Espaço do Diário do Minho

Procurando ver o Bem através da evolução dos tempos
20 Dez 2017
Maria Helena Paes

Na época de Natal, quando era criança, na cozinha, olhava com admiração para a empregada que diante de um alguidar de barro enorme, juntava farinha, ovos, fermento, entre outros, que depois amassava. Quantas vezes, de joelhos sobre um banco, para melhor poder apreciar a Emília a juntar com as suas mãos os diferentes produtos, questionando-lhe o que ia fazer, ao que ela respondia: “São os doces de Natal, menina”. Quais? Perguntava, a sentir crescer água na boca. “Vários – respondia a Emília –, uns serão fritos, outros recheados com grão, batata-doce. Outros serão de abóbora. Contudo, todos serão passados por açúcar e canela, conforme a menina e os seus irmãos gostam”. Constituía uma autêntica maravilha observar a Emília a fazer os doces da época. A certa altura, quando entendia que a massa já se encontrava pronta, fazia nela o sinal da cruz e dizia: “Deus te acrescente, que é para muita gente!”. Depois acrescentava: “Menina, agora vá brincar com os seus irmãozinhos. A massa fica a repousar, e eu vou fazer os vários recheios”. Obedecia prontamente. Agora era coisa de crescidos. Certamente, quando estivesse tudo pronto, seria chamada para provar e dar o meu parecer.

Mas por que razão a Emília dizia sempre depois de fazer o sinal da cruz: “Deus te acrescente que é para muita gente?”. Um dia, já mais crescida, resolvi perguntar-lhe diretamente. A Emília esclareceu a minha curiosidade. “Menina, é porque tenho fé. A massa fica a levedar. Se não ficar boa, os doces não sairão bem. Por esse motivo, peço a ajuda de Deus, para que a menina, os seus irmãozinhos, os pais e a toda a família, os saboreiem com prazer e tenham um doce Natal”. Na realidade, nunca provei uns doces de Natal tão bons quanto os da Emília!

Há uns anos atrás, encontrava-me em Viena de Áustria por motivos profissionais. Numa pausa passei pela famosa pastelaria “Demel”. Aproximava-se o Natal. Os seus chocolates e bolos são deliciosos e conhecidos mundialmente. Para mim o melhor era o apfelstrudel com molho quente de baunilha. Apesar de não apreciar demasiado coisas doces, não resistia a essa doce tentação. Enquanto degustava o bolo, observava através dos vidros, já que a cozinha era toda envidraçada, os cozinheiros a decorarem a magnífica doçaria de Natal. Na altura, vinha-me sempre à memória a infância e em particular a Emília a preparar os doces de Natal. Tudo tem o seu tempo!

Volto aos tempos antigos. Como tudo era bonito então! As luzes da decoração cintilavam nas suas múltiplas cores. A elaboração do presépio constituía um momento de extrema importância. O pinheiro era verdadeiro com um cheiro que perdurava toda a época. Na realidade, não eram só os paladares, mas também os diferentes cheiros que marcavam esta época. O musgo para o presépio era apanhado pelos mais pequenos. Com mais ou menos arte, procurávamos fazer lagos, montes, pontes, mas sobretudo, que ficasse em relevo, o estábulo onde nasceria Jesus. A ceia da consoada era sempre muito alegre, animada, com a presença de muita família, e, na verdade, com alguma ansiedade, para que chegasse a hora do nascimento de Jesus. Depois já poderíamos ver se havia alguma prenda no sapatinho. O normal seria só vermos no dia seguinte, porque entretanto adormecíamos, cansados com tanta brincadeira e excitação.

O que pretendo partilhar, é que o Natal da minha infância não era melhor nem pior do que agora. Unicamente são tempos e realidades diferentes. Recentemente um familiar referiu: “Os mais novos não vão ter as nossas doces memórias, agora tudo se modificou”. Mas, se Deus quiser, terão outras igualmente boas, ajustadas a novos tempos. Estão a construí-las e a armazená-las no baú das recordações, ou seja, na sua memória.

Vamos procurar que as vivências sejam igualmente boas, e procurando transmitir as nossas recordações, histórias de vida, tradições e valores familiares. Sobretudo, já que hoje em dia a vida, por um lado, encontra-se mais facilitada, mas por outro, mais complicada, enquanto avós, procuremos aliviar o fardo dos filhos e netos que o viver a vida acarreta, nesta luta contínua em prol da defesa da família e do seu bem-estar. Procuremos, de um modo positivo, ver o bem nos acontecimentos e deixá-lo fluir. Todos ganharemos serenidade, autoconfiança e paz interior, e a celebração do Natal será mais feliz e acolhedora.

No Presépio, deixaremos aos pés do Menino que agora nasce, todas as nossas preocupações, pedidos e orações. Maria, Rainha da Família, intercederá por todos nós. Para todos, onde quer que se encontrem, fica o desejo de um Santo Natal.



Mais de Maria Helena Paes

Maria Helena Paes - 2 Mar 2019

Investir nos Jovens é investir no futuro, foi esta a frase que mais me sensibilizou e que deu o mote para escrever este artigo, ao ter participado, na Assembleia da República – Sala do Senado –, no dia 30 de janeiro de 2019, na Cerimóniade abertura do Ano da CPLP (Comunidade dos Países de Língua […]

Maria Helena Paes - 24 Nov 2018

A vida tem destas coisas. Ser feliz no meio das adversidades. Precisamente na semana que findou, alguém que possui uma fé enorme, me confidenciou que tinha sido confrontado com inúmeros problemas. Mas também com inúmeras alegrias que ajudaram a alcançar algum equilíbrio. Afirmava mesmo que via a mão de Deus nos acontecimentos. Por um lado […]

Maria Helena Paes - 22 Set 2018

Hoje ao sair para fazer umas compras, quando me encontrava na caixa a fazer o pagamento fui confrontada com uma história singular que passo a referir. Ao meu lado surgiu um senhor já com alguma idade, com um ar envergonhado e receoso. Questionou a funcionária como se chamava um rapaz empregado do supermercado que se […]


Scroll Up