Espaço do Diário do Minho

Para não ser como um mocho!
26 Mar 2018
António Sílvio Couto

Ao final da manhã, o vizinho estava a sair de casa para levar a passear, mesmo em cadeira de rodas e por entre alguma chuva, a mulher um tanto entrevada desde há meses… Este ritual é, nas palavras do marido, uma forma de ter contacto com as outras pessoas, não sendo, na sua visão, alguém como o mocho, que viveria taciturno consigo mesmo e sem ligar aos demais…

Num tempo em que as pessoas se vão fechando – ou talvez mais encerrando – em si mesmas, sem olharem aos outros, esta perspetiva de sair de casa e de levar alguém ao contacto com os outros é – ou devia ser – uma boa dose de abertura para com os mais próximos, podendo ser os vizinhos muito mais do que a presença dos familiares diretos… tão ‘ocupados’ andam com as suas vidas!

= Como ave notívaga, o mocho encerra alguma simbólica ambígua, tanto podendo significar algo que tenha a ver com a sabedoria, a vigilância e a contemplação – aparece, por vezes, associado à representação da matemática – como ainda pode ser interpretado numa vertente mais sombria, associado a episódios portadores de más notícias, onde a morte seria um deles, e mesmo com um sentido algo esotérico relacionado com a bruxaria e afins…

Em certos contextos socioculturais a alusão ao mocho é algo mais alusivo ao prenúncio malévolo do que como portador de boas notícias…

Porque vive e anda de noite, a sua visão é associada a uma capacidade invulgar de ultrapassar as dificuldades e mesmo entendido como uma expressão de sabedoria acima da média… sobretudo humana.

= Quando o tal vizinho utilizou o recurso de ‘não ser como o mocho’ talvez tenha pretendido fazer sair da escuridão e da penumbra em que tantas pessoas – ele dizia-o por experiência familiar – se escondem e refugiam, evitando o contacto com os outros e podendo fecharem-se numa espécie de ensimesmamento…

Há, no entanto, uma outra possibilidade de valorização de ‘não ser como o mocho’, na medida em que as pessoas saindo da circulação como que podem entrar num processo de pré-morte, sendo relegadas para um espaço onde (quase) perdem a sua identidade e marginalizadas, mesmo que inconscientemente, abdicam de incomodarem os mais próximos e até os familiares… Todo este processo pode deixar marcas irremediáveis, sobretudo, se as pessoas que assim vivem, têm tendências para o isolamento e a autoexclusão…

Hoje há uma larga fatia da nossa população que vive isolada, passando uma boa parte do seu dia votada a uma espécie de abandono… Não basta tentar fazer sair essas pessoas de casa, se não forem valorizadas e atendidas às suas necessidades e potencialidades mais básicas e essenciais.

= Vivemos efetivamente numa encruzilhada, onde a egolatria tem mais espaço e oportunidade do que a capacidade de repararmos no Cristo de braços abertos e de coração trespassado na Cruz. Esta deverá polarizar a nossa atenção nos dias que se aproximam… de Semana Santa e de Páscoa. Com efeito, quando andamos tanto a olhar para baixo – até parece que perdemos algo e tentamos encontrá-lo avidamente – tornar-se num grande desafio essa atitude de olharmos para o Alto e de vermos no Crucificado quem responde às nossas aspirações mais subtis e audaciosas. Enquanto não soubermos colocar o olhar na meta, andaremos a titubear por entre as quedas nas etapas…

Quem melhor do que Jesus para nos ensinar a percorrer o nosso caminho – nem sempre tão sacro quanto seria desejável – de cada dia e de toda a vida: n’Ele, por Ele e com Ele aprendemos a não ficarmos tropeçados nas quedas, mas, com a ajuda dos outros e ajudando-os também, haveremos de ser capazes de vivermos em abertura àqueles/
/as que Deus coloca no nosso caminho, confiando neles e sendo amparo uns para os outros.

Desejamos para todos quantos nos possam ler que tenham um tempo de vivência do mistério pascal com serenidade e simplicidade, com ousadia e com harmonia, com fidelidade e espargindo a felicidade de acreditarmos em Cristo Jesus… O mocho foi entendido em certas épocas da cristandade como prefiguração de Cristo (Lc 1,79), como referência à capacidade de guiar as almas que estavam nas trevas… para a paz!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 11 Nov 2019

No programa do XXII governo constitucional faz-se larga referência à questão da demografia, mais em vista de colheita económica do que com mentalidade pela vida. A partir da página 100 e até à página 103, o dito programa dedica algumas considerações e propostas. Respigamos da abertura dessa secção: «Sendo a diminuição da natalidade e da […]

António Sílvio Couto - 4 Nov 2019

A tendência em menorizar a iniciativa privada por contraste com a capacidade de distribuição de regalias pelo Estado tem vindo a acentuar-se, tanto na mentalidade como no comportamento de uma boa parte dos governantes – e afins – tal como governados no nosso país. Disso mesmo podemos dar conta ao consultar o programa do XXII […]

António Sílvio Couto - 28 Out 2019

De vez em quando lemos, ouvimos ou vemos que um grupo de idosos foi fazer uma nova ‘experiência’ de aprendizagem… de hóquei em campo, de dança, de música, de teatro… indo ao encontro das suas memórias, recordando tempos passados… explorando novos campos em imitação dos mais novos… Certamente que é importante e fundamental que os […]


Scroll Up