Fotografia: Avelino Lima

D. Jorge denuncia interesses económicos e ideológicos ocultos para legalizar eutanásia

A eutanásia «resulta de interesses económicos e ideológicos ocultos, assim como é o resultado da nossa incapacidade pessoal e social de cuidarmos dos nossos», denunciou ontem o Arcebispo de Braga e Primaz das Espanhas, D. Jorge Ortiga, na homilia da Celebração da Morte do Senhor, a que presidiu na Sé Catedral perante mais de um milhar de pessoas.

Álvaro Magalhães
30 Mar 2018

No dia em que a Igreja celebrava a memória da morte redentora de Cristo, D. Jorge Ortiga disse ser para si «inevitável», naquele momento, «não pensar no drama da eutanásia». Explicou que na raiz da palavra eutanásia significa uma “morte boa”. Diversos países na Europa legalizaram já esta prática. Em Portugal, existem também projetos para a despenalização de tal ato e o prelado referiu que «aparentemente trata-se de um ato de compaixão». «Mas se olharmos para os países onde este ato é praticado, descobriremos uma verdade oculta. A eutanásia é também praticada em doentes mentais, assim como em pacientes que sofrem depressão ou ansiedade», asseverou.

 

Leia mais na edição impressa.





Notícias relacionadas


Scroll Up