Fotografia: Nuno Cerqueira

Dez autarcas juntam-se em Braga para pensar “futuro das cidades”

A mobilidade, a regeneração urbana, a tecnologia e inovação, a criatividade e arte urbana serão alguns dos temas de fundo em discussão.

Redação
2 Abr 2018

A quarta edição do Fórum Internacional das Comunidades Inteligentes e Sustentáveis (FICIS), vai reunir no Museu D. Diogo de Sousa, já a partir de amanhã e ao longo de três dias, mais de 20 especialistas em “smart cities” e dez presidentes de Câmara, para debater e apresentar soluções projetadas para transformar as cidades portuguesas em cidades inteligentes.

A mobilidade, a regeneração urbana, a tecnologia e inovação, a criatividade e arte urbana serão alguns dos temas de fundo em discussão, numa iniciativa que será aberta ao público e pretende afirmar-se como um exemplo de democracia participativa.

«Pelo quarto consecutivo, o FICIS volta a abrir à comunidade uma porta para a partilha de conhecimento sobre como será viver, no futuro, nas nossas cidades. É fundamental incluir os cidadãos nesta discussão, pois o sucesso do futuro das cidades passa, em larga medida, pela colaboração dos próprios cidadãos», refere Ana Fragata, diretora executiva do FICIS 2018.

A mesma responsável destaca que «em Portugal, há vários casos de concelhos menos povoados que têm desenvolvido boas práticas ao nível do futuro sustentável das cidades e que podem, igualmente, beneficiar as grandes cidades portuguesas».

«Este ano, teremos a oportunidade de conhecer os testemunhos de vários presidentes de Câmara de cidades que são casos práticos de sucesso na aplicação destas soluções», frisa.

Além do presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, a iniciativa vai também contar com as participações dos presidentes das autarquias de Arcos de Valdevez, Montalegre, Melgaço, Castelo de Paiva, Gondomar, Tabuaço, Vila Nova de Cerveira, Caminha e Monção.

Do lado dos especialistas em “smart cities”, os paineis de oradores vão contar com o contributo de responsáveis de entidades como o Internacional Iberian Nanotechnology Laboratory (INL), a Universidade do Minho e o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, e das empresas Siemens, IBM, Deloitte, EDP Distribuição, Bosch, Transportes Intermodais do Porto, Cisco, PT Empresas, Armis, BSB, REN Portgás Distribuição, CaetanoBus, Efacec, entre outras.





Notícias relacionadas


Scroll Up