Fotografia: DR
Novo alargamento de horários em 44 centros de saúde do Norte a partir de hoje

“No que diz respeito a camas suplementares nos hospitais, estando prevista a abertura de 364 para todos as unidades da região, até à presente data apenas tivemos necessidade de abrir 277”, acrescenta a ARS-N.

Lusa
5 Jan 2018

A Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N) anunciou hoje o “alargamento de horários” em 44 centros de saúde para adequar os serviços “às temperaturas adversas dos próximos dias”, indicando prever-se a abertura de 364 camas nos hospitais.

Esta é já a terceira vez que a ARS-N reforça os serviços dos centros de saúde da região desde 26 de dezembro, dia de tolerância de ponto, e até agora foram feitas diariamente, no “horário alargado”, cerca de 1.600 consultas extra de Medicina Geral e Familiar, ao passo que a média diária geral dos atendimentos “tem oscilado entre os 6.000 e os 7.500 episódios por dia”, revela a ARS-N em comunicado.

Este novo “plano de resposta da ARS-N aos cuidados de saúde” surge na sequência de medidas já tomadas a 29 de dezembro, com o reforço de horários em 39 unidades de saúde e pretende responder ao “aumento de procura” e como forma de “adequação dos diferentes serviços face às temperaturas adversas já verificadas e previsíveis para os próximos dias”, explica a ARS-N.

Fonte da ARS-N explicou à Lusa que o plano se manterá até que se justifique.

Quanto aos atendimentos nos centros de saúde da região, a ARS-N clarifica que, “até esta data, em horário alargado, foram efetuadas, diariamente, mais cerca de 1.600 consultas de Medicina Geral e Familiar”.

De acordo com a ARS-N, “comparativamente com período homólogo do ano anterior”, tais dados não representam um “aumento significativo”.

Segundo a ARS-N, está em causa um crescimento de “cerca de 1%”, algo “ainda muito aquém da capacidade de resposta por esta ARS prevista”.

“A procura dos serviços de urgência hospitalar segue a mesma tendência dos centros de saúde, sendo que, nesta data, e pese embora o alargamento e adequação das equipas, a média diária tem oscilado entre os 6.000 e 7.500 episódios por dia, aproximadamente”, acrescenta aquela entidade.

Quanto a “camas suplementares nos hospitais”, está “prevista a abertura de 364 para todas as unidades da região”, mas até ao momento apenas houve “necessidade de abrir 277”, indica ainda a ARS-N.

Quanto ao alargamento dos horários dos centros de saúde, estão em causa 44 unidades em várias zonas do Norte.




Notícias relacionadas

Cultura Publicado salário mínimo de 635,07 euros na função pública Lisboa, 20 fev (Lusa) – O decreto-lei que atualiza de 580 euros para 635,07 euros o salário mínimo pago na função pública foi hoje publicado em Diário da República, entrando na quinta-feira em vigor mas com efeitos retroativos ao primeiro dia de janeiro. “O valor da remuneração base praticada na Administração Pública é igual ou superior a 635,07 euros, montante pecuniário do 4.º nível remuneratório da Tabela Remuneratória Única (TRU)”, lê-se no diploma do Governo, promulgado na segunda-feira pelo Presidente da República. O diploma especifica que a atualização remuneratória “é paga por inteiro, sem faseamento”, por razões de equidade face aos trabalhadores que auferem uma remuneração base com aquele valor. “Quando, por aplicação do disposto no presente decreto-lei, resulte para o trabalhador um acréscimo remuneratório inferior a 28 euros, este mantém os pontos e correspondentes menções qualitativas de avaliação do desempenho para efeitos de futura alteração de posicionamento remuneratório”, especifica o Governo no diploma. No preâmbulo do decreto-lei, o executivo argumenta que “a discussão salarial não pode, necessariamente, ir além do valor que, para o efeito, foi inscrito na Lei do Orçamento do Estado para 2019, devendo a medida adotada ser entendida como um primeiro passo para a retoma da normalidade na negociação salarial, sem colocar em causa os princípios de igualdade, de justiça e de equidade entre trabalhadores da Administração Pública”. Na terça-feira, a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, em declarações à agência Lusa, disse que o Ministério das Finanças deu orientações aos serviços para fazerem um processamento salarial extraordinário ainda em fevereiro para assegurar o novo valor da remuneração base a cerca de 70 mil funcionários públicos. “Por forma a que os trabalhadores possam, obviamente, sentir expressão direta e concreta desta medida no mais curto espaço de tempo, o Governo está a dar orientações aos serviços para que, na medida do possível, realizem um processamento extraordinário ainda este mês por forma a incorporar a nova regra”, revelou a governante. Fátima Fonseca explicou que “todos os trabalhadores cujo processamento salarial é garantido pela ESPAP [Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública] terão o pagamento garantido ainda este mês”. Esta entidade é responsável, atualmente, pelo processamento salarial de 55 mil trabalhadores da administração pública, num universo de mais de 600 mil. Quanto aos restantes trabalhadores de outros setores, a regra será a mesma, mas o pagamento dependerá da capacidade de cada serviço. Amanda Palmer e Lisa Gerrard vão atuar no Theatro Circo
20 Fev 2019

Programação do TC.


Scroll Up