Espaço do Diário do Minho

A “coxear” no regime
15 Jan 2018
Narciso Mendes

Apesar de termos um Parlamento, disposto em forma de “ferradura”, com assentos parlamentares à esquerda e à direita, onde se instalam os deputados dos diversos partidos, é para o centro que esquerda e direita convergem a entender-se. Fruto de uma constituição que bebeu, legislativamente, no processo revolucionário, militar, de 25 de Abril de 1974, em que o Partido Socialista se transformaria no garante do caminho para uma sociedade socialista.

Daí, que toda a política, à posteriori, endeusasse a esquerda como aquela que promete dar o socialismo aos portugueses, a quem lhes passaram a pedir – em troca – impostos e votos para elegerem a atual maioria parlamentar – num regime democrático à espera de melhores dias, quanto ao poder do povo português. Num Hemiciclo onde existe, uma ala à direita que não se assume como tal, ao invés da esquerda marxista, leninista e trotskista – agora agarrada ao PS – que se preza de o ser.

Tempos houve em que, quase sempre, soprou uma aragem que empurrava o PS a aliar-se ao PSD ou ao CDS/PP, resultando uma maioria parlamentar ao centro, ficando apenas os partidos à esquerda do PS. Só que, agora, o vento mudou. O seu falecido fundador, experiente, nunca embarcou em tal aventura, receoso de uma tempestade comunista, como o fez este primeiro-ministro socialista. Coisa que não amedrontou este seu correligionário, associando-se a eles. Ainda que esta aliança não corresponda à vontade, expressa nas urnas, por não ter sido anunciada. Mesmo assim tolerada, a meu ver, pela reversão dos cortes do anterior Governo, embora favorecido pelo crescimento económico em toda a comunidade europeia.

Não posso estar mais de acordo com um reputado economista quando escreveu, recentemente, no DN, que “há em Portugal um regime enviesado e uma direita descuidada”. A que eu acrescentaria, ressabiada.

Basta vermos o incómodo que sentem alguns deputados, dos partidos que compõem a oposição ao Governo, quando ouvem: – aqueles senhores da direita fizeram isto… e aquilo…!

Isto, porque segundo os cânones d’abril, ser de direita ainda é sinónimo de reacionário e fascista. Ou seja, sofre de todos os epítetos usados contra a ditadura. Uma espécie de herança fechada – a sete chaves – nas mentes de todos quantos se sentem donos da verdade, por terem recebido novo “fardamento” ideológico de tipo estalinista ou ao estilo de Kim Jong-un, líder eterno. Porque, segundo ensinaram às massas populares “só de punho erguido um país fará sentido”.

Ainda agora nesta campanha de eleições, para a presidência do PSD, um dos candidatos prometeu puxar o partido para o lugar dele – que é o centro. E até o próprio CDS, que é por definição “centrista”, raramente admite ter um pensamento de direita. Será por ter tido alguém a revogar o irrevogável, que provocou este “coxear” no regime e debate democrático?

É que se já com tanto centrismo as alcunhas surgem depreciativas, se um partido se assumisse como “direita portuguesa democrática”, com este estado de alma – vindo da revolução – logo seria apelidado de “hitleriano”. Como se direita e esquerda vivessem numa redoma, da qual não saem, nem evoluem. Pois, afinal, ainda que todos tenham telhados de vidro, é pela dialética entre os dois pensamentos que poderemos vir a ter, um dia, uma democracia de sucesso, com justiça a sério e defensora dos direitos humanos.

Dizia, há dias, um ex-dirigente do CDS/PP, em entrevista ao JN: “a direita portuguesa está em crise profunda. E não ganhará eleições se ambos os partidos não mudarem o discurso. Mas qual direita? Aquele que sem um programa político aglutinador, voltado para no futuro, pensa ser capaz de derrubar esta “muralha de tachos”, criada pelo PS? Ou a cujas propostas, não sabendo a carne nem a peixe, resultem num “saboroso” compromisso de esbater este fosso entre ricos e pobres?



Mais de Narciso Mendes

Narciso Mendes - 10 Jun 2019

E ponde na cobiça um freio duro / E na ambição também, que indignamente / Tomais mil vezes. E no torpe e escuro / Vício da tirania, infame e urgente; / Porque essas honras vãs, esse ouro puro / Verdadeiro valor não dão à gente; / Milhor é merecê-los sem os ter, / Que possui-los […]

Narciso Mendes - 3 Jun 2019

“Quando perdemos os bens, perdemos muito. Mas quando perdemos a coragem, perdemos tudo”.M.Cervantes. Já em outros tempos, sobre a coragem e a forma de a cultivar nos falava o Cardeal Saraiva em texto adaptado para um livro de leitura, antigo, que encontrei na minha estante e que diz o seguinte:“em 1524 Vasco da Gama, encarregado […]

Narciso Mendes - 27 Mai 2019

Longe vai o tempo em que os autocarros dos, então, Serviços Municipalizados de Braga se contavam pelos dedos das duas mãos. Daí, que quem pretendesse apanhar um deles, para ir ou voltar, teria de chegar a tempo e horas. Sobretudo quando se tratava do último que partia às 20h30, junto à Caixa Geral de Depósitos. […]


Scroll Up