Fotografia: Alexandre Gonzaga

D. Jorge critica corrupção e passividade da justiça

Procissão da Invenção da Santa Cruz reuniu as 89 cruzes das paróquias de Barcelos.

Alexandre Gonzaga
3 Mai 2018

O Arcebispo Primaz lançou ontem, em Barcelos, críticas contundentes aos inúmeros casos de corrupção que diariamente surgem nos media em Portugal e à passividade da justiça diante do fenómeno, «que pode acabar por destruir aquilo que somos como portugueses».

D. Jorge Ortiga, que falava no final da grandiosa procissão de Invenção da Santa Cruz, disse que «parece que estamos à espera de mais casos» e que «é preciso um compromisso bem realista e concreto das autoridades».

«Não podemos tolerar a corrupção e os lobbys que, de alguma forma, estão vilipendiando o sentido humanista da sociedade portuguesa e a nossa identidade cristã», sustentou o prelado.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho de amanhã]





Notícias relacionadas


Scroll Up