista – no correto e essencial significado do termo – das cores do sexo masculino e […]

António Sílvio Couto - 7 Jan 2019

Sob a confluência de diversas tendências vemos que, hoje, se manifestam múltiplas formas de religiosidade individualista, onde cada um se serve do que lhe interessa, desde que se sinta (mais ou menos) bem… e que possa tomar das diferentes expressões religiosas – desde as mais tradicionais até às menos institucionais – o que lhe dá […]

António Sílvio Couto - 31 Dez 2018

Por entre a turbulência de transição de ano (civil) vamo-nos preparando para acolher o novo ano. Através da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz – intitulado: “a boa política ao serviço da paz” – podemos (e devemos) rececionar os desafios ao nosso compromisso de participação nesta tarefa de fazer e de […]


Scroll Up