Fotografia: DM
Ministro do Planeamento quer Europa e fundos para 2030 com novo olhar sobre a floresta

De acordo com o ministro, o Governo considera ser “absolutamente crítico o desenvolvimento do potencial agrícola e florestal” do país, designadamente tendo em vista o futuro pacote de financiamento comunitário.

Lusa
8 Jan 2018

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas defendeu hoje a necessidade de alertar a União Europeia (UE) para mudar políticas relativamente à “floresta do sul da Europa”, tendo em mente os fundos comunitários para 2030.

“Os fundos comunitários têm estado muito orientados para o desenvolvimento da agricultura competitiva. Este é o tempo de apresentarmos à Europa o caso da floresta do sul da Europa. Para ocuparmos de forma sustentável e resiliente estes territórios, precisamos de outra política florestal”, afirmou Pedro Marques em Matosinhos, distrito do Porto, numa reunião com o Conselho Regional do Norte destinada a debater com as regiões a estratégia nacional para as próximas décadas, nomeadamente tendo em vista o financiamento comunitário ‘Portugal 2030’.

O primeiro-ministro marcou presença no encontro, “algo inédito para o mais alto representante executivo do país”, como destacou o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), mas a comunicação social não pode assistir à intervenção feita por António Costa na sessão.

Já Pedro Marques referiu-se aos incêndios que afetaram Portugal durante o verão para classificar como “absolutamente fundamental para Portugal e para o sul da Europa” fazer um caminho de “alteração” relativamente às políticas florestais.

“As alterações climáticas estão a demonstrar que precisamos de ordenar para dar sustentabilidade a esta floresta e a estas regiões de baixa densidade”, frisou o governante, na reunião promovida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

Pedro Marques notou que a floresta do sul da Europa “é específica” porque, “nas últimas décadas”, teve “um desenvolvimento com plantio espécies que não são autóctones, mas que têm maior rendibilidade”, algo que é necessário inverter porque o próprio território “parece dizer-nos que precisa de estar ocupado doutra forma”.

“Esta é uma prioridade muito importante para o desenvolvimento do país e para competitividade, resiliência e segurança das populações das regiões da baixa densidade”, vincou.

O ministro defendeu ainda ser este “o tempo para exercer pressão adicional de corrida para o topo” no que diz respeito à qualificação dos jovens, fazendo um esforço para os colocar “nos melhores índices”.

Quanto à “via profissionalizante”, Pedro Marques considerou ser necessário “orientar as qualificações para novas especializações da economia”. Já sobre a “qualificação dos adultos”, admitiu existir “ainda um grande caminho a percorrer”.

“Precisamos de recuperar a mão-de-obra que não tem as qualificações necessárias, com uma orientação para a dupla certificação de competências: escolares e de qualificações, para as novas necessidades e profissões que economia vai reclamando”, afirmou.

Na sessão de abertura da reunião do Conselho Regional do Norte, Pedro Marques esclareceu que o encontro pretendia “debater a estratégia para o Portugal 2030”.




Notícias relacionadas

Cultura Publicado salário mínimo de 635,07 euros na função pública Lisboa, 20 fev (Lusa) – O decreto-lei que atualiza de 580 euros para 635,07 euros o salário mínimo pago na função pública foi hoje publicado em Diário da República, entrando na quinta-feira em vigor mas com efeitos retroativos ao primeiro dia de janeiro. “O valor da remuneração base praticada na Administração Pública é igual ou superior a 635,07 euros, montante pecuniário do 4.º nível remuneratório da Tabela Remuneratória Única (TRU)”, lê-se no diploma do Governo, promulgado na segunda-feira pelo Presidente da República. O diploma especifica que a atualização remuneratória “é paga por inteiro, sem faseamento”, por razões de equidade face aos trabalhadores que auferem uma remuneração base com aquele valor. “Quando, por aplicação do disposto no presente decreto-lei, resulte para o trabalhador um acréscimo remuneratório inferior a 28 euros, este mantém os pontos e correspondentes menções qualitativas de avaliação do desempenho para efeitos de futura alteração de posicionamento remuneratório”, especifica o Governo no diploma. No preâmbulo do decreto-lei, o executivo argumenta que “a discussão salarial não pode, necessariamente, ir além do valor que, para o efeito, foi inscrito na Lei do Orçamento do Estado para 2019, devendo a medida adotada ser entendida como um primeiro passo para a retoma da normalidade na negociação salarial, sem colocar em causa os princípios de igualdade, de justiça e de equidade entre trabalhadores da Administração Pública”. Na terça-feira, a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, em declarações à agência Lusa, disse que o Ministério das Finanças deu orientações aos serviços para fazerem um processamento salarial extraordinário ainda em fevereiro para assegurar o novo valor da remuneração base a cerca de 70 mil funcionários públicos. “Por forma a que os trabalhadores possam, obviamente, sentir expressão direta e concreta desta medida no mais curto espaço de tempo, o Governo está a dar orientações aos serviços para que, na medida do possível, realizem um processamento extraordinário ainda este mês por forma a incorporar a nova regra”, revelou a governante. Fátima Fonseca explicou que “todos os trabalhadores cujo processamento salarial é garantido pela ESPAP [Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública] terão o pagamento garantido ainda este mês”. Esta entidade é responsável, atualmente, pelo processamento salarial de 55 mil trabalhadores da administração pública, num universo de mais de 600 mil. Quanto aos restantes trabalhadores de outros setores, a regra será a mesma, mas o pagamento dependerá da capacidade de cada serviço. Amanda Palmer e Lisa Gerrard vão atuar no Theatro Circo
20 Fev 2019

Programação do TC.


Scroll Up